DESTAQUE

Sítio arqueológico no Amapá intriga a comunidade científica

Por
22 de Dezembro de 2016
Os megalitos em Calçoene, no Amapá, possuem alinhamentos com o Sol que apontam para um avançado conhecimento astronômico
Créditos: Arquivo

O mistério dos megalitos de Calçoene, nas proximidades do Rio Rego Grande, no Amapá, teve início somente a partir dos anos 90, quando os megalitos foram descobertos por Lailson Camelo da Silva, que derrubava a mata quando era capataz em uma fazenda de gado. O sítio arqueológico ficou mais conhecido com o trabalho da arqueóloga Mariana Cabral, da Universidade Federal de Minas Gerais, que estudou o impressionante achado ao lado do marido e também arqueólogo João Saldanha ao longo da última década.

A descoberta do sítio de Rego Grande, combinada a outros achados como restos de grandes assentamentos, escavações de grandes proporções e até complexas redes de estradas, está modificando as opiniões acadêmicas anteriores. Antes a maioria dos pesquisadores afirmava que a Amazônia era por demais inóspita para culturas mais adiantadas, exceto por pequenas tribos nômades. Agora boa parte da comunidade acadêmica aceita que a região foi amplamente povoada, com uma população que pode ter chegado a 10 milhões de pessoas, formando culturas avançadas e com adiantados conhecimentos astronômicos.

No caso do sítio em Rego Grande, testes de radiocarbono e medições por parte de pesquisadores da arqueoastronomia ajudaram a determinar que os megalitos foram assentados no local há cerca de 1.000 anos, formando um observatório astronômico. Essa mudança de postura tem ocorrido desde o final do século XIX, quando o zoólogo suíço Emilio Goeldi descobriu outros megalitos na fronteira entre o Brasil e a Guiana Francesa. O descobridor do chamado Stonehenge Brasileiro, Lailson da Silva, afirma ter observado o local pela primeira vez nos anos 60, durante uma caçada, mas passou a evitar a área diante de certas superstições locais. Hoje ele é zelador do local.

PESQUISA APONTA SOCIEDADES SOFISTICADAS NA AMAZÔNIA HÁ SÉCULOS

crédito: Arquivo
Outra imagem do sítio de Rego Grande
Outra imagem do sítio de Rego Grande

Liderados por Cabral e Saldanha, o sítio de Rego Grande foi cercado e escavado. Entre as descobertas, um trecho de rio distante cerca de 3 km do local, onde os construtores podem ter obtido os blocos de granito para a construção. Urnas fúnebres de cerâmica foram encontradas nas proximidades, apontando a finalidade ritualística de parte do local, mas a descoberta mais importante foi a de pesquisadores do Instituto de Pesquisa Científica e Tecnológica do Amapá, que determinaram que uma das pedras altas está alinhada com o trajeto do Sol durante o solstício de inverno, daí o nome Parque Arqueológico do Solstício.

Outras pedras do lugar também parecem alinhadas com o movimento solar, o que deu base à teoria de que Rego Grande foi construído para funções ritualísticas e astronômicas, ligadas tanto ao ciclo da agricultura quanto da caça. Os megalitos, ao lado de outros sítios menores encontrados no Amapá, podem também ter funcionado como marcadores, auxiliando caçadores e outros viajantes em seus deslocamentos ao longo da região, um milênio atrás. O desafio de pesquisar os mistérios dos impressionantes megalitos de Calçoene, a 390 km ao norte de Macapá, irá render ainda muitos anos de pesquisa para os cientistas brasileiros, em busca de desvendar esse importante pedaço de nossa história.

Saiba mais sobre o Parque Arqueológico do Solstício

Geoglifos, mais um dos incontáveis mistérios da Amazônia

Alexander Kazantsev: Uma conversa com o sábio

A Revista UFO com Erich von Däniken no Peru

Animação brasileira conta a história dos anunnaki

Estrela quase tão antiga quanto o Universo é encontrada por brasileiros

Consultor da Revista UFO lança livro infantil

Saiba mais:

Livro: Vimanas: Veículos Voadores de Nossos Antepassados

crédito: Revista UFO
Vimanas: Veículos Voadores de Nossos Antepassados
Vimanas: Veículos Voadores de Nossos Antepassados

As provas de que a humanidade conviveu com outras inteligências cósmicas há milênios, aqui na Terra e de forma aberta, estão neste livro. Naves cintilantes cortam os céus a grandes velocidades. São de vários formatos e tamanhos, todas com elevada tecnologia. Nelas não se veem motores nem asas, são movidas por sistemas de propulsão silenciosos. Muitas vezes descem ao solo, aterrissam e seus tripulantes – de formato humano – encontram-se com observadores estupefatos diante do que veem. Não raramente, as privilegiadas testemunhas são convidadas a viajar nestes incríveis veículos, e algumas, surpreendentemente, podem até pilotá-los.

DVD: Pacote Completo - Extraterrestres no Passado III

Já está no ar a Edição 60 da Revista UFO. Aproveite!

Novembro de 2011

Afinal, o que querem visitantes tão constantes e interessados?