DESTAQUE

Avistamentos de UFOs teriam aumentado 67% nos últimos anos

Por
31 de Agosto de 2011
\'Há uma boa quantidade de evidência que sugere uma inteligência por trás deste fenômeno. É esta a conclusão\'
Créditos: abovetopsecret

O The Huffington Post apresentou nesta semana uma reportagem na qual retrata, entre outros fatos interessantíssimos, que a maior organização mundial de pesquisa sobre UFOs, a Mutual UFO Network (MUFON), declarou recentemente que, mais do que nunca, estão recebendo casos ufológicos, a maioria desses avistamentos nos EUA e no Canadá.

"No último ano, tivemos uma média de 500 relatos de avistamentos por mês, comparado com 300 há três anos", disse Clifford Clift, diretor internacional da MUFON. "E eu recebo semanalmente o telefonema de uma ou duas companhias de produções, querendo usar as histórias sobre UFOs".

Até a semana passada, luzes misteriosas em Laredo e Kansas City, nos EUA, eram consideradas como a exata definição de objetos voadores vão identificados. Mas, é claro, isso não significa que não poderá haver outras explicações para estes casos. Em geral se diz que 95% de todos os avistamentos são facilmente explicáveis. Alguns não são nada mais do que aeronaves convencionais, satélites ou até mesmo balões meteorológicos, sem contar com as fotos e filmes forjados.

No caso do avistamento de Kansas City, os UFOs eram a equipe de pára-quedistas do exército dos EUA, praticando seus saltos à noite. Mas a luz que piscava sobre Laredo ainda é inconclusiva. Contudo, os restantes 5% de todos os relatos de não são facilmente explicados. E muitos deles são reportados por pilotos comerciais e militares. Alguns destes casos foram examinados no novo documentário do History Channel Secret Access: UFOs On The Record [Acesso Secreto: UFOs em Registro], que foi ao ar na semana passada nos EUA.

"Há também o excelente caso na América do Sul, onde num vôo comercial noturno sobre a Cordilheira dos Andes todas as pessoas de um lado do avião avistaram um objeto luminoso que estava se aproximando na mesma altitude", disse Richard Haines [Entrevistado da edição UFO 168, veja UFOs causam preocupação imediata à aviação civil e militar de todo o mundo], ex-cientista da NASA e presidente da National Aviation Reporting Center on Anomalous Phenomena [Central Nacional para a Informação de Fenômenos Anômalos, NARCAP]. "Quando mais próximo ele ficava, mais fracas ficavam as luzes da cabine da aeronave comercial. Bem, isto é um interessante efeito eletromagnético".

"A ciência não deveria temer"

Haines já foi um cético do Fenômeno UFO, até que começou a escutar narrações de pilotos comercias que compartilhavam suas experiências com ele. Finalmente, criou a NARCAP, que serve como um canal confidencial para relatos de pilotos, tripulações e controladores aéreos, que de outra forma teriam receio de se manifestar. "Estou tentando ser um cientista consciencioso e deixar as coisas tomarem seus devidos rumos, mas imediatamente encontrei um alto nível de preconceito e medo justamente por parte de pessoas que não devem ter receio. A ciência não deveria temer", disse Haines.

Haines e colegas da NARCAP preferem usar o termo Unidentified Aerial Phenomena (UAP), ou Fenômeno Aéreo Não Identificado (FANI), para incluir "uma ampla gama de fenômenos atmosféricos e efeitos que poderiam bem ser espaçonaves alienígenas, mas também algo bem diferente que a ciência ainda não compreende".

crédito: History Channel
John Callahan
John Callahan, uma das principais testemunhas de ações de acobertamento

De acordo com anos de conversas entre Haines e pilotos, estes têm relatado diferentes tipos de encontros com objetos não explicáveis. "Um destes é um encontro onde a aeronave está voando em sua rota, geralmente por intermédio do piloto automático, quando o fenômeno chega ao seu lado, se aproxima do avião, segue paralelamente e algumas vezes faz manobras ao redor dele, e então vai embora", disse Haines. "Isto é muito importante, porque indica uma inteligência por trás do fenômeno, que está selecionando o avião como um foco de atenção e interesse", adicionou.

E parece que foi isso que aconteceu num caso altamente divulgado em 1986, onde a tripulação de um Jumbo 747 da Japan Airlines sobrevoava o Alasca quando encontraram e relataram para os controladores de tráfego da cidade de Anchorage dois UFOs voando paralelamente ao seu avião. Então, os pilotos narraram o aparecimento de um terceiro UFO, enorme.

"Quando o controlador de vôo averiguou com os militares, estes disseram que tinham uma leitura no radar, não só de um objeto, mas de dois objetos primários", disse John Callahan, ex-chefe da Divisão de Acidentes, Avaliações e Investigações da Federal Aviation Administration (FAA). "Quando o piloto primeiramente reportou o UFO, ele disse que era uma bola de luz enorme, aproximadamente quatro vezes maior que seu Jumbo 747", afirmou Callahan.

O encontro de mais de 30 minutos terminou quando o objeto desapareceu. Mas a melhor parte deste caso foi após o incidente, quando Callahan foi contatado pela Agência Central de Inteligência (CIA). "Eu recebi um telefonema de uma pessoa da CIA que disse que gostaria de conversar comigo sobre o UFO. Eu disse, \'Que UFO?\'. Ela respondeu, \'O UFO que estava no Alaska\'".

No outro dia, Callahan estava em uma reunião com membros da equipe científica do então Presidente Ronald Reagan, a CIA e a Agência Federal de Investigação [Federal Bureau of Investigation, FBI], onde lhe disseram para entregar todos os materiais sobre o caso. "Após lhes mostrar os materiais por três vezes, um dos cientistas levantou-se e perguntou sobre o radar. Finalmente outro homem se manifestou e disse \'Ok\', e apontou para a tela dizendo, \'Este evento nunca ocorreu. Nós nunca estivemos aqui. Estamos confiscando todos os dados e você deve jurar manter segredo\'".

Desinformação aprovada pelo governo

E continuou: "Eu perguntei o que ele achava que era o objeto, e ele disse, \'É um UFO. Olhe para eles [apontando para os cientistas], estão babando para acessar estes dados. Esta é a primeira vez que tiveram mais do que um minuto de dados de radar sobre um UFO\'".

Callahan disse ter pedido ao agente da CIA para contatar a imprensa sobre o caso. "Você não pode fazer isto!", disse o agente. "Eu então perguntei, por que não? Ele disse, \'Isto assustaria a população norte-americana, ela não pode saber\'. Assim, pegaram todo o material e partiram", relembrou Callahan.

crédito: History Channel
Caso com o avião
Caso com o avião da Japan Airlines, em 1986

O ex-chefe da FAA acha que a Terra está sendo visitada por alienígenas. "Eu realmente acho que estamos. E o governo não quer te contar a verdade toda hora. Parte do que eu estava fazendo nos meus 10 anos com o governo era mentir para a população. Eu forneci desinformação - uma tática aprovada no governo - porque as pessoas não podem encarar a verdade".

Após anos de trabalho com os pilotos e tentando compreender racionalmente o que algumas vezes encontravam durante seus vôos, Haines é um pouco hesitante quando é questionado sobre o que pensa a respeito dos UFOs. "Esta é uma pergunta pesada. Novamente, eu sou primeiramente um cientista. Não sou profeta ou politico e honestamente não sei, mas estou tentando fazer meu trabalho e alcançar uma resposta racional, baseada em evidências". Mas completou: "Cheguei à conclusão de que há uma boa quantidade de evidência que sugere uma inteligência por trás deste fenômeno. E é esta a conclusão aqui".

Assista abaixo ao documentário History Channel, Secret Access: UFOs On The Record, no original em inglês:


Leia também:

O impressionante discurso de Paul Hellyer para o IUFOC 2011

Alguns casos ufológicos do Reino Unido descritos por Nick Pope

Ufólogo canadense comenta recente onda ufológica no país

Instigantes avistamentos foram apontados dias antes do Caso Roswell

Algumas das mais fortes evidências ufológicas sob atenção mundial


Novas evidências sobre a ação de UFOs em testes com armas nucleares


Confira os documentários exclusivos referentes a este tema disponíveis na Videoteca UFO

Já está no ar a Edição 180 da Revista UFO. Aproveite!

Agosto de 2011

As fotos contestadas agora são objeto de intenso debate