DESTAQUE

Acobertamento ufológico precisa acabar, diz ex-astronauta

Por
19 de Julho de 2013
Edgar Mitchell durante a missão Apollo 14; as sombras são do módulo lunar e do companheiro, Alan Shepard
Créditos: NASA

Edgar Mitchell tem defendido a abertura ufológica há muito tempo, e foi um dos personagens importantes no recente evento das Audiências Públicas sobre Abertura, em Washington. Ele tornou-se também, em 05 de fevereiro de 1971, um dos únicos doze homens, até agora, a caminhar na superfície da Lua, ao lado de Alan Shepard, durante a missão Apollo 14.

Após sua saída da NASA, em 1972, Mitchell fundou o Instituto de Ciências Noéticas, e escreveu o livro The Way of Explorer (O Caminho do Explorador), em que relatava suas experiências no espaço e com o misticismo. Também foi o único astronauta do Projeto Apollo a falar a respeito dos UFOs, e denunciar o acobertamento governamental sobre a matéria.

Recentemente Edgar Mitchell concedeu uma entrevista ao escritor James M. Clash, autor do livro The Right Stuff, que foi adaptado para o cinema no filme Os Eleitos, sobre o Projeto Mercury, que realizou as primeiras missões tripuladas norte-americanas ao espaço. Eles falaram a respeito da missão lunar e sobre UFOs e alienígenas.

James Clash: Houve uma grande emoção quando você pisou na Lua, ou foi somente parte de uma longa listas de coisas por fazer?

Edgar Mitchell: O último é o correto. Claro que foi maravilhoso e estávamos felizes por estar lá, mas era somente parte de uma lista de coisas por fazer que treinamos exaustivamente por semanas a fio em Cabo Kennedy. Passávamos por toda a rotina, a modificávamos seguidamente até que estivéssemos confortáveis com a ordem das tarefas. E claro, a missão Apollo 14 foi a primeira a de fato fazer ciência na Lua, e tínhamos que ser cuidadosos em realizar tudo dentro do prazo certo. As Apollo 11 e 12 [a Apollo 13 teve que retornar à Terra sem pousar na Lua devido a uma explosão no módulo de serviço] serviram para provar que podíamos fisicamente ir até lá e retornar em segurança.

Clash: Você acredita que precisamos estabelecer uma base na Lua antes de enviar humanos a Marte, como alguns de seus colegas da Apollo defendem?

Mitchell: Não acho que há necessidade disso. Isso seria entrar em um campo de gravidade, e depois sair dele novamente. E a Lua não tem tantos recursos assim. Há algumas coisas que podemos minerar ali, mas há melhores meios de fazer isso. Nós precisamos de tipos de propulsão diferentes para chegar a Marte. Escrevi uma das primeiras teses de Ph.D. sobre isso nos anos 60.

Clash: Você também é conhecido por seu ponto de vista sobre os UFOs. O que diz a respeito do incidente de Roswell no Novo México, em 1947?

Mitchell: Depois de meu voo espacial, fui contatado por descendentes das testemunhas originais de Roswell, incluindo a pessoa que providenciou os caixões de tamanho infantil para a Força Aérea norte-americana para acondicionar os corpos dos alienígenas. Outra pessoa era um dos filhos do xerife que controlava o tráfego ao redor do local da queda. Também tive contato com um oficial militar que era amigo de famílias não envolvidas nessa operação, mas que tomaram conhecimento dos fatos. Todos eles passaram credibilidade em seus depoimentos de que corpos de extraterrestres foram encontrados.

crédito: New Page Books
The Way of Explorer, livro de Edgar Mitchell
The Way of Explorer, livro de Edgar Mitchell

Clash: Se esse for mesmo o caso, por que foi tudo abafado?

Mitchell: Inicialmente eu penso que a justificativa entre a liderança militar era que as pessoas não teriam capacidade de lidar com isso. Mas já se passou muito tempo. Francamente, e isso é minha opinião pessoal, lembre o que o presidente Dwight Eisenhower disse: "Cuidado com o complexo industrial-militar". Suspeito que seja disso que estamos falando. Mas não é algo somente militar. São muitas organizações movidas principalmente por lucro. Veja que inventamos o avião no começo do século vinte. Vinte anos depois havia uma indústria aeronáutica. Pense no que poderia significar em termos de viagens espaciais se tivéssemos controle sobre o tipo de tecnologia que os UFOs exibem. Existe com certeza muito dinheiro envolvido.

Clash: Você já viu um UFO?

Mitchell: Eu me considero bem informado, embora nunca tenha tido um avistamento. Não fico lá fora observando, sou muito ocupado.

Clash: Você já foi ameaçado devido a suas declarações sobre Ufologia?

Mitchell: Não, mas eles não teriam sucesso comigo se eles tentassem.

Clash: Você está desapontado pela última visita a Lua ter ocorrido em 1972 [na missão Apollo 17], e desde então enviamos astronautas somente até a órbita da Terra?

Mitchell: É inquestionável que temos que continuar com o desenvolvimento de voo espacial tripulado até outros planetas. Mas também precisamos organizar nossa economia. E então devemos organizar o mundo para um trabalho conjunto, pois esse esforço realmente é demais para somente uma nação. Precisamos de uma comunidade de países capazes de viagens espaciais porque precisamos estabelecer colônias em outros mundos. Não estamos em uma situação sustentável, perigos podem ameaçar a Terra, e eventualmente o Sol deixará de existir.

Confira fotos da missão Apollo 14

Mais imagens da Apollo 14

Trailer do filme Os Eleitos

Filme Apollo 18 trará mais teorias fantasiosas

Declaração final das Audiências Públicas sobre Abertura

Saiba mais:

Livro: O Caso Varginha

DVD: 50 Anos de Exploração Espacial



crédito: Revista UFO
50 Anos de Exploração Espacial
50 Anos de Exploração Espacial
Veja em 50 Anos de Exploração Espacial os momentos mais emocionantes da trajetória da NASA, desde o primeiro homem em órbita até as missões do ônibus espacial. Reveja o incrível vôo de John Glenn na missão Friendship 7, o sucesso da Apollo 11 e os primeiros passos de Neil Armstrong na Lua. Conheça a verdadeira razão de não voltarmos mais à Lua e descubra que o destino agora é Marte, Vênus, Júpiter e mundos além do Sistema Solar, e quais são os planos da NASA para alcançá-los.

Já está no ar a Edição 198 da Revista UFO. Aproveite!

Março de 2013

E se eles finalmente chegarem?