DESTAQUE

Nave Voyager 1 entra em região desconhecida do sistema solar

Por
04 de Dezembro de 2012
Ilustração da nave Voyager 1, atravessando uma região onde partículas emitidas pelo Sol se encontram com as que chegam do meio interestelar
Créditos: NASA

No mesmo dia do anúncio da provável descoberta de compostos orgânicos em Marte pelo rover Curiosity a NASA anunciou, em uma outra conferência de imprensa, que a nave Voyager 1, lançada em 1977, penetra em uma região antes desconhecida nos limites do sistema solar.

A nave passou pelos planetas Júpiter em 1979 e Saturno em 1980, ao passo que sua gêmea Voyager 2, em uma trajetória mais lenta, visitou esses dois mundos mais Urano e Netuno. Encerradas essas missões, as duas sondas afastam-se do sistema solar, e a Voyager 1 está próxima de conseguir o inédito feito de ser o primeiro objeto feito pelo homem a chegar ao espaço interestelar.

Os cientistas ainda não estão seguros de quando esse fato acontecerá, e defendem que neste momento a nave está atravessando a última fronteira do sistema solar, definida pela heliosfera. Esta é a bolha de partículas carregadas emitidas pelo Sol, e a NASA afirma que a sonda penetrou em uma região que eles chamaram de "autoestrada magnética". Nessa zona, partículas emitidas pela nossa estrela saem de sua influência, e partículas do meio interestelar penetram no sistema solar.

De acordo com Edward Stone, cientista do projeto e do Instituto de Tecnologia da Califórnia: "Acreditamos que esta seja a última camada entre nós e o espaço interestelar. Essa região não era esperada, e tampouco prevista". A respeito da aguardada saída do sistema solar, Stone afirma que é difícil de prever: "Não sabemos exatamente quanto tempo ainda levará. Pode levar dois meses ou dois anos".

O motivo da dúvida se deve ao fato de as Voyagers serem capazes ainda de detectar as partículas emitidas pelo Sol, e que possuem um campo magnético de orientação leste e oeste. Fora do sistema solar os modelos prevêem que a orientação será norte e sul. Os instrumentos das sondas medem continuamente esses efeitos, determinando que a emissão do Sol é considerada de baixa energia, ao passo que no meio interestelar estas seriam de alta energia. A NASA explica que as partículas que chegam de fora têm sido detectadas em maior quantidade, ao passo que as solares têm diminuído constantemente.

crédito: NASA
As Voyager 1 e 2 se afastam em direções diferentes, e estão nos limites do sistema solar
As Voyager 1 e 2 se afastam em direções diferentes, e estão nos limites do sistema solar

As Voyagers são a missão mais longa já lançada pela humanidade, mas não estão apontadas para estrelas específicas. Pode demorar pelo menos 40000 anos antes que cheguem a outro sistema estelar. Evidentemente a energia de seus geradores nucleares acabará muito antes disso, e a previsão é que os instrumentos continuem a funcionar ao menos até 2020, e tenham parte da força até 2025.

O Pálido Ponto Azul, os planetas fotografados pela Voyager 1

Vídeo Voyager, a mais distante jornada da humanidade

Como as Voyager 1 e 2 funcionam

Distâncias no sistema solar

Saiba mais:

Livro: Dossiê Cometa

DVD: 50 Anos de Exploração Espacial Parte 2

Já está no ar a Edição 193 da Revista UFO. Aproveite!

Outubro de 2012

Velhos casos, novas perguntas