DESTAQUE

Nave Juno da NASA passa pela Terra a caminho de Júpiter

Por
14 de Outubro de 2013
Concepção artística da nave Juno em órbita de Júpiter
Créditos: NASA/JPL-Caltech

Lançada em 05 de agosto de 2001, a nave Juno da NASA tem o objetivo de estudar Júpiter, o maior planeta do Sistema Solar, ao longo de um ano terrestre, completando 33 órbitas em sua missão primária. Os cientistas da missão pretendem entender o funcionamento e evolução do planeta, e aplicar os conhecimentos obtidos na pesquisa de mundos alienígenas.

A sonda é a primeira a afastar-se tanto do Sol e ser alimentada por painéis solares. Outras naves que visitaram Júpiter desde os anos 70, como as Pioneer 10 e 11 e as Voyager 1 e 2, além da missão Galileo, eram abastecidas por geradores nucleares. A Juno deve entrar em órbita polar e analisar a estrutura, os campos magnético e gravitacional, a quantidade de água na atmosfera, pesquisar auroras, campos elétricos, de plasma e partículas, além de obter fotos em ultravioleta, infravermelho e luz visível.

Impulso final rumo a Júpiter

A nave é pesada, com 3267 kg, e com os três painéis solares abertos seu tamanho supera os vinte metros. A fim de atingir a velocidade necessária para chegar a Júpiter, após o lançamento entrou em uma longa trajetória curva ao redor do Sol, que a trouxe de volta à Terra no último dia 09 de outubro. O objetivo dessa passagem a meros 558 km sobre a África do Sul era obter um impulso gravitacional de nosso planeta, aumentando sua velocidade de 126.000 para 140.000 km/h. A manobra funcionou perfeitamente e na trajetória precisa, a somente 2 km do ponto de passagem planejado.

Entretanto, houve um inesperado problema quando os sistemas da Juno entraram no modo de segurança logo antes da passagem. Os computadores de bordo desligaram sistemas não essenciais e mantiveram os painéis solares virados para o Sol para garantir o suprimento de energia. As comunicações prosseguiram e a NASA anunciou que a sonda já deixou o modo de segurança, com todos os sistemas funcionando normalmente. A nave obteve várias imagens da Terra durante a passagem e uma gravação foi feita por Nick James, da Associação Astronômica Britânica, por meio de um telescópio de 28 cm de abertura, que pode ser conferida clicando no link abaixo. A Juno, de 1,1 bilhões de dólares, deve chegar a Júpiter em 04 de julho de 2016.


Paralização do governo afeta a NASA

Enquanto isso, segue a paralização do governo norte-americano e por conseguinte da própria NASA. De seus 18.000 funcionários somente 600 seguem trabalhando para garantir a segurança dos astronautas na Estação Espacial Internacional (ISS) e a integridade das sondas em outros planetas. Entretanto, todo o trabalho de pesquisa espacial e tecnológica permanece interrompido, devido à disputa política envolvendo os partidos Democrata e Republicano, que não se entendem a respeito da dívida do governo. A Sociedade Astronômica Norte-Americana (AAS) disponibilizou um site em que seus membros podem descrever como a paralização do governo os afeta. O plano é usar as informações para elaborar uma carta, a fim de alertar os políticos quanto aos problemas que estão acontecendo.

Assista a um vídeo mostrando a passagem da sonda Juno

Vídeo explicando a passagem da Juno pela Terra

Infográfico sobre o funcionamento da missão Juno a Júpiter

Nave Voyager 1 saiu do Sistema Solar

Saiba mais:

Livro: Dossiê Cometa

DVD: 50 Anos de Exploração Espacial Parte 3

crédito: Revista UFO
50 Anos de Exploração Espacial Parte 3
50 Anos de Exploração Espacial Parte 3

Esta é a terceira parte de uma coleção memorável de documentários que mostram a história da NASA desde sua fundação até seu 50º aniversário, apresentando de forma inédita suas conquistas, as inúmeras dificuldades e tragédias que marcaram sua trajetória e os planos da agência espacial para o futuro da humanidade no cosmos. Ao todo, a coleção contém quase 11 horas de material exclusivo em três DVDs com cerca de 220 minutos cada, com menus claros, rico conteúdo e fácil navegação.

Já está no ar a Edição 203 da Revista UFO. Aproveite!

Agosto de 2013

O todo é maior do que a soma das partes