DESTAQUE

UFOs no Antigo Egito: o mistério do papiro de Tulli

Por
22 de Fevereiro de 2021
A História da humanidade é repleta de casos de avistamentos de supostos UFOs.
Créditos: Fred Mantel/istockphoto.com

As traduções dos registros hieroglíficos do papiro de Tulli revelam que em uma manhã de inverno por volta do ano 1482 a.C., Tutemés III, que reinou no Egito naquela época, viu pela primeira vez “discos de fogo.” Teriam sido espaçonaves?

O papiro de Tulli foi encontrado por Alberto Tulli, diretor da seção egípcia do museu do Vaticano, em um antiquário durante uma visita ao Cairo em 1933. No entanto, o preço era muito alto e foi feita uma cópia do texto, que foi então copiado novamente, substituindo a escrita original hierática por hieróglifos. É a cópia de uma cópia, que foi traduzida e amplamente reproduzida.

Mais tarde, na década de 50, um nobre italiano, o príncipe Boris de Rachewiltz, afirmou ter encontrado o papiro original, “não traduzido e não publicado”, entre os papéis deixados pelo falecido Tulli. Ao apresentar sua descoberta à revista Doubt, em 1953, ele descreveu o fragmento original como escrito em hierático, que a escrita estava desbotada e que tinha vários trechos faltando no texto. Embora o papiro estivesse danificado e contivesse várias lacunas, o príncipe Boris de Rachewiltz conseguiu traduzi-lo e declarou que o papiro fazia parte dos Anais de Tutemés III. A seguir está uma tradução do papiro:

“No ano 22, do terceiro mês do inverno, hora sexta do dia (...), os escribas da Casa da Vida descobriram que havia um círculo de fogo vindo do céu. Não tinha cabeça. De sua boca saiu um odor fétido. Seu corpo tinha uma haste de comprimento e uma de largura, e era silencioso. E seus corações ficaram aterrorizados e confusos, e eles caíram sobre suas barrigas. Eles se reportaram ao Faraó. Sua Majestade ordenou que os rolos localizados na Casa da Vida fossem consultados. Sua Majestade meditou sobre todos esses eventos que estavam acontecendo agora. Depois de alguns dias, essas coisas se tornaram mais numerosas no céu do que nunca. Eles brilhavam no céu mais do que o brilho do Sol, e se estendiam até os quatro suportes do céu. Dominada no céu estava a estação desses cinco círculos”.

“O exército do Faraó observou, com ele no meio. Foi depois da refeição da noite que esses cinco círculos subiram mais alto no céu em direção ao sul. Peixes e pássaros caíram do céu. Uma maravilha nunca antes conhecida desde a fundação desta terra. E o Faraó fez com que o incenso fosse trazido para fazer as pazes com a Terra (...) e o que aconteceu foi ordenado para ser escrito nos Anais da Casa da Vida para que fosse lembrado para sempre.”


Reprodução do papiro de Tulli em hieróglifos, relatando um suposto evento ufológico no reinado de Tutemés III.
Fonte: wikipedia.org

Questionando a autenticidade do papiro, Samuel Rosenberg, o pesquisador do papiro de Tulli, escreveu uma carta para a seção egípcia do Museu do Vaticano, buscando mais informações sobre o papiro e a tradução de Rachewiltz. O Inspetor do Museu Egípcio do Vaticano, Gianfranco Nolli, enviou a seguinte resposta: “O papiro de Tulli não é propriedade do Museu do Vaticano. Agora está disperso e não é mais rastreável”.

Outro inquérito foi enviado ao doutor Walter Ramberg, Adido Científico da Embaixada dos Estados Unidos em Roma, que respondeu: “O atual Diretor da Seção Egípcia do Museu do Vaticano, o doutor Nolli, disse que o professor Tulli tinha deixado todos os seus pertences para um irmão seu, que era sacerdote no Palácio de Latrão. Presumivelmente, o famoso papiro foi para este sacerdote. Infelizmente, o padre também morreu nesse meio tempo e seus pertences foram dispersos entre os herdeiros, que podem ter descartado o papiro como algo de pouco valor”.

O autor Erich von Däniken incluiu o papiro de Tulli em suas especulações sobre as antigas visitas de extraterrestres. Porém, no Relatório Condon, de 1968, Rosenberg relatou que provavelmente “(...) Tulli tenha sido enganado e que o papiro provavelmente seja uma falsificação, composta por uma espécie de colagem de fragmentos retirados de nove papiros diferentes.” Rosenberg citou o papiro de Tulli como um exemplo de histórias que circularam entre os autores de livros de UFOs, tiradas de fontes secundárias e terciárias, sem qualquer tentativa de verificar as fontes originais e concluiu que “(...) todos os relatos de avistamentos semelhantes a UFOs transmitidos ao longo dos tempos são duvidosos - até que sejam verificados.” Mas o que realmente aconteceu? O papiro está perdido e só podemos especular.

Fonte

Já está no ar a Edição 280 da Revista UFO. Aproveite!

Outubro de 2020

Intervenção extraterretre