DESTAQUE

Uma nova e definitiva fronteira se abre na busca por vida extraterrestre inteligente

Por
01 de Janeiro de 2021
O telescópio Robert Byrd Green Bank, em Green Bank, West Virginia
Créditos: The Washington Post

A razão pela qual não encontramos vida em nenhum outro lugar do universo é simples: nós realmente não olhamos direito até agora. É certo a forma como os programas de busca por inteligências extraterrestres não é a mais adequada e precisa ser reformulada.

Em 18 de dezembro, o mundo soube que Breakthrough Listen, um programa de busca por inteligências extraterrestres financiada por fundos privados, havia encontrado seu primeiro sinal de “candidato oficial”. A existência do sinal iluminou a internet. Seria o planeta BLC-1, como é chamado, finalmente nosso momento de contato?

Cientistas do Breakthrough Listen, agora trabalhando arduamente em um artigo sobre suas descobertas, foram rápidos em explicar que a resposta provavelmente era “não”. É que dada a riqueza de interferências de sinais de rádio feitas por humanos lá fora, o BLC-1 provavelmente acabará sendo dado como de origem humana.

A conclusão preliminar, no entanto, não desarma a empolgação com o BLC-1. O fato de haver um candidato é motivo de comemoração. Isso porque algo notável está acontecendo na ciência da vida e na busca por inteligência fora da Terra. A era das “tecnossinaturas” está despontando.

Motivo de comemoração?

Muitas pessoas têm a noção romântica de que os astrônomos se aglomeram sobre seus telescópios todas as noites e examinam os céus em busca de sinais de civilizações alienígenas distantes. Isso, infelizmente, simplesmente não está acontecendo. Embora o programa de Busca por Inteligência Extraterrestre (SETI) tenha começado há mais de 60 anos, nunca houve financiamento suficiente ou tempo de telescópio disponível para diminuir o esforço.

Nas décadas de 80 e 90, alguns membros do Congresso dos Estados Unidos citaram o financiamento público do Projeto SETI [O programa de busca por vida extraterrestre inteligente] como um exemplo digno de imprensa de desperdício de dinheiro.

O apoio do governo quase acabou, deixando a pesquisa sem gás. Como Jason Wright e seus colegas da Penn State University demonstraram, se o céu é um oceano que precisa ser revistado, até agora os astrônomos mergulharam em apenas uma banheira de água quente. “A razão pela qual não encontramos vida em nenhum outro lugar do universo é simples: nós realmente não procuramos”, diz Wright.

Deserto de oportunidades

Agora, no entanto, o longo deserto de oportunidades pode finalmente dar lugar a uma nova era de crescimento. Em 2015, o bilionário da internet Yuri Milner prometeu US$ 100 milhões para criar Breakthrough Listen, uma nova forma de busca de inteligência extraterrestre de última geração baseada em rádio.

Com um único golpe, Milner ajudou a rejuvenescer o campo: O projeto forneceu acesso a telescópios da antena de rádio Parkes, na Austrália, e ao instrumento Green Bank, em West Virginia, e ainda forneceu recursos para explorar novos métodos e tecnologias de pesquisa. Isso inclui iniciativas de aprendizado de máquina projetadas para acelerar a pesquisa SETI “clássica” do tipo resumido pelo BLC-1.

Com o pioneirismo de Frank Drake e outros (e popularizado pelo filme Contato, de 1997), o SETI clássico procura sinais que são anômalos, em oposição aos originados de causas naturais ou humanas. Historicamente, o desafio é que as observações do SETI produzem ondas gigantes de dados. Mas a inteligência artificial pode permitir que os computadores identifiquem as importantíssimas “agulhas de estranheza” no “palheiro de sinais cósmicos” de todos esses dados.

A revolução dos exoplanetas

Enquanto isso, um tipo totalmente diferente de descoberta – a revolução dos exoplanetas – abriu uma segunda fronteira na pesquisa. Por mais de 2.500 anos, os astrônomos discutiram sobre a existência de planetas orbitando outras estrelas. Como a vida provavelmente precisa de planetas para se formar, responder a essa pergunta foi o primeiro passo crítico para entender se estivéssemos sozinhos no universo.

A busca por exoplanetas habitados por outras inteligências cósmicas ganha impulso
Crédito:  ESA

Então, em meados da década de 90, os astrônomos encontraram um mundo do tamanho de Júpiter em uma órbita de quatro dias ao redor da estrela 51 Pegasi – e hoje, sabemos que quase todas as estrelas no céu hospedam uma família de mundos.

Cientistas de todo o mundo estão construindo um censo de planetas alienígenas, mostrando quais estrelas têm planetas e quais planetas estão na zona habitável de uma estrela, onde as temperaturas da superfície estão certas (ou seja, em qualquer lugar entre congelamento e fervura) para a vida se formar Como resultado, os astrônomos podem descobrir exatamente onde devem procurar vida e inteligência.

Atmosfera de planetas distantes

Saber para onde olhar, entretanto, é apenas o começo. Os astrônomos também estão ganhando a capacidade de sondar a atmosfera de planetas distantes em busca de bioassinaturas. “Astrônomos alienígenas” olhando para a Terra, por exemplo, veriam oxigênio e metano em nossa atmosfera – uma assinatura da presença de vida em nosso planeta, já que ambos os produtos químicos reagiriam rapidamente sem que a vida da Terra os respirasse no ar.

Ao pesquisar a passagem da luz através do véu gasoso de um mundo longínquo, os astrônomos podem compilar seu inventário químico. Eles podem ver o que está na atmosfera do planeta. Usando os telescópios existentes, os cientistas já exploraram a atmosfera de alguns exoplanetas do tamanho de Júpiter.

A próxima geração de instrumentos, incluindo o telescópio espacial James Webb, a ser lançado em breve, deve permitir que explorem a atmosfera de planetas menores semelhantes à Terra e busquem a marca química de uma exobiosfera.

Coletores de energia solar

Mas por que parar nas bioassinaturas? A presença de tecnologia em um planeta pode ser tão ou muito mais detectável do que apenas a biologia. A implantação em grande escala de coletores de energia solar por uma civilização, por exemplo, deixaria uma marca na luz refletida do planeta.

Telescópios nas pranchetas agora podem ter a capacidade de ver as luzes da cidade em mundos distantes. Tudo isso significa que a busca por tecnossinaturas está se tornando tão plausível e tão importante quanto a busca por bioassinaturas, com a qual a comunidade astronômica já está profundamente comprometida. Tecnossignaturas representam a nova face emocionante do SETI, abrangendo pesquisas baseadas em anomalias e explorações direcionadas de exoplanetas e seus ambientes.

Tecnossignaturas atmosféricas

A NASA tem sido uma parte essencial desse reconhecimento: a pedido do Congresso dos Estados Unidos, a agência espacial convocou sua primeira reunião sobre o que agora é chamado de ciência “Technosignatures” em 2018. Em 2019, meus colegas e eu recebemos a primeira bolsa de pesquisa da NASA para estudar tecnossignaturas atmosféricas e, neste ano, a NASA financiou dois outros estudos de tecnossignatura.

Se a tendência continuar, a busca por inteligência no universo pode finalmente escapar do “fator riso” que por tanto tempo a deixou associada a programas de ficção científica ruins e loucuras genéricas por UFOs. O campo – que foi perseguido no passado quase exclusivamente por cientistas mais velhos e estabelecidos com menos a perder – pode finalmente estabelecer uma comunidade de pesquisadores em todos os níveis de idade e especialização.

Essa última etapa é crucial. Embora notícias de sinais de candidatos, como o BLC-1, sempre gerem animação, a verdade sobre a busca por inteligência – a busca por exocivilizações – é que provavelmente vai levar muito tempo e esforço.

Esse é o preço que você paga por uma grande ciência. É o preço que você paga para saber algo extraordinário. Habituar-se a essa realidade significa prestar atenção tanto na jornada quanto nos resultados esperados. Essa jornada extraordinária – aquela que nos leva às costas de mundos alienígenas – está apenas começando.

Fonte.

Já está no ar a Edição 279 da Revista UFO. Aproveite!

Setembro de 2020

Segredos ufológicos nos corredores do Pentágono