DESTAQUE

Nave Juno realiza correção de curso rumo a Júpiter

Por
05 de Fevereiro de 2016
A Juno chega a Júpiter no próximo 4 de julho
Créditos: NASA

A nave Juno da NASA, lançada em agosto de 2011, realizou com sucesso uma correção de curso no último dia 03, queimando 0,6 kg de combustível. O artefato agora está a cerca de 82 milhões de quilômetros de Júpiter, seu destino final, onde entrará em órbita em 04 de julho próximo. Em 31 de maio a Juno deverá novamente acionar os motores, fazendo o que os técnicos chamam de sintonia fina na trajetória, a fim de que a entrada em órbita do gigante gasoso seja feita com a máxima precisão.

A missão de 1,1 bilhões de dólares pretende mapear com precisão os campos gravitacional e magnético de Júpiter, auxiliando os cientistas a entender a estrutura, formação e evolução do planeta. Igualmente as informações colhidas irão ajudar no entendimento da formação de exoplanetas gasosos, ampliando o conhecimento a respeito de como sistemas solares se formam e evoluem, e eventualmente levem à origem da vida. Para tanto a Juno, com 4 toneladas de peso, irá fazer 33 órbitas ao redor de Júpiter, aproximando-se até somente 5.000 km de suas nuvens mais altas uma vez a cada 14 dias.

Essas órbitas foram precisamente calculadas para que a Juno nunca caia na região de sombra de Júpiter, pois ela é a primeira nave a viajar a tamanha distância do Sol e ainda ser alimentada por energia solar. De fato, no último 13 de janeiro a Juno quebrou o recorde de distância do Sol para veículos alimentados por painéis solares, passando da marca de 792 milhões de km da estrela. O recorde anterior era da Rosetta, da Agência Espacial Europeia (ESA), atualmente pesquisando o Cometa 67P. Todas as outras naves a viajar tão longe do Sol são alimentadas por geradores nucleares a plutônio, e os técnicos da missão comentam que a tecnologia da Juno é inovadora, podendo proporcionar uma grande redução de custos para missões futuras.

TECNOLOGIA INOVADORA

A Juno possui três painéis solares, cada um com 9 metros de extensão e abrigando um total de 18.698 célular solares. Na Terra, o arranjo produz 14 kilowatts de energia, porém em Júpiter, cinco vezes mais distante do Sol, a nave terá a disposição 500 watts. Os técnicos afirmam que é mais que suficiente, graças também à tecnologia utilizada e ao projeto da Juno, que priorizam a eficiência energética. Ao longo da missão primária de 16 meses a Juno se afastará até 832 milhões de quilômetros do Sol. As outras naves a visitar Júpiter foram as Pioneer 10 e 11, Voyager 1 e 2, a Galileo que foi a primeira missão a orbitar o planeta, Ulysses, lançada em 1990 e que foi a primeira nave a passar pelos polos do Sol, a Cassini em rota para Saturno, e a New Horizons em sua viagem até Plutão. A próxima missão da NASA para Júpiter deverá ser a Exploradora das Luas de Gelo de Júpiter (Juice), a ser lançada em 2022.

Visite o site oficial da missão Juno

Infográfico da missão

Nave Juno da NASA passa pela Terra a caminho de Júpiter

Missão a Europa terá verba maior em novo orçamento da NASA

Lua Ganimedes de Júpiter tem oceano interno

NASA busca ideias para procurar vida alienígena em Europa

NASA irá investigar condições para a vida em Europa

Equipe brasileira descobre exoplaneta semelhante a Júpiter

Saiba mais:

Livro: Dossiê Cometa

DVD: Pacote NASA: 50 Anos de Exploração Espacial

crédito: Revista UFO
Pacote NASA: 50 Anos de Exploração Espacial
Pacote NASA: 50 Anos de Exploração Espacial

Veja em 50 Anos de Exploração Espacial os momentos mais emocionantes da trajetória da NASA, desde o primeiro homem em órbita até as missões do ônibus espacial. Reveja o incrível vôo de John Glenn na missão Friendship 7, o sucesso da Apollo 11 e os primeiros passos de Neil Armstrong na Lua, as viagens seguintes ao satélite e as operações conjuntas com a nave soviética Soyuz. Conheça a verdadeira razão de não voltarmos mais à Lua e descubra que o destino agora é Marte, Vênus, Júpiter e mundos além do Sistema Solar, e quais são os planos da NASA para alcançá-los.

Já está no ar a Edição 217 da Revista UFO. Aproveite!

Novembro de 2014

A descoberta de novos mundos