NOTÍCIA

Estrela quase tão antiga quanto o Universo é encontrada por brasileiros

Por Equipe UFO | 23 de Janeiro de 2016

Foto da estrela estudada por cientistas da USP
Créditos: ESO

Uma equipe formada por astrônomos norte-americanos e brasileiros descobriu uma estrela, designada como 2MASS J18082002-5104378, caracterizada na categoria ultra pobre em metais (UMP). O astro é o mais brilhante dessa classe já encontrado e situa-se a 2.500 anos-luz de distância. A pesquisa foi realizada com os telescópios do consórcio Observatório Europeu do Sul (ESO), o VLT e o NTT, situados no Chile.

Jorge Meléndez, professor do Instituto de Astronomia, Geofísica e Ciências Atmosféricas da Universidade de São Paulo (USP) explica: "A estrela deve ter pelo menos 13 bilhões de anos, sendo certamente uma das primeiras estrelas da Via Láctea". Pelo fato de ser muito pobre em metais, tendo 1/10.000 desses elementos em relação ao Sol, a estrela é muito antiga, tendo se formado no princípio do Universo, quando existiam somente hidrogênio e hélio, além de minúsculas quantidades de lítio. Os elementos mais pesados foram criados em reações nucleares no interior das primeiras estrelas, que ao explodirem os espalharam, possibilitando o surgimento de novas gerações desses astros.

O professor Meléndez tem realizado estudos em estrelas pobres em metais desde 2013. As primeiras observações da 2MASS J18082002-5104378 foram feitas em 2014 com o Telescópio de Novas Tecnologias (NTT) e os estudos subsequentes realizados com o espectrógrafo UVES do Telescópio Muito Grande (VLT). A estrela se revelou como a mais brilhante entre as UMP, com brilho de 11,9 magnitudes, podendo ser observada por telescópios de 10 cm ou maiores. Meléndez comenta: "É muito raro encontrar uma estrela UMP tão brilhante. Essas estrelas são preciosas relíquias para arqueologia galáctica, para desvendar a história da nossa galáxia, a Via Láctea".

NOVOS ESTUDOS COM O HUBBLE

Como já mencionado, as primeiras estrelas fundiram o hidrogênio e hélio em elementos mais pesados, carbono, oxigênio e ferro. Quando uma estrela gigante funde o ferro, imediatamente explode em supernova, literalmente semeando nebulosas próximas com esses elementos mais pesados. Dessas nuvens de gás surgem novas estrelas e planetas, e tais elementos são incorporados a eles, terminando por dar origem, provavelmente, a formas de vida. Jorge Meléndez afirma que a 2MASS J18082002-5104378 não é de primeira geração, devido à pequena quantidade de metais em sua composição. A baixa metalicidade, por sua vez, aponta para sua idade muito avançada, e pelo fato de ser a mais brilhante também é a estrela UMP mais fácil de ser observada. A estrela tem 88% da massa do Sol e está no fim de sua vida, começando o processo de se tornar uma gigante vermelha. O professor agora pretende apresentar um projeto para utilizar o telescópio espacial Hubble em posteriores observações, a fim de obter um espectro ultravioleta e estudar os demais elementos químicos de sua composição.

Leia o artigo sobre a descoberta

Lançado primeiro foguete brasileiro de combustível líquido

Astrônomos brasileiros descobrem asteroide próximo à Terra

A Ficção Científica Brasileira e a Ufologia

Astrônomos brasileiros descobrem estrela similar ao Sol

Mistério da estrela KIC 8462852 se aprofunda

Planetas habitáveis existem em estrelas próximas da Terra

Encontrada estrela irmã do Sol

Cientistas comparam planetas reais com os da saga Star Wars

Saiba mais:

Livro: Dossiê Cometa

DVD: Buscando Vida Fora da Terra

crédito: Revista UFO
Buscando Vida Fora da Terra
Buscando Vida Fora da Terra

Enquanto cientistas de diversas áreas buscam respostas para a origem e o futuro da humanidade terrestre, a exobiologia vasculha vastas regiões do universo à procura de outras formas de vida. Com exuberantes imagens obtidas pela NASA e usando avançados recursos de computação gráfica, este documentário mostra como seriam as espécies que encontraremos no espaço e deixa claro que esta é apenas uma questão de tempo.

Saiba mais sobre este assunto na edição 217 da revista

Comentários