DESTAQUE

Nave Orion tem primeiro teste bem-sucedido

Por
08 de Dezembro de 2014
Lançamento da Orion, em seu primeiro teste não tripulado
Créditos: NASA

Uma nova era de voos espaciais teve início no último 05 de dezembro, quando foi lançada de uma plataforma no Cabo Canaveral a nave Orion, no topo de um foguete Delta 4 Heavy, da United Launch Alliance. Após completar uma órbita ao redor da Terra a nave não tripulada, ainda acoplada ao último estágio do foguete, teve seu motor novamente acionado para lançá-la a uma distância de 5.800 km. Esta foi a missão mais distante de qualquer nave capaz de levar tripulantes desde o final do Projeto Apollo em 1972.

Através de 1.200 sensores instalados na nave os técnicos da NASA acompanharam o desempenho da Orion ao longo de toda a missão de 4 horas e meia. Os aspectos mais importantes a serem analisados eram o comportamento durante as separações de estágios, verificar o efeito que a passagem pelos cinturões de radiação da Terra, chamados Van Allen, teriam em seus aviônicos, além do teste do escudo de calor na reentrada na atmosfera. Tudo ocorreu com precisão e conforme o previsto, até o pouso no mar no Oceano Pacífico, sustentada por três paraquedas. Esta forma de pouso, assim como o formato geral da Orion, são reminiscências da Apollo que levou humanos à Lua em 6 missões de alunissagem, porém a nova nave é bem maior.

Na reentrada na atmofera o escudo de calor, o maior do tipo já construído, suportou temperaturas da ordem de 2.200 ºC, devido ao atrito produzido pela velocidade de 32.000 km/h. A missão foi chamada Voo Teste de Exploração 1 (EFT-1) e os dados recolhidos irão auxiliar a refinar o projeto da nave. O exemplar da Orion que foi utilizado nesse teste será recondicionado para um teste em 2018 do sistema de escape de lançamento, um pequeno foguete montado em seu topo, que afastará a nave com os astronautas a bordo em caso de problemas com o foguete. Uma outra Orion, já sendo construída pela empresa contratada Lockheed Martin, será usada no voo chamado Missão de Exploração 1 (EM-1), que deverá ser lançada também sem tripulação para orbitar a Lua e retornar à Terra.

PLANOS PARA A LUA E MARTE

crédito: NASA
Pessoal da Marinha norte-americana recupera a cápsula Orion após o teste bem sucedido
Pessoal da Marinha norte-americana recupera a cápsula Orion após o teste bem-sucedido

A missão EM-1, programada para 2017, deverá ser também a primeira do novo foguete da NASA, o Sistema de Lançamento Espacial (SLS). Capaz de colocar 70 toneladas em órbita, será o mais potente veículo lançador desde o Saturno V do projeto Apollo, cuja capacidade de carga chegava a 130 toneladas. A NASA desenvolve uma segunda versão do SLS para voos mais distantes, com a mesma capacidade do Saturno V. A seguir, na missão EM-2, a Orion novamente voará com o SLS, desta vez com astronautas a bordo, ao redor de 2025. Este voo deverá marcar a primeira visita de humanos a um asteroide, que a NASA pretende capturar no espaço profundo com uma missão não tripulada, e em seguida colocar em órbita ao redor da Lua. Os planos envolvem ainda preparar uma missão tripulada a Marte, ao redor da metade da década de 30. Para tanto, habitats capazes de acomodar e proteger os astronautas por meses seriam adicionados e montados em órbita da Terra, e a Orion serviria como módulo de pouso no retorno ao nosso planeta.

Confira um vídeo sobre a primeira missão da Orion

Visite o site oficial da Orion

Veja fotos do primeiro teste da nova nave

Confira uma galeria mostrando a operação de recuperação da Orion

Infográfico do primeiro voo teste da Orion

Nave Orion da NASA fará primeiro teste em dezembro

NASA anuncia as novas naves espaciais dos Estados Unidos

NASA anuncia proposta de orçamento para capturar um asteroide

Saiba mais:

Livro: Dossiê Cometa

DVD: Pacote NASA: 50 Anos de Exploração Espacial


crédito: Revista UFO
Pacote NASA: 50 Anos de Exploração Espacial
Pacote NASA: 50 Anos de Exploração Espacial

Veja em 50 Anos de Exploração Espacial os momentos mais emocionantes da trajetória da NASA, desde o primeiro homem em órbita até as missões do ônibus espacial. A série contém ainda detalhes do funcionamento de satélites espiões, do desenvolvimento da Estação Espacial Internacional e da implantação do telescópio Hubble. Conheça a verdadeira razão de não voltarmos mais à Lua e descubra que o destino agora é Marte, Vênus, Júpiter e mundos além do Sistema Solar, e quais são os planos da NASA para alcançá-los.

Já está no ar a Edição 212 da Revista UFO. Aproveite!

Junho de 2014

Não é somente aqui na Terra