DESTAQUE

Telescópio espião da NASA começará a buscar por exoplanetas em velocidade recorde

Por
04 de Agosto de 2020
Representação artística do Roman Space Telescope em ação.
Créditos: NASA

Um novo observatório espacial da NASA poderá alavancar muito a caça a exoplanetas coletando dados até 500 vezes mais rápido do que o venerável Telescópio Espacial Hubble.

 Há 30 anos a ciência ainda estava reticente sobre afirmar que havia exoplanetas, embora dissesse que havia uma alta probabilidade de que existissem. Isso porque nenhum planeta fora do Sistema Solar fora ainda detectado.

Hoje, os astrônomos já encontraram mais de 4.000 exoplanetas e 3.00 sistemas planetários, ou seja, planetas são uma ocorrência normal no cosmos. Mas a pergunta sobre se eles têm vida e como ela é, ainda está longe de ter uma resposta.

Porém será muito mais fácil sabemos conforme a pesquisa se acelerar. Nesse sentido, o Telescópio Espacial Nancy Grace Roman, anteriormente conhecido como Telescópio de Pesquisa por Infravermelho de Campo Amplo ou WFIRST, que recentemente passou por uma importante revisão poderá ajudar muito.

 

Tecnologia de espionagem.


A astronoma Nancy Grace Roman ao lado do telescópio. Crédito: NASA

Roman, como o telescópio é chamado, conta com a tecnologia que foi originalmente construída para missões de espionagem. Em vez disso, quando for lançado em meados da década atual, Roman espionará exoplanetas em toda a galáxia, bem como muitos outros fenômenos cósmicos.

O equipamento será otimizado para um tipo de pesquisa planetária chamada microlente, que é um efeito observacional que acontece quando a massa distorce o tecido do espaço-tempo. 

No extremo, esse tipo de lente gravitacional é usado para observar objetos muito grandes, como galáxias ou buracos negros. Em miniatura, no entanto, a microlente mostra "distorções" em estrelas menores indicando a possível presença de um planeta.

 

Microlente


Crédito: NASA

Nesta escala menor, a microlente ocorre quando uma estrela se alinha estreitamente com uma segunda estrela, do ponto de vista da Terra. 

A estrela que está mais próxima do nosso planeta focaliza e amplifica a luz da estrela que está mais distante, permitindo que os cientistas a vejam com mais detalhes do que o habitual. 

Mesmo os planetas que orbitam a estrela em primeiro plano podem aumentar a luz da estrela, criando um aumento no brilho.

As capacidades de microlente de Roman serão acopladas a um amplo campo de visão 100 vezes maior que o do Hubble, enquanto capturam estrelas e planetas com a mesma resolução que o famoso telescópio. 

A NASA espera que o equipamento obtenha mais dados do que qualquer outra missão astrofísica da agência.

 

Missões anteriores


Telescópio Hubble Crédito: NASA

Os esforços de Roman se basearão em outras missões da NASA otimizadas para a caça a exoplanetas, incluindo a missão Kepler, que encontrou milhares de exoplanetas e o atual satélite de pesquisa de exoplanetas em trânsito (TESS), em busca de planetas semelhantes à Terra perto de nós. 

O Hubble, embora não tenha sido projetado para caçar planetas desde que foi lançado exatamente quando as descobertas estavam começando, também produziu muitos dados sobre eles. 

Numerosos observatórios na Terra encontraram seus próprios planetas ou tiveram suas observações confirmadas por telescópios espaciais, criando uma comunidade maior de coleta de dados sobre exoplanetas com a qual Roman contribuirá após seu lançamento.

"Com um número tão grande de estrelas e observações frequentes, a pesquisa de microlentes de Roman verá milhares de eventos planetários", disse Rachel Akeson, chefe de tarefas do Centro de Suporte Científico no Centro de Processamento e Análise de Infravermelho do Instituto de Tecnologia da Califórnia, em uma declaração da NASA. 

"Cada um terá uma assinatura única, que podemos usar para determinar a massa do planeta e a distância de sua estrela. afirmou Rachel.

 

Fonte: Space.com.

Assista, abaixo, o video da missão:

Já está no ar a Edição 268 da Revista UFO. Aproveite!

Maio de 2019

Jung e os UFOs