Edição 134
DESTAQUE

Provas de que Aladino Félix era Dino Kraspedon

Por
01 de Jun de 2007
O bancário aposentado Oswaldo Pedrosa, já falecido, assumiu a identidade de Dino Kraspedon, inventada por Aladino Félix
Créditos: Arquivo UFO

Ao assumir a identidade de Dino Kraspedon, o bancário aposentado Oswaldo Pedrosa necessariamente teria também de alterar sua personalidade em todos os aspectos que esta comportava. Mas não foi o que fez, entretanto [Veja UFO 106]. No intuito de restabelecer a verdade histórica sobre esse curioso personagem da Ufologia Brasileira, apresentamos provas incontestáveis de que Pedrosa não é nem nunca foi o autor de Contato com os Discos Voadores, como alardeou em congressos de Ufologia pelo Brasil afora, que freqüentou a partir dos anos 90, já octogenário. Todos aqueles que se acostumaram à falsa certeza de que o bancário era de fato Kraspedon talvez estivessem convencidos pelo seu singelo discurso ou influenciados pela ação de seus arautos, também iludidos pelo imponderado consenso que se formou a respeito.

Usurpação do nome — Um dos argumentos mais capciosos e recorrentes dos ufólogos que defendem o bancário é o de que Dino Kraspedon e Sábado Dinotos seriam personagens distintos. Para eles, Dino seria o bancário e contatado, e Sábado seria Aladino Félix, o líder messiânico e terrorista. Nada mais falso. Como se já não bastassem os testemunhos de todos os que conheceram Félix, incluindo sua família, há garantias documentais de que o autor de Contato com os Discos Voadores era de fato Aladino Félix, apenas e tão somente ele. Uma prova é a edição de 24 de agosto de 1968 do jornal Última Hora, de São Paulo [Número 5.090, ano XVII], que traz nas páginas 08 e 09 uma reportagem cujo título principal é Os Caminhos do Terror, e na página 10, um perfil do contatado e terrorista, sob o título O Incrível Aladino ou Sábado Dinotos ou Dino Casperton. Embora o jornal tenha errado na grafia, fica patente que na época a própria imprensa já reconhecia Dino e Sábado como sendo a mesma pessoa, ou seja, Aladino Félix.

A Biblioteca Nacional do Rio de Janeiro, instituição que armazena os registros de todos os escritores nacionais, enviou a este autor, em 24 de novembro de 1995, um documento assinado por Anna Naldi, chefe da Divisão de Informação Documental, e referendado pela pesquisadora Cássia Krebs, confirmando que Dino Kraspedon e Sábado Dinotos eram a mesma pessoa, ou seja, Aladino Félix. Em sua lista, constam como sendo de Félix as obras Bíblia Sagrada [Pentateuco], Contato com os Discos Voadores, O Hebreu: O Libertador de Israel, Mensagem aos Judeus: O Nascimento do Messias e A Órbita da Terra e a Gravitação.

Poucos meses antes de falecer, em 13 junho de 1996, este autor manteve intensa correspondência com o médico e pioneiro da Ufologia Brasileira Walter Karl Bühler, fundador e presidente da Sociedade Brasileira de Estudos de Discos Voadores (SBEDV), que estabelecera vários encontros com Félix na década de 50. Bühler citou Félix inúmeras vezes nos boletins da SBEDV, sempre fazendo questão de relacionar o pseudônimo Dino Kraspedon ao verdadeiro nome do mencionado, Aladino Félix. Como que antevendo a usurpação do nome, em seu Livro Branco dos Discos Voadores [Editora Vozes, 1985], Bühler ainda fez questão de declinar em várias passagens o verdadeiro nome de Kraspedon, isto é, Félix.

Por fim, durante uma visita que fiz ao veterano ufólogo carioca Fernando Cleto Nunes Pereira [Veja seção Diálogo Aberto de 132], em companhia do ufólogo espanhol e também consultor da Revista UFO Pablo Villarrubia Mauso, em 1996, aproveitei para mostrar-lhe a edição de 06 de março de 1968 do Jornal da Tarde com a matéria O Golpe Fantástico, que traz uma foto de Félix, que já fora hóspede em sua residência. Ao vê-la, Cleto logo reconheceu o velho colega. Acima da foto, o pioneiro escreveu: “Acredito que este é o Dino Kraspedon que conheci na década de 50”. O ufólogo decano Fernando Grossmann confirmou igualmente que Dino Kraspedon era de fato Aladino Félix.

Explicação necessária — Mas os leitores certamente devem estar se perguntando por que só agora, passados mais de 10 anos, é que resolvi publicar estes fatos. Em consideração aos que prezam pelo silogismo, explico. Antes, cabe dizer que este texto é apenas uma breve síntese de um extenso trabalho que compôs pouco mais da metade de minha tese de mestrado, intitulada A Dialética do Real e do Imaginário: Uma Proposta de Interpretação do Fenômeno OVNI, desenvolvida entre os anos de 1994 e 1998. O trabalho contou com a orientação do antropólogo Benedito Miguel Angelo Perrini Gil, foi apresentado junto ao Departamento de História da Faculdade de Ciências e Letras da Universidade Estadual Paulista (Unesp), campus de Assis, e defendido em 22 de março de 1999. Ou seja, no âmbito acadêmico, a verdade sobre Dino Kraspedon é fartamente conhecida e está acessível a qualquer pessoa que se predisponha a consultar o banco de teses daquela universidade.

Mas se até agora eu vinha adotando uma postura de resignação e protelando a publicação destes dados, isso se deveu a uma série de fatores que fugiram ao meu controle. Inúmeros problemas pessoais, inclusive de saúde, tiraram-me de circulação por anos seguidos. Compromissos e projetos mais urgentes também me ocuparam integralmente. Foram anos pesquisando e escrevendo sobre outros assuntos até que dissesse a mim mesmo que conseguiria fazer o que deveria sobre esse tema. Mesmo assim, ainda antes de ter concluído a referida tese, jamais me neguei a enviar informações a respeito aos pesquisadores sérios que me têm solicitado.

A maior preocupação, porém, não era com o desconforto de reviver episódios pouco agradáveis da história de nosso país e da Ufologia Brasileira, remexendo suas piores memórias. Mas o desafio de encontrar um tom apropriado para abordar o caso, sem ferir suscetibilidades ou instar conflitos desnecessários, ainda que em certo grau isso fosse absolutamente inevitável. Tampouco me faltaram vontade e coragem para tanto, ainda que sob a ameaça de retaliações em forma de ataques via imprensa ufológica. O que determinou meu silêncio foi, principalmente, a intimidação velada que sofri dos detentores do poder econômico, que me acenavam com infaustos processos judiciais, e o pedido de Raul Félix, filho de Aladino, para que aguardasse pacientemente o desfecho da ação que movia contra os usurpadores do nome e da obra de seu pai. Assim o fiz.

A verdade acima de tudo — Nesse período, entretanto, confesso que não foram pequenas as decepções diante da indiferença, da incompreensão e da veleidade renitente de alguns ufólogos e pesquisadores ilustres em relação às descobertas que apresento neste box e no artigo principal. Em compensação, também foram muitas as satisfações que tive, mais tarde, com o apoio e a colaboração que passaram a prestar alguns colaboradores, igualmente ilustres, entre os quais estão Mauso, Grossmann e Bühler, já citados, e ainda Antônio Manoel Pinto, Lobo Câmara, Ari Nicácio Moreira.

Embora a mentira sobre a identidade de Dino Kraspedon já tenha se consagrado, temos que fazer com que a verdade seja ouvida, principalmente para que sirva de estímulo e força impulsionadora para todos aqueles que têm coragem e a necessária força de vontade para prosseguir lutando por ela. Foi estimulado por tal propósito que fiz intensa pesquisa sobre Aladino Félix, resultando nas descobertas aqui apresentadas e no livro que acabo de lançar pela coleção Biblioteca UFO, Contatados. Mover céus e terras para localizar documentos históricos, testemunhas idôneas e informações fidedignas, que nos ajudassem a desvelar os segredos que se ocultavam sob uma crosta de 30 anos de silêncio, compensou.

A Ufologia completa 60 anos e se pergunta para onde caminha

Já está no ar a Edição 134 da Revista UFO. Aproveite!

Jun de 2007

Fomos visitados