DESTAQUE

Novo horizonte em vista para NARCAP

Por
14 de Março de 2011
NARCAP elabora associação com outras organizações de pesquisa
Créditos: Alexander Jonsson/Aviantex

Ted Roe, co-fundador da National Aviation Reporting Center on Anomalous Phenomena [Central Nacional para a Informação de Fenômenos Anômalos, NARCAP], com 11 anos de existência, relatou que seu site tem uma modesta quantidade de quatro a 5.000 visitantes por mês e, talvez, 50% dos picos durem menos de 30 segundos . "A maioria não passa por nossa home page", afirmou Roe.

Cerca de 50 de seus membros - pesquisadores associados, principalmente, com disciplinas tão díspares como a engenharia da aviação e psicologia da percepção - estão estudando UFOs, um dos temas com tráfego mais intenso no ciberespaço. É que eles se referem ao mistério por outra sigla, UAP (Unidentified Aerial Phenomena) ou Fenômeno Aéreo Não Identificado (FANI), num esforço para evitar a "bagagem" UFO e sua associação com ETs. Não importa que suas análises técnicas, como em 2010 com o Projeto Esfera, sejam rotineiramente ignoradas pela mídia e nunca referenciados pelos chamados céticos, alegando a falta de dados para análise.

Sem o tipo de querelas públicas que ultimamente tem caracterizado o bem maior, ao contrário da popular Mutual UFO Network (MUFON), os trabalhos da NARCAP seguem em grande parte na obscuridade, como seus associados - que incluem pilotos e técnicos de radar - tendem a se concentrar sobre a segurança da aviação nas questões levantadas por colisões próximas e avarias eletrônicas.


No entanto, talvez o discreto perfil esteja prestes a mudar. Ao contrário dos EUA, o governo chileno tem um sistema de comunicação formal e transparente de UAPs, chamado Comitê de Estudos de Fenômenos Aéreos Anômalos (CEFAA), criado em 1997 após uma onda de avistamentos ufológicos grande demais para ser ignorada. Em dezembro passado, a NARCAP pode ter tirado a sorte grande e, possivelmente, sem precedentes, quando assinou uma parceria com o CEFAA sob a égide da Direção Geral de Aviação Civil do Chile e da Aeronáutica.

Os signatários incluíam o diretor do CEFAA, general Ricardo Bermudez Sanhueza. Em 2000, Bermudez entregou um memorando ao Pentágono através da embaixada norte-americana perguntando se exercícios anti-míssil dos EUA poderiam explicar ainda outra erupção de avistamentos ao longo da costa central do Chile em 1999. Ele também manifestou uma contrapartida de interesse no trabalho para investigar os insólitos ininterruptos no céu.

"Ambos os pedidos ficaram sem resposta", escreveu Bermudez no livro UFOs: Generals, Pilots and Government Officials go on the Record [UFOs: Generais, Pilotos e Funcionários do Governo vão a Público, Harmony Books, 2010] de Leslie Kean, jornalista investigativa, diretora de pesquisa da The Coalition for Freedom of Information [Coalisão para Liberdade de Informação, CFI] e consultora da Revista UFO, que está na lista de mais vendidos do The New York Times. "Para ser franco, nós não tivemos nenhuma resposta dos Estados Unidos em qualquer momento que se tentou obter sua cooperação sobre UFOs."

"Na verdade", disse Ted Roe, "Bermudez se aproximou de nós há cerca de um ano e meio, eles tiveram problemas em curso entre UAPs e seus militares, então nós estamos ansiosos para trabalhar com eles, tivemos uma relação cordial com o Chile desde que começamos a NARCAP". O que se espera, obviamente, é que uma aliança NARCAP/CEFAA possa criar uma dinâmica de desenvolvimento da cooperação internacional formal e compartilhamento de dados. Todas as apostas ficam sobre a questão: qual será a resposta dos EUA?

"Eu acho que a ciência simplesmente não é atraente", afirmou Roe. "As pessoas não querem olhar para os dados, porque é assim, não podemos controlar o que seja entediante. Nós vamos continuar fazendo o trabalho de revisão e manter a procura de publicações no exterior." Leia também a entrevista exclusiva do Dr. Richard Haines, presidente da NARCAP, à Revista UFO [Richard Haines: UFOs causam preocupação imediata à aviação civil e militar de todo o mundo], oportunidade em que ele reconheceu a gravidade do Fenômeno UFO sobre a segurança do espaço aéreo internacional.

Já está no ar a Edição 175 da Revista UFO. Aproveite!

Março de 2011

Resgatando casos clássicos da Ufologia Brasileira