DESTAQUE

Tom DeLonge diz que Pentágono estava interessado em criança chinesa com habilidades psíquicas

Por
21 de Abril de 2020
Tom DeLonge e o Pentágono
Créditos: Silva Records

Desde 2017, quando soubemos oficialmente sobre o interesse do Pentágono nos UFOs, as notícias não param de indicar que esse interesse foi muito além das fronteiras do país e também muito além dos UFOs. O que está acontecendo?

Recentemente, Tom DeLonge, o CEO da To The Stars Academy, entidade responsável pela liberação dos vídeos de UFOs feitos pela Marinha dos Estados Unidos, participou de uma entrevista em vídeo com a 91X, uma estação de rádio de San Diego. 

Sua banda, Angels and Airwaves, havia lançado uma nova música e DeLonge a estava promovendo. Durante a entrevista, o músico explicou como a canção surgiu e por que foi lançada. 

Porém, em meio a entrevista, DeLonge disse que ele sabia que o governo dos Estados Unidos estivera estudando um menino chinês de 10 anos, que aparentemente podia mover objetos com a força da mente. E que isso “fazia parte do programa de UFOs do Pentágono”.

Diante do espanto da jornalista que o entrevistava, DeLonge explicou que “eles colocaram um pedaço de papel em uma jarra de vidro e rosquearam a tampa. Com a mente, moveram o papel pela tampa da jarra por 1,8 m ao longo do piso”.

Além, disso, o músico afirmou que podia dar mais “algumas experiências de laboratório, mas não vamos descer pela toca do coelho, mas eles provam que a consciência afeta toda a matéria ao seu redor. Em termos de cura, eles curaram até 30 ratos com cânceres terminais. Eles curaram todos os ratos apenas com cura energética em laboratório”.

E em seguida acrescentou que ouvira isso em “uma palestra maravilhosa”.

 

Estudando UFOs e além


Um dos UFOs filmado pela Marinha dos Estados Unidos
Crésdito: History Channel

Isso levantou muitas dúvidas sobre o que ele realmente estava falando, porque o doutor Hal Puthoff , ligado à To The Stars Academy fez várias palestras sobre esse assunto e talvez ele estivesse se referindo a uma delas.

E a qual programa DeLonge estava fazendo referência? AAWSAP, AATIP ou outro programa sem nome que não conhecemos? Sabemos que o AAWSAP pesquisou um espectro mais amplo dos chamados tópicos paranormais. 

Alegadamente AATIP não estava ligada a esse assunto. Qualquer programa de estudo de UFOs que DeLonge aponte como participante de estudos psíquicos é interessante, mas a AATIP seria uma surpresa. 

Veja a entrevista abaixo:

 

Os longos braços do Pentágono


Pentágono, sede da Defesa dos Estados Unidos
Crédito: R7

O principal suspeito sobre a referência de DeLonge a um estudo UFO do Pentágono é AAWSAP, não AATIP. 

Mas se ele estiver correto, como uma criança com habilidades de telecinese se encaixaria em um programa de UFOs? A resposta é que o AAWSAP analisou um espectro muito mais amplo de fenômenos do que apenas UFOs. 

Um exemplo principal disso seria o Skinwalker Ranch. George Knapp relatou que o AAWSAP / BAASS procurou vários países em busca de informações e arquivos. 

Sabe-se que o BAASS se interessou pelo Brasil, como noticiamos aqui e aqui . Agora, há uma carta a Bill Chalker, recentemente publicada por Colm Kelleher, em nome da BAASS, ilustra que eles também tinham interesse na China e na Austrália.

Esclarecimentos de Puthoff

 
Doutor Hal Puthoff Crédito: YouTube

Diante da polêmica levantada por DeLonge, Hal Puthoff decidiu vir a público e enviou as seguintes explicações:

“O relatório sobre crianças chinesas que realizam experimentos com NÃO fazia parte do esforço do programa DIA UAP do Pentágono (por exemplo, AATIP etc.), mas parte de um esforço anterior do programa de visão remota do departamento de Inteligência de Defesa que fundei e dirigi por 13 anos”.

O documento oficial não teve nada a ver com o governo dos Estados Unidos realizando tais experimentos. Pelo contrário, era simplesmente uma tradução de um relatório de pesquisa chinês que estava sendo divulgado entre pesquisadores norte-americanos para avaliação.

Ao corrigir Tom DeLonge nos detalhes dos relatórios de experimentos chineses, ele respondeu da seguinte maneira:

“Obrigado por esclarecer isso, eu falo muito sobre isso porque acho que foi uma ótima maneira de mostrar às pessoas que a mente importa! Vou corrigi-lo daqui para frente”.

Mesmo que DeLonge tenha se enganado e misturado os assuntos, isso não apaga o fato de que os Estados Unidos viajaram o mundo em busca de informações sobre UFOs e sobre materiais que por ventura possam ter vindo de algum acidente com eles.

Tudo isso enquanto negavam sua existência.

Fonte: Silva Record

Já está no ar a Edição 278 da Revista UFO. Aproveite!

Março de 2020

Miscigenação com aliens