DESTAQUE

Sai resultado das análises da filmagem de suposto UFO no interior do Rio de Janeiro

Por
25 de Março de 2013
O suposto objeto de Queimados não passa de um inseto
Créditos: Rede Record de Televisão

Na primeira quinzena de março, a Rede Record de Televisão exibiu reportagens nos programas Geraldo e Balanço Geral a respeito de uma filmagem obtida por um sitiante na cidade de Queimados, interior do Rio de Janeiro. A matéria apresentava o vídeo do suposto UFO que teria pousado no sítio de madrugada e sido flagrado por uma câmera que o morador instalou para proteger sua criação de animais de frequentes roubos.

O programa apresentou os ufólogos Orlando Barbosa e Paulo Aníbal, que deram seus pareceres. Aníbal afirmou que a filmagem tinha qualidade insuficiente para que fosse possível tirar qualquer conclusão, mas que seria importante analisar o depoimento de testemunhas oculares que supostamente teriam avistado o objeto. Já Barbosa defendeu a autenticidade da gravação, que segundo ele comprova o pouso de um UFO no local. Entretanto, o perito convidado pelo programa, Maurício de Cundo, disse que o vídeo é resultado de algum pequeno objeto muito próximo da lente da câmera, refletindo a luz dos LEDs.

A Equipe UFO, por meio dos especialistas Julio Rena e Toni Inajar, realizou uma detida análise do vídeo apresentado pela Rede Record. Eles comentaram, inclusive, sobre as galinhas mortas exibidas na reportagem, que para Toni na verdade se resumem a uma única, e sequer foi apresentado qualquer laudo veterinário quanto à causa mortis. De fato, não há qualquer ligação entre o animal e o suposto UFO. Além disso, desmentem a versão de que um suposto ser aparece no vídeo, descrito na reportagem.

Sobre o objeto, o parecer de Rena e Inajar aponta:

- O objeto surge de modo idêntico ao pouso de um inseto, repententinamente, com um comportamento incoerente ao que uma suposta nave teria.

- O forte brilho do objeto é causado pela sua grande proximidade com os LEDs da câmara, refletindo a luz emanada, projetando o efeito luminoso.

- Os arcos no restante da imagem são apenas reflexos deste inseto. Como são diversas lâmpadas, contornando a lente objetiva, surgem múltiplos reflexos. O suposto vulto que o repórter afirma ver é apenas pareidolia (erro de interpretação, assim como ver formas de animais em nuvens).

- Os movimentos constatados em uma pequena região da parte superior do objeto brilhante são semelhantes aos movimentos naturais e repetitivos que um inseto faz, especialmente mariposas, com seus membros anteriores, com o objetivo de exalar feromônios para atrair companheiros para o acasalamento.

- A pequena esfera que surge e desaparece, quase ao final do filme, tem todo o aspecto das imagens (esferas) produzidas quando um pequeno inseto se aproxima e se afasta da lente da câmara. Tal aparecimento repentino se dá devido às suas reduzidas dimensões, fazendo com que o seu reflexo se intensifique e se torne perceptível quando ele já se encontra muito próximo das luzes, no entorno da lente. Assim que o inseto se afasta um pouco, volta a ficar imperceptível pela câmara. O formato esférico se deve ao fato de a câmara captar somente o brilho de seu reflexo, não conseguindo pela proximidade captar suas formas, pois o mesmo está na pequena área permanentemente fora de foco, logo em frente à câmara.

Assim, os especialistas Julio Rena e Toni Inajar, da Revista UFO, concordam e complementam o parecer do perito Maurício de Condo, apresentado no próprio programa da Rede Record. A análise científica comprova que nada há de extraordinário na filmagem, que registrou apenas a presença de um comum inseto. O caso comprova a necessidade de extremo cuidado nas afirmações diante de eventos supostamente extraordinários, buscando a palavra de especialistas que possam realizar uma análise amparados por profundos conhecimentos técnicos.

Reportagem da Rede Record de Televisão

Saiba mais:

Livro: Perigo Alienígena no Brasil

DVD: Reflexões sobre Ufologia

Já está no ar a Edição 198 da Revista UFO. Aproveite!

Março de 2013

E se eles finalmente chegarem?