DESTAQUE

NASA alerta contra profecias do fim do mundo

Por
03 de Dezembro de 2012
Se Nibiru estivesse se aproximando, já seria um dos objetos mais brilhantes no céu
Créditos: Gilderm; Sxc.hu

A proximidade do fatídico dia 21 de dezembro de 2012, e todo o furor a respeito da suposta profecia maia do fim do mundo, levou a agência espacial norte-americana a organizar um pronunciamento de alguns de seus cientistas. A genuína preocupação recai sobre o medo que tais profecias sensacionalistas e irresponsáveis possam causar, especialmente em crianças e adolescentes.

O medo e a paranóia, misturada a irresponsabilidade dos divulgadores de mentiras, são baseados em interpretações equivocadas do calendário maia. Este aponta para o dia 21 de dezembro próximo o solstício de inverno do hemisfério norte, e quando o ciclo chamado de 13º b´ak´tun será encerrado. Estudiosos do povo maia destacam que os autores do calendário jamais viram esse dia como apocalíptico, mas graças à variados fatores surgiu o rumo de fim de mundo.

A NASA mantém um site dedicado a combater as bobagens relacionadas ao fim do mundo em 2012, o que inclui o suposto planeta Nibiru se aproximando da Terra. De fato, a astronomia tem mantido uma estrita vigilância sobre objetos que se aproximam da Terra e podem representar um perigo real, tais como asteróides, e apontam o óbvio: se houvesse um grande planeta rumo a uma colisão com o nosso, a esta altura já seria o astro mais brilhante do céu além do Sol e da Lua!

David Morrison, astrobiólogo da NASA no Centro de Pesquisa Ames, além de reforçar que evidentemente não há verdade na paranóia sobre Nibiru, ressaltou o problema real a respeito dos temores do fim do mundo. Ele tem sido um dos maiores combatentes da agência nesse campo, e descreveu as muitas mensagens que recebe de pessoas preocupadas, especialmente jovens. Alguns destes afirmam que sua preocupação é tão grande que não conseguem comer ou dormir, enquanto outros dizem pensar em suicídio.

Essa sem dúvida é a maior preocupação quanto aos absurdos das idéias apocalípticas. MOrrison alerta: "Enquanto para muitas pessoas esse tema é uma piada, e para outras é um mistério, vários indivíduos estão realmente preocupados e com medo". Sabe-se que nem todos os que espalham tais rumores acreditam que o mundo irá acabar. Existem os crentes da Nova Era que esperam transformações espirituais ou o que for. Mas o que tem preocupado a NASA são as crianças. "É um absurdo que se espalhem esses rumores e as crianças fiquem amedrontadas", afirma Morrison.

Nessa conferência, que ocorreu em 28 de novembro, os cientistas da agência realizaram um videochat de uma hora, demistificando absurdos como Nibiru e erupções solares destruidoras. Neste último caso, a heliofísica Lika Guhathakurta explicou que o Sol tem estado em um ciclo muito ativo e de fato emissões mais poderosas podem danificar satélites e eletrônicos. Porém, existem satélites e sondas examinando a estrela, e protocolos de alerta para a proteção de linhas de transmissão e outros equipamentos. Guhathakurta deixou claro que mesmo o atual ciclo de grande atividade solar não é dos mais fortes, e não existe qualquer sinal de uma grande erupção que possa ser perigosa.

Os cientistas também deixaram claro que não existe qualquer objeto celeste ameaçando a Terra nos próximos meses, e a única aproximação de destaque é a de um asteróide que irá passar a uma distância equivalente a de 4,5 raios da Terra [o raio do planeta é de 6378 km]. Eles também confirmaram que o campo magnético da Terra não irá se reverter, e que é absurda a idéia de que o buraco negro no centro da Via Láctea, a 30000 anos-luz de distância, possa de alguma forma ameaçar nosso mundo. A única ameaça que paira é, evidentemente, aquela produzida pela espécie humana, seja com seu comportamento violento ou pouco inteligente, no caso da destruição do meio ambiente.

Site da NASA desmistificando o fim do mundo

2012, Nibiru e Bobagens

Saiba mais:

Livro: Ufologia à Luz dos Fatos

DVD: O Enigma das Pirâmides

Já está no ar a Edição 68 da Revista UFO. Aproveite!

Novembro de 2012

Estamos fazendo as perguntas certas?