NOTÍCIA

Roswell: teste recente teria confirmado que detritos são extraterrestres

Por Equipe UFO | 14 de Julho de 2011

O artefato que foi analisado. Tamanho da amostra de cerca de 10 mm de comprimento. Fragmento final cortado para testes
Créditos: Frank Kimbler

Roswell: teste recente teria confirmado que detritos são extraterrestres

Um professor do Instituto Militar do estado norte-americano de Novo México, em Roswell, pode ter descoberto a primeira evidência científica de um artefato feito em outro planeta. Além do mais, esse material foi encontrado próximo à área onde os restos de um suposto disco voador foram resgatados nos arredores de Roswell, em 1947.

Frank Kimbler é docente na disciplina de estudos da Terra numa faculdade, e geologia numa escola em Roswell. Ele afirma que sempre se interessou em estudar UFOs e particularmente teve sua própria experiência por volta de seus 20 anos de idade. Então, quando se mudou para a cidade, decidiu utilizar sua capacidade profissional para testar e colocar à prova elementos do mais famoso incidente ufológico de todos os tempos, a queda em Roswell [Caso Roswell].

Ele diz que seu principal objetivo era encontrar evidência física, quando começou a observar algumas imagens de satélite no local dos supostos destroços. O professor conheceu o fazendeiro Mac Brazel, que havia dito que a Força Aérea tinha encontrado pedaços do UFO que caiu. Kimbler usou infravermelho para melhorar algumas imagens obtidas a fim de destacar as áreas onde o solo foi alterado pela queda.

Ficou surpreso ao localizar um quadrante que era similar ao que testemunhas haviam descrito, de aproximadamente 1,2 quilômetros de comprimento e algumas centenas de metros de largura, de frente para a direção que tinham historicamente relatado. Ele também notou que essa área possuia bordas muito simples, algo incomum para uma ocorrência natural.

Seu próximo passo era chegar até lá e começou a fazer viagens para o local a partir de maio de 2010. Usando um detector de metal que poderia encontrar pedaços mínimos e até sob três centímetros abaixo da superfície, seria capaz de procurar pequenos pedaços - exatamente seu objetivo. Em escavações arqueológicas anteriores, a área foi peneirada através de telas com buracos grandes o suficiente para fragmentos muito pequenos transpassarem-nas. Kimbler imaginou que, se havia mais alguma coisa, seria minúscula e, talvez, escondida em tocas de animais ou formigueiros. Foi justamente num formigueiro onde ele descobriu sua primeira peça.

crédito: Frank Kimbler
Imagem de satélite Landsat multiespectral mostrando o campo de destroços. A imagem mostra claramente uma queimadura (ou área perturbada), abrangendo a localização exata do campo de destroços, como descrito por testemunhas
Imagem de satélite Landsat multiespectral mostrando o campo de destroços. A imagem mostra claramente uma queimadura (ou área perturbada), abrangendo a localização exata do campo de destroços, como descrito por testemunhas

O que Kimbler achou foi um metal prateado que parecia alumínio. Isto foi estranho porque não existiam indícios de qualquer tipo de objetos de alumínio na área. Ocasionalmente encontrou estanho, que se originou a partir de telhados de zinco, e alguns pregos. Acabou descobrindo mais desses artefatos prateados, e diz que pareciam estar desfiados. Algumas das bordas até poderiam ter sido derretidas. Ele também encontrou alguns botões de alumínio que parecem ser do tipo usado em uniformes militares na década de 40, que confirmariam a presença de militares naquela área e época.

crédito: Frank Kimbler
Os botões. Provisoriamente, identificados como de fardas militares dos anos 40 e 50
Os botões. Provisoriamente, identificados como de fardas militares dos anos 40 e 50

Auxílio especializado e desprezo

O professor considerou a necessidade de fazer análise nos pequenos pedaços de prata. Para obter ajuda, procurou o Museu Internacional de Roswell [Roswell international UFO Museum and Research Center], principal centro de pesquisa da suposta queda na região. Mostrou o material ao diretor do museu, Julie Shuster, e acompanhou o processo de análise com o pesquisador Don Schmitt. Eles decidiram financiar o primeiro teste, que foi feito pela instituição Novo México Tech, em Socorro. Usando uma microssonda, foram capazes de determinar a composição do material. Acabou por ser uma lata de alumínio, silício, liga de cobre e manganês. Não é desconhecido, mas utilizado em construções e não são encontrados normalmente em forma de alumínio.

Este fato incentivou Kimbler a fazer uma nova análise, de isótopo, sobre a peça. Informa que este trabalho é muito importante porque as relações são "muito parecidas com nossas impressões digitais". Determinadas concentrações de elementos no solo são exclusivos para a Terra. Então, "se você sabe proporções de isótopos de magnésio, será o mesmo para qualquer coisa terrestre com magnésio, mas se não for da Terra, ela terá uma relação diferente", explanou. "Por exemplo, meteoritos têm proporções diferentes, porque não são da Terra. A análise isotópica é necessária para determinar se um material é da Terra ou de outro mundo".

crédito: Frank Kimbler
Alguns dos fragmentos de liga de metal encontrados enterrados e espalhados sobre o campo de destroços
Alguns dos fragmentos de liga de metal encontrados enterrados e espalhados sobre o campo de destroços

Procurou a Universidade do Novo México, através do Instituto de Meteorítica, e conversou com seu especialista em isótopos para realizar uma análise. Kimbler não tinha contado nada ao perito sobre as amostras, disse que a única razão do teste seria porque ele suspeitava que o material era do espaço exterior e queria saber a origem. Mas quando contou a história, o especialista se recusou em realizá-lo, afirmando que a idéia de uma nave espacial caindo em Roswell era "um monte de besteira".

Um dos outros cientistas no instituto, na verdade argumentou a possibilidade de que o material fosse algo fora do comum, e se dispôs a dar uma olhada. Este era especialista de microssonda da universidade e, embora sem poder fazer qualquer análise de isótopos, foi capaz de obter informações mais específicas sobre a composição e confirmar o trabalho inicial que tinha sido feito.

O instituto Bigelow Aerospace [Do bilionário Robert Bigelow, personalidade com intenso interesse em tecnologia extraterrestre, que já esteve inclusive no Brasil em busca de evidências, veja Robert Bigelow alerta para o perigo dos UFOs] mostrou alguma boa vontade em ajudar Kimbler com sua análise, mas depois de passar meses com poucos resultados, decidiu procurar outro lugar. Encontrou outro laboratório com várias certificações e com profissionais dispostos a fazer o trabalho. O Museu Internacinal de Roswell investiu na análise e os resultados vieram em cinco dias. Kimbler diz que quase caiu de costas quando verificou a informação. A orígem estava fora do planeta, e como ele coloca, havia apenas duas respostas para explicar os resultados: "O laboratório cometeu um erro de análise ou o material não é da Terra".

crédito: Frank Kimbler
Fracionamento de isótopos de magnésio modificado a partir do gráfico usado pelo Dr. Peter Sturrock em sua análise do fragmento da queda de UFO em Ubatuba (SP). Compostos de magnésio, metais e minerais devem todos se mostrar sobre ou muito perto da linha. A chondite é um tipo de meteorito e desde que não se origina a partir da Terra não desenha na linha. O AH-1 Roswell liga parcelas da linha. O enredo do AH-1 é uma anomalia, quer seja um erro de análise ou de o material que não é da Terra. São necessários mais ensaios para verificar os dados e determinar se é um erro ou originado de outro mundo
Fracionamento de isótopos de magnésio modificado a partir do gráfico usado pelo Dr. Peter Sturrock em sua análise do fragmento daexplosão de UFO em Ubatuba (SP, 1957). Compostos de magnésio, metais e minerais devem todos se mostrar sobre ou muito perto da linha. A chondrite é um tipo de meteorito e desde que não se origina a partir da Terra não desenha na linha. O \'AH-1 Roswell\' liga parcelas da linha. O enredo do AH-1 é uma anomalia, quer seja um erro de análise ou de o material realmente não ser da Terra. São necessários mais ensaios para verificar os dados e determinar se é um equívoco ou originado de outro mundo

Apenas o início

No entanto, o trabalho não está terminado. "Seguindo o protocolo do bom método científico, um conjunto maior de dados é necessário", diz. Para provar se o laboratório cometeu ou não um erro, precisa realizar outras avaliações. Diz que mais dois laboratórios certificados estão na fila para fazer testes isotópicos adicionais, confirmando ou contestando a pesquisa realizada até agora, e que ele pode ter em mãos estes resultados dentro das próximas semanas. Kimbler lembra que para a confirmação de que o material não é da Terra (extraterrestre), é necessário haver dois ou três laboratórios mostrando os mesmos resultados.

Outro aspecto importante do material, se comprovado ser de alumínio e mostrando as possível orígem insólita, é que tem de ser fabricado em alumínio. Ao contrário de alguns elementos naturais, como, por exemplo, ouro e prata que podem ser encontrados como pepitas em sua forma bruta, o alumínio não é encontrado na natureza. Isso significa que este artefato é algo que foi fabricado em outro lugar. Até agora os humanos não são nada em manufatura espacial [Produção de materiais no espaço], muito menos de algo que cairia do espaço exatamente no local onde uma alegada nave espacial foi encontrada em 1947.

Kimbler discorre que está sendo cuidadoso antes de fazer qualquer reclamação definitiva, mas permanece "esperançoso". Ele fala que laboratórios certificados normalmente não cometem erros, e que essas pessoas que fizeram a análise são algumas das melhores no ramo.

As implicações destes resultados, se acabarem atestando nova e definitivamente a origem e fabricação extraterrestre, serão, naturalmente, surpreendentes. Ele poderia ter a arma fumegante para provar que estamos sendo visitados por uma civilização inteligente de outro planeta, e que um de seus veículos caiu em Roswell em 1947? Kimbler afirma que vai manter a todos informados e tem sido gentil o suficiente para nos fornecer imagens do material e análise.

Acesse outras imagens e resultados clicando aqui. Assista as imagens da análise: Ouça abaixo Frank Kimbler discutir sua descoberta na rádio Open Minds, no original em inglês:

Leia também:

Edição UFO Especial 51: Acidentes de UFOs (Parte 1) - Quando os discos voadores caem na Terra

Edição UFO Especial 52: Acidentes de UFOs (Parte 2) - Operações de resgate de naves

Edição UFO Especial 53: Acidentes de UFOs (Parte 3) - Segredos inconfessáveis

Compartilhe essa notícia:

Saiba mais sobre este assunto na edição 57 da revista

Comentários