DESTAQUE

UFOs Haiti é teste para filme de ficção científica

Por
20 de Agosto de 2007
Famigerada vídeo-armação
Créditos: Barzolff

Este é o segundo de uma série de mistérios ocasionais que surgem na Web, nos quais nós investigamos algumas das questões que assombram o mundo do entretenimento na Internet. Neste episódio, analisaremos a fundo os atuais vídeos de UFOs do YouTube. Embora a ilha caribenha compartilhada entre o Haiti e a República Dominicana tenha sido assolada pelo furacão Dean nesta semana, pode ser que outras entidades estranhas tenham aportado por lá.

As "evidências" estão nas postagens UFO Haiti e UFO Dominican Republic – dois autênticos vídeos caseiros postados na seção News and Politics do YouTube. Em ambos os filmes, que foram carregados através de duas diferentes contas anônimas, aparecem em uma gravação close-up artefatos parecidos com os da Área 51, pairando por sobre as praias da ilha ao pôr do Sol. Conforme as naves voavam, o vento soprava por entre as palmeiras, os cachorros latiam e uma mulher suspirava de espanto. Tudo parecendo muito real. O repentino trabalho de câmera amadora poderia facilmente ser um daqueles feitos para assustar um turista caribenho. Os vídeos dispararam para o topo da lista dos mais assistidos do YouTube, e de lá invadiram sites de listas de discussões e de notícias através da rede, onde os debates giram em torno da origem e da autenticidade dos mesmos. Céticos afirmam que os vídeos são uma fraude feita por computação gráfica, provavelmente parte de uma estratégia de marketing. O novo jogo da Microsoft, o Halo 3, está para ser lançado em breve, não está? Ou talvez sejam do filme Invasão, de Nicole Kidman, ou até mesmo um novo projeto secreto de J. J. Abrams sobre algum tipo de ataque monstro em Nova Iorque.

Enfim, com todas as alegações de fraude e oportunismo corporativista, até mesmo o cético mais persistente não pôde encontrar qualquer indício de falsificação. Não importa no que você acredite, você tem que concordar que a qualidade dos filmes é surpreendente. Espectadores em ambos os campos afirmam ser o melhor vídeo de UFOs de todos os tempos. “Francamente, estou preocupado com isto”, escreveu um espectador num site sobre conspirações – o AboveTopSecret.com. “Se as pessoas sentem que é necessário inundar a Internet ou as comunidades sobre UFOs com hoaxes cada vez mais realísticos, o que acontecerá então no caso de um evento real?”.

Eles são falsos, certo? Certo?!Com tantas pessoas analisando minuciosamente cada quadro dos vídeos, não tardará para que as primeiras imperfeições na fraude apareçam. E mais, ninguém pôde encontrar quaisquer relatos dos objetos voadores nas imprensas do Haiti e da República Dominicana ou de qualquer outro local. Certamente uma visita extraterrestre poderia ter ao menos merecido um sumário ou, na falta disso, uma anotação num blog. Após algumas assistidas, o UFO do Haiti começou a parecer um pouco real demais. A despeito da mão tremulante do câmeraman e de problemas para manter o foco, ela até que realiza uma tomada perfeitamente cinematográfica da nave quando ela voa diretamente por sobre sua cabeça. E mais, seu suspiro é notoriamente inoportuno. Ele veio após ela ter apontado a câmera para os UFOs, segundos após tê-los visto.

Mas foram as árvores que levantaram as maiores suspeitas. Passe-os quadro a quadro ambos e coloque-os lado a lado. Os críticos encontraram, e você também poderá ver uma palmeira em ambos que aparenta ter quase que exatamente da mesma forma. Duas palmeiras na mesma ilha tropical? E elas parecem realmente similares? Você já viu duas palmeiras que realmente não se pareçam? Isto é o melhor que o pessoal da Internet pôde fazer?

Alguém precisou olhar mais a fundo. O ponto de partida era errado, e as pistas eram falsas. A chave seria encontrar a fonte dos vídeos. Mas havia uma complicação. Os vídeos foram postados e re-postados através da Internet e não era muito simples identificar quais eram os originais. Quando entrei em campo, já havia diversos vídeos intitulados UFO Haiti que na verdade eram de datas anteriores às do vídeo da versão da lista dos mais assistidos. A melhor idéia, então, foi contatar os postadores dos diversos vídeos mais antigos, incluindo o barzolff814 que, mesmo com 2,2 milhões de visitas, foi listado como o quarto a ser postado sob este nome.

Dentro de uma hora, eu recebi de volta uma mensagem de uma garota irlandesa de 17 anos chamada Heather. Ela escreveu conforme segue: "umm sim. de qualquer forma, vocês são idiotas. encontrem alguma coisa melhor para fazer com o seu tempo, e tenham uma vida". Uma olhada mais detalhada no vídeo UFO Haiti da Heather revelou que ele tinha 10 segundos de uma foto dela beijando seu namorado, seguida por um pequeno vídeo-clipe de um esquilo assustador com a palavra “Pervertido!” piscando repetidamente em branco. O vídeo da Heather era um hoax. Não era aquele que eu estava procurando.

Enquanto aguardava pela resposta de outros postadores do “Haiti”, resolvei fazer outro estudo das pistas. Nas discussões sobre a controvérsia das palmeiras, o nome Vue 6 começou a aparecer. O Vue 6 é um programa da E-on Software, que animadores usam para gerar ambientes sofisticados que parecessem ser realisticamente naturais. Um clipe promocional no website da E-on incluía diversas cenas de ilhas tropicais – cobertas por centenas de palmeiras idênticas. Além disso, um deles mostrava um desenho de um disco voador flutuando rapidamente por sobre um campo! Imediatamente eu tentei me comunicar com o presidente da E-on, Nicholas Phelps, em seu escritório em Paris. Um outro vídeo, UFO OVER PARIS, havia sido postado em abril. Ele não era nem um pouco convincente como o UFO Haiti, mas lembrava-o de qualquer forma.

A secretária de Phelps disse que ele não estava disponível no momento. Em seguida eu recebi uma mensagem dele perguntando se podíamos conduzir uma entrevista por e-mail. Apesar de todas as minhas tentativas de falar com ele por telefone, ele foi recalcitrante. A respeito do vídeo, Phelps admitiu que ele parecia “muito com um filme criado através do Vue 6”, mas negou que a E-on tivesse alguma coisa a ver com a criação. “Embora eu admita que teria sido uma jogada de marketing bem esperta! (risos)”. Com a minha principal pista indo por água abaixo, eu não encontrei motivos para achar graça.

Alguém lá em cima... Já foi dito que quanto mais duro você trabalha, mas sorte você tem. Mas isto nem sempre é verdade. Algumas vezes você tem sorte mesmo sem ter trabalhado duro. Na manhã seguinte, com todas as boas pistas exauridas e mais esperança perdida, o telefone tocou. Na verdade, o computador tocou. Uso o Skype. Era uma mulher chamada Sam, de Corsica. “Alô”, disse ela, “Estou telefonando por causa do barzolff814". Barzolff814? Porquê? Era a pessoa que havia postado o primeiro vídeo do Haiti!“Barzolff”, disse Sam, “deseja permanecer anônimo”, mas ele estava disposto a compartilhar a história completa sobre os vídeos. Eu concordei em não revelar seu verdadeiro nome. Então eu era todo ouvidos enquanto Sam começou a papaguear no telefone palavras que eu podia ouvir o Barzolff dizendo ao fundo.

Ele era um profissional de animação de 35 anos que leciona numas das mais prestigiadas escolas de arte da França e que tinha uma década de experiência com computação gráfica e animação comercial. Ele gastou um total de 17 horas para produzir ambos os vídeos - o do Haiti e o da República Dominicana. Fez tudo sozinho utilizando um computador MacBook Pro e um conjunto de programas de animação comercialmente disponíveis, incluindo o Vue 6. Os vídeos são 100% gerados por computador. “Os vídeos”, acrescenta, “pretendiam ser uma pesquisa para o projeto de um filme no qual estava trabalhando com a Partizan, a companhia francesa de produção cinematográfica responsável pelo filme, dentre outros, Brilho Eterno de uma Mente sem Lembranças, de Michel Gondry”.

Quando contatado para verificar a história, o produtor de Brilho Eterno, Georges Bermann, disse que tudo era verdade, e que Barzolff era “um gênio absoluto” que podia “fazer qualquer coisa parecer perfeitamente real”. Para provar que era realmente ele que estava por detrás dos vídeos, Barzolff concordou em ceder ao L. A. Times um novo vídeo de espaçonaves. Chamado de Prova, o vídeo representa uma versão menor de uma das espaçonaves pairando sobre uma rua de Paris. Conforme a câmera se move lentamente, o espectador vê duas velhas num café. Uma das quais está segurando um controle remoto. Humoristicamente, é claro, este vídeo também fez uso da computação gráfica.

O filme no qual Barzolff está trabalhando para a telona é sobre dois caras que criaram um hoax sobre UFOs tão realista que acabou fugindo do controle deles. “Para o melhor ou para o pior”, disse Barzolff, sentindo-se subjugado pela resposta ao seu vídeo como uma das razões de não querer ter posto seu nome em público. Ele enfatizou que os vídeos não foram feitos com a intenção de serem uma jogada de marketing. Seu filme ainda está em fase de criação e ele fez o hoax estritamente como uma forma de “experimento sociológico” – ou em outras palavras, para ver o que aconteceria.

O que aconteceu superou de longe suas expectativas - Após ter concluído a produção dos vídeos, ele postou-os e foi dormir. “Pensei que fossem atingir cerca de 2.000 pessoas”, disse por intermédio de Sam. “Quando acordei na manhã seguinte ele já havia sido visto 70.000 vezes”, disse sobre o vídeo do Haiti. “Vinte minutos depois, o número pulou para a casa dos 130.000. E cresceu exponencialmente a partir de então”. Barzolff chamou os resultados de seu experimento de “entretido, emocionante, completamente viciante e um pouco assustador”. “A parte assustadora”, disse, era que apesar das evidências, “muitas pessoas se recusam a acreditar que era um hoax”.

Assista o vídeo que causou tanta agitação na internet: clique aqui.

Saiba mais:

Internautas continuam surpresos com suposto vídeo de UFOs

Outra polêmica atinge a Ufologia

Novos vídeos agitam a internet

Polêmicas filmagens de supostos UFOs em Araraquara não passava de vídeo para campanha publicitária

Já está no ar a Edição 136 da Revista UFO. Aproveite!

Novembro de 2007

Completamos 30 anos da Operação Prato, 30 anos de silêncio