NOTÍCIA

UFO de Jerusalém - Mais uma farsa virtual desvendada

Por Paulo R. Poian | 02 de Fevereiro de 2011

Não, estimado leitor, esta imagem não é um frame dos vídeos. É uma foto, disponível na Wikipedia
Créditos: Wikipedia commons

UFO de Jerusalém - Mais uma farsa virtual desvendada

Novamente, mais uma falsificação rondou os computadores de todas as classes sociais, culturas e credos, causando estardalhaço e sendo espalhada mundialmente através da Internet - mais precisamente no famigerado Youtube.

Três vídeos simultâneos foram lançados, supostamente captados de ângulos e pessoas diferentes no dia 28 de janeiro, contando a história de um UFO que teria pairado sobre um importante e singular santuário, o Dome of the Rock [Domo da Rocha], localizado em Jerusalém (Israel). Tais imagens envolveriam turistas que ali estariam videografando a paisagem.


Desde o princípio, achávamos que se tratava de um novo trote virtual [Fake ou hoax], inclusive alertando diversas comunidades no meio ufológico, principalmente devido às falhas amadoras nas montagens, perfeitamente perceptíveis. Parecia claro o engodo engenhosamente disparado em todas as direções. No entanto, mesmo com os avisos, ninguém segura os boatos e ocorreu o efeito almejado por seus autores, o big-boom na rede, a partir do dia 29 de janeiro.

No Google, digitando "UFO jerusalem", este autor se defrontou na tarde do dia 05 de fevereiro com 2.340.000 (isto mesmo, dois milhões, trezentos e quarenta mil) resultados. Tornando a teclar o mesmo no dia 18, já estamos na casa de 8.900.000 (quase nove milhões de resultados)! Deixando de lado as cerimônias e indo direto ao ponto, um resumo dos vídeos pode ser assistido clicando-se aqui. A estória, para quem ainda não ficou sabendo, será facilmente encontrada por todos os lados e fontes variadas.

Um suposto "porta-voz de uma associação israelense de pesquisas ufológicas" surgiu, anônimo, defendendo duas das gravações. O consultor da Revista UFO Atílio Coelho, que possui contatos naquela região, tentou apurar alguma informação que pudesse ao menos sugerir o mínimo de crédito ao famigerado evento. "Entramos em contato com amigos que residem em Tel Aviv e não confirmaram o acontecimento. Ao contrário, nos informaram ainda que nenhum jornal, rádio ou TV havia feito qualquer comunicado a respeito", declarou Coelho.

Decifrando a farsa

Já que foram três os vídeos iniciais - já estão em seis -, fizemos questão de encontrar o mesmo número. Todavia, ao contrário do engodo, desmascarando indubitavelmente a encenação toda.

Fake, 1º ato - Demonstração de como é simples inserir um UFO ou ponto luminoso em qualquer imagem: Fake, 2º ato - O horizonte (cena de fundo) não era ao vivo, mas sim uma tela (TV ou pc). Pode ter sido filmada no local e manipulada posteriormente, ou mesmo alguma foto do panorama utilizada, há uma exatamente similar na Wikipédia. Por gentileza, acesse esta imagem, clicando aqui. Ainda, um exemplo comparativo com a paralaxe e perspectiva da cena pode ser assistida clicando-se aqui. Abaixo, o segundo esclarecimento: Fake, ato final - Agora, assista ao derradeiro conteúdo que colocaria um final definitivo em toda esta estória. Este autor traduziu a explanação, para que possa ser compreendida, sem dúvidas:

"Ao estabilizar o vídeo, a primeira coisa que você nota é a falta de luzes, luzes em movimento, ou luzes cintilantes. Exceto para o UFO. Isso é porque não é um vídeo, é apenas uma figura! É muito mais fácil adicionar fakes para fotos que para vídeos.

Agora atente quando a câmera dá o zoom dentro. Percebeu isso? Vê todas as linhas? Todos os quadrados? As linhas são as pequenas lacunas que existem em cada pixel quadrado de um LCD ou um monitor de computador.

Se você tem uma visão da tela LCD, olhe-a de perto. Se não, aqui é uma comparação da ATS na minha tela LCD. Imagem em linha reta a partir do vídeo.

Assim, todo o vídeo foi filmado olhando para uma tela de LCD.

Mas por que a câmera parece que estava procurando alguma coisa? Por que a câmera balança tanto? Para fazer você pensar que o vídeo era real. Para adicionar o efeito dramático. E enganou você.

E quanto a todas aquelas pessoas que se ouve no fundo? Todas aquelas pessoas olhando para uma tela de LDC? Não. Os sons se uniam a partir de fontes diferentes para o efeito lhe fazer acreditar que havia testemunhas. Não havia nada! Ouça atentamente o áudio. A mudança imediata do som? Encontraremos nove pontos, com efeitos sonoros completamente diferentes, mas foram exageradamente cortados e esmagado junto.

Devemos mencionar também os flashes. O primeiro vídeo tinha falsos flashes e o segundo flashes falsos [Ironizando mesmo]. Mas o que aconteceu com os flashes falsos sobre o terceiro vídeo? É uma farsa!"

Recentes atualizações - surge quarto vídeo

Descobrimos nesta segunda-feira (07), que outro vídeo fora postado no dia 02 de fevereiro, o quarto, igualmente forjado, confirmando a possibilidade de uma literal "série" viral em andamento. Assista-o clicando aqui. Logo após, apareceram um quinto e sexto, de conteúdo similar. Investigando um pouco mais a fundo, percebemos que talvez o \'pré-lançamento\' ou algum dos testes iniciais tenha tido origem ainda em dezembro. Encontramos este vídeo, inserido pelo usuário no dia 21, diurno e com a presença de um UFO fortuito claramente digitalizado:
Embaraços e constrangimento

Há uma grande diferença, incomensurável, entre imagens que possuem fontes, autores detectáveis, endereços de contato disponíveis, a disponibilização das filmagens originais - direto da câmera, imprescindíveis - e conteúdos de sites de vídeos ufológicos, onde vale tudo e absolutamente nada se informa.

Notavelmente, as pessoas não se conscientizam das armadilhas e situações constrangedoras que acabam adentrando, acreditando no que rola por aí sem o mínimo senso investigativo ou ao menos um pouquinho de boa vontade para averiguar informações confiáveis.

O que custa, afinal, realizar uma pequena investigação antes de simplesmente crer e passar adiante essas coisas?

Leia a segunda parte, no texto A farsa do UFO de Jerusalém chega ao Brasil.

Compartilhe essa notícia:

Saiba mais sobre este assunto na edição 57 da revista

Comentários