DESTAQUE

Teria nosso universo sido criado em um laboratório? Avi Loeb sugere que sim

Por
20 de Outubro de 2021
Poderia nosso universo ter sido criado em laboratório por uma civilização ultra avançada?
Créditos: Deviant Art

O astrofísico Avi Loeb chamou a atenção da comunidade científica ao publicar um artigo na Scientific American com uma ousada hipótese: E se nosso universo tiver sido criado em um laboratório?

Avi Loeb, chefe do Instituto de Teoria e Computação do Harvard-Smithsonian Center for Astrophysics, membro do Conselho Presidencial de Ciência e Tecnologia dos Estados Unidos, mais de uma vez surpreendeu a comunidade científica e um amplo círculo de amantes da astronomia com sua abordagem extraordinária para a exploração do espaço e o lugar do homem nele. Desta vez, o astrofísico se propôs a considerar o enigma da criação de um novo ponto de vista. Mesmo pessoas que estão longe da ciência sabem que nosso universo nasceu durante o Big Bang. Mas o que veio antes disso? O que desencadeou esse nascimento de tudo do nada?

A literatura científica já expressou muitas suposições diferentes sobre a origem do cosmos. Portanto, o universo pode aparecer como resultado das flutuações do vácuo ou por causa do colapso da matéria dentro de um buraco negro. Ou talvez a expansão e a contração do universo sejam cíclicas. Depois, há o princípio antrópico, algumas conclusões muito interessantes da teoria das cordas e da hipótese do multiverso. Mas com a infinita variedade de universos nem tudo é tão simples. Loeb, em seu artigo, discute a menos estudada das hipóteses existentes para a origem de tudo o que observamos: nosso universo poderia ter sido criado no laboratório de uma civilização tecnologicamente desenvolvida.

“Uma vez que nosso universo tem uma geometria plana com energia líquida zero, uma civilização avançada poderia desenvolver tecnologia que criaria um universo filho do nada por meio de tunelamento quântico”, escreve ele. Essa suposição certamente parece excitante. Essa hipótese da origem de tudo combina ideias religiosas sobre o Criador com ideias seculares sobre a gravidade quântica. Loeb sugere que alguma civilização avançada poderia ter criado uma tecnologia para a “produção” de universos filhos.

Nesse caso, podemos supor que uma civilização suficientemente desenvolvida possa surgir em nosso universo capaz de gerar um novo universo “plano.” Tal sistema se assemelha a um modelo biológico e, como tal, hipoteticamente permite que diferentes gerações de civilizações altamente desenvolvidas “transfiram material genético” ainda mais neste ciclo infinito de criação. Desse ponto de vista, o autor do artigo se propõe a avaliar o nível tecnológico das civilizações não pela quantidade de energia que consomem, como sugerido em 1964 por Nikolai Kardashev.


Avi Loeb propõe que estejamos em um universo criado por uma civilização mais avançada. Mas com qual propósito?
Fonte: Harvard

Em vez disso, Loeb sugere medir o nível de desenvolvimento de uma civilização por sua capacidade de reproduzir as condições astrofísicas que levaram à sua existência. Em tal escala cósmica estimada, a civilização humana pertence à classe C, uma vez que ainda não podemos recriar as condições adequadas para a vida em nosso planeta em caso de morte do nosso Sol.

Talvez nossa posição neste ranking seja ainda mais baixa, já que estamos destruindo os habitats naturais da Terra de forma inconsciente, acelerando as mudanças climáticas. De acordo com este princípio, a humanidade já pode ser atribuída à classe D. Uma civilização de classe B, por sua vez, pode regular as condições em seu habitat de forma a ser independente de sua estrela hospedeira (no nosso caso, o Sol). A civilização de classe A é capaz de recriar as condições cósmicas que levaram à sua existência, ou seja, criar um universo filho em laboratório.

Portanto, Loeb conclui que é importante para a humanidade se permitir a suposição de que em algum lugar do universo existem civilizações que são muito mais desenvolvidas do que a nossa. Ao mesmo tempo, o raciocínio do cientista permanece teórico e mal apoiado por qualquer pesquisa. O que, no entanto, sempre distinguiu os futuristas. Hoje, os físicos estão trabalhando duro para encontrar a energia escura e a matéria escura, construir modelos teóricos complexos e lidar com os mistérios da estrutura dos menores componentes de nosso mundo. Eles trabalham incansavelmente para obter pelo menos um grão de informação sobre o grande mistério da criação do universo.

Ao mesmo tempo, os poucos dados que os cientistas recebem no curso de uma pesquisa meticulosa de longo prazo ano a ano atraem menos atenção do público do que as declarações ruidosas de alguns cientistas na mídia. No entanto, não se pode negar que “sonhadores” como Loeb dão uma grande contribuição para o desenvolvimento do pensamento científico. Afinal, ideias ousadas podem abrir caminho para grandes conquistas científicas e tecnológicas. Portanto, embora as ideias de Avi Loeb não pertençam ao campo da ciência pura, elas podem servir de inspiração para futuras realizações científicas.

Fonte

Já está no ar a Edição 285 da Revista UFO. Aproveite!

Junho de 2021

Quando eles são hostis aos humanos