DESTAQUE

Terra 2.0: cientistas procuram um método melhor para encontrar exoplanetas habitáveis

Por
17 de Maio de 2021
Buscar por planetas semelhantes à Terra poderá ter um novo método.
Créditos: GettyImages

Ao vasculhar o cosmos em busca de sinais de vida que possam existir em outros lugares, a maioria dos cientistas está procurando um planeta hospedeiro muito parecido com o nosso; um “gêmeo cósmico” que poderia espelhar a Terra de várias maneiras diferentes.

A distância de um planeta de sua estrela hospedeira tem sido frequentemente usada para pesquisar o que os astrônomos chamam de zona goldilocks, uma órbita onde a radiação de sua estrela está no nível certo para permitir potencialmente a água líquida na superfície do planeta. Alguns candidatos tentadores foram encontrados usando este método, mas um pesquisador da Universidade de British Columbia, Okanagan (UBC) mostrou recentemente que pode haver uma maneira ainda melhor de determinar a habitabilidade potencial de alguns exoplanetas: sua geologia.

“Embora a órbita de um planeta possa estar dentro da zona habitável, sua história de formação inicial pode, em última análise, torná-lo habitável”, disse o doutor Brendan Dyck, professor assistente de geologia na Faculdade de Ciências Irving K. Barber e autor principal do estudo em um comunicado de imprensa anunciando os resultados. “A boa notícia é que, com base em geologia, podemos descobrir se um planeta suportará as águas de superfície antes de planejar futuras missões espaciais.”

O primeiro exoplaneta foi descoberto na década de 90 e, desde então, mais de 4.000 planetas confirmados foram identificados. Vários métodos foram usados para procurar sinais de vida nesses planetas identificados, inteligentes ou não. Alguns procuram tecnoassinaturas originadas de um mundo-alvo, enquanto outros procuram esses mesmos sinais na Lua ou em Marte. No entanto, independentemente do método, todos os pesquisadores concentraram seus esforços em planetas que se encontram na zona habitável de sua estrela hospedeira.

“Normalmente, esperamos encontrar esses planetas nos chamados 'goldilocks' ou zona habitável, onde eles estão à distância certa de suas estrelas para suportar água líquida em suas superfícies”, disse Dyck. No entanto, ele observa, de acordo com sua pesquisa, que esse pode não ser o melhor método. “Só porque um planeta rochoso pode ter água líquida não significa que tenha”, explica Dyck no comunicado. “Dê uma olhada em nosso próprio sistema solar. Marte também está dentro da zona habitável e, embora já tenha sustentado água líquida, há muito tempo que secou.” Essa constatação levou o pesquisador da UBC a se concentrar na geologia de um planeta-alvo, em oposição à sua órbita, com a esperança de ajustar o processo de identificação de habitabilidade.


Dyck acredita que o telescópio espacial James Webb possa ser um instrumento muito importante para fazer as medições de ferro em exoplanetas e, portanto, auxiliar na busca por um mundo potencialmente habitável.
Fonte: Alex Wong

Com os resultados publicados no Journal Astrophysical Letters, Dyck primeiro observou como os planetas rochosos menores dentro de qualquer sistema têm uma coisa em comum: eles contêm a mesma proporção de ferro que sua estrela hospedeira. No entanto, o pesquisador explica, o que diferencia esses mundos rochosos uns dos outros é o volume real de ferro que reside no manto do planeta em comparação com seu núcleo. “À medida que o planeta se forma, aqueles com um núcleo maior formarão crostas mais finas, enquanto aqueles com núcleos menores formam crostas mais espessas e ricas em ferro, como Marte”, diz Dyck.

Essa proporção de ferro no manto em relação à crosta, explica ele, pode ajudar os astrônomos a determinar melhor a espessura da crosta do planeta. Esta medição, revela sua pesquisa, pode ser um componente chave para determinar se a água líquida pode existir na superfície do planeta. “Nossas descobertas mostram que, se soubermos a quantidade de ferro presente no manto de um planeta, podemos prever quão espessa será sua crosta e, por sua vez, se água líquida e uma atmosfera podem estar presentes”, disse Dyck, antes de observar o valor dessas descobertas para seus colegas que pesquisam com o método tradicional. “É uma maneira mais precisa de identificar novos mundos semelhantes à Terra em potencial do que confiar apenas em sua posição na zona habitável.”

Embora esse novo processo ainda precise ser testado, Dyck vê uma excelente oportunidade para a descoberta de novos exoplanetas - bem como o potencial para descobrir vida alienígena - logo no horizonte: o lançamento do Telescópio James Webb (JWT). “Um dos objetivos do JWT é investigar as propriedades químicas dos sistemas planetários extrasolares”, disse Dyck. “Ele será capaz de medir a quantidade de ferro presente nesses mundos alienígenas e nos dar uma boa ideia de como suas superfícies podem ser e pode até dar uma dica se eles são um lar para a vida.”

Uma missão já aprovada para o JWT irá procurar por tecnoassinaturas em uma série de possíveis exoplanetas no sistema Trappist-1, mas Dyck acredita que o observatório baseado no espaço também pode oferecer uma oportunidade única de identificar vários outros planetas-alvo antes que quaisquer pesquisas futuras estejam em andamento. Quanto ao que ele e sua equipe farão a seguir, Dyck acredita que muitos esforços de pesquisa empolgantes em sua área são um indicador das grandes coisas que estão por vir. “Estamos prestes a fazer grandes avanços para compreender melhor os incontáveis planetas ao nosso redor e descobrir o quão única a Terra pode ou não ser”, disse ele. “Ainda pode demorar algum tempo antes de sabermos se algum desses novos mundos estranhos contém uma nova vida ou mesmo novas civilizações, mas é um momento emocionante para fazer parte dessa exploração.”

Fonte

Já está no ar a Edição 284 da Revista UFO. Aproveite!

Abril de 2021

Biden revelará os segredos dos UFOs?