DESTAQUE

Objeto voador e luminoso, em forma de charuto, assustou moradores do distrito de Rio Pardinho, RS

Por
28 de Maio de 2008
Moradores estão preocupados com o ocorrido e querem alguma explicação
Créditos: Arquivo UFO

Quando saiu de casa para ver por que os cachorros latiam sem parar, pouco depois das 21h00 de segunda-feira, 26 de maio, o vendedor Gilmar Wiesner, levou um susto. Ao olhar para o céu em direção aos fundos da propriedade, no distrito de Rio Pardinho, ele viu um objeto luminoso, do tamanho de um avião de grande porte, parado no ar. Sem emitir qualquer ruído o equipamento passou a mover-se rapidamente de um lado para outro, até desaparecer na escuridão cerca de 20 minutos depois. O mesmo objeto teria sido visto na mesma noite na cidade de Linha Nova, intrigando os moradores do interior de Santa Cruz.

Wiesner contou que ficou assustado com o que viu. “Primeiro pensei que fosse um avião, mas logo vi que não. Quando aquilo começou a se mexer, disparando muito rápido de um lado para outro sem fazer barulho, tive certeza que não era”, relatou, arriscando que tratava-se de um disco voador. “Logo chamei o pessoal para ver também. Ficamos impressionados.” Segundo ele, o objeto não-identificado tinha uma luz muito forte, em tom alaranjado e formato semelhante ao de um charuto. “Aquilo subia, descia, ia pra frente, pra trás. Uma hora chegou a uns 200 m de onde estávamos, passando perto dos eucaliptos. Se chegasse mais perto eu ia me mandar”, garantiu.

O vendedor ainda tentou filmar a aparição utilizando uma câmera digital, mas a imagem ficou completamente escura. Há apenas o áudio com os comentários das testemunhas, incrédulas com o que viam. Os moradores também tentaram, sem sucesso, fotografar o objeto utilizando o celular. A dona de casa Graziela Wiesner, também presenciou a movimentação do artefato luminoso no céu de Rio Pardinho, em direção aos morros de Boa Vista. “É uma coisa impressionante, inacreditável. Só vendo pra crer”, relatou. Ela disse que até então não acreditava em discos voadores. “Mas agora mudei de idéia.”

Simone Wiesner estranhou quando chegou da cidade e encontrou os parentes na rua, apavorados olhando para o céu. “Eles contaram e confesso que não dei muita atenção. Mas mais tarde me chamaram, saí para a rua e vi. Já estava longe. Era um ponto luminoso de aproximadamente dois centímetros. Impossível de ser um avião ou qualquer coisa parecida. Pensamos até que fosse um canhão de luz, mas não tinha o feixe. Era só o ponto luminoso mesmo, que sumiu rapidamente.”

Ao saber do mistério na vizinhança, a safreira Tânia Maria Müller, ficou frustrada. “Não só acredito como queria ver um disco voador novamente.” Ela conta que no início da década de 50, quando tinha quatro anos, por pouco não foi levada por extraterrestres nos fundos da propriedade da família, a poucos metros de onde o objeto foi visto na segunda-feira à noite. “Eu ia em direção ao milharal com a minha mãe quando ela gritou, em alemão, para eu correr. Olhei para o lado e vi um disco voador, bem baixinho, de onde saíram dois homens com roupas prateadas. Iam me levar pra fazer alguma experiência”, acredita. No lugar onde os supostos ETs teriam tocado o solo, durante anos não nasceu grama. “Parece que queimou a terra”, acrescentou Tânia, apostando que “há muito mistério nesse céu azul”.

Investigação - Os relatos despertaram a atenção do Núcleo de Estudos Ufológicos de Santa Cruz (NEUS), que reuniu-se com alguns moradores em uma vigília à espera de uma nova aparição do objeto não-identificado. O coordenador do NEUS e consultor da Revista UFO, Rafael Amorim, disse que no fim de semana foi procurado por moradores de Linha Travessa, na mesma região do município, que também teriam visto algo estranho no céu. “Vamos investigar para ver se não se trata de um fenômeno astronômico”, anunciou, destacando que as características são de um fenômeno ufológico. Ele descarta que o objeto fosse um avião, helicóptero, balão ou dirigível. “Os moradores contam que se movia rápido e sem emitir qualquer ruído”. Conforme Amorim, na Ufologia os objetos semelhantes a um charuto são tidos como naves-mãe, que carregam outras menores, sendo vistas com maior freqüência nos Estados Unidos e na Rússia. No Estado pouco já se ouviu falar sobre esses objetos. “Em 1998 foi feito um vídeo de 20 minutos que mostra um objeto cilíndrico pairando sobre Santa Cruz. Ele emitia muita luz e aparentemente girava em torno do próprio eixo”, informou. Para o especialista e ufólogo, quem viu o objeto luminoso no interior do município não precisa ter receio de relatar. “As pessoas só devem fazer isso com cautela”, recomenda.

Já está no ar a Edição 46 da Revista UFO. Aproveite!

Outubro de 1996

A Ufologia questiona: contato final ou confontro fatal com aliens?