DESTAQUE

Surpreendente relatório australiano sobre UFOs é liberado

Por
06 de Julho de 2021
O relatório UFO australiano não se baseia apenas em estatística, mas em relatos propriamente ditos.
Créditos: GettyImages

A Austrália divulgou recentemente um relatório realizado por seu Departamento de Defesa. “Inteligência Científica – Objetos Voadores Não Identificados” é o título, e o documento cobre o período de 1957 a 1971 (58 páginas). Aqueles que fizeram extensas pesquisas sobre UFOs acharão a versão australiana muito mais honesta intelectualmente do que a versão americana.

De acordo com o ex-funcionário da inteligência dos Estados Unidos, Luis Elizondo, o inspetor geral do Departamento de Defesa está conduzindo atualmente três análises. As investigações variam desde a maneira como o Departamento de Defesa lidou com os relatos de UFOs até a suposta retribuição contra Elizondo. Os casos abertos do inspetor geral são cruciais para o relatório da Austrália porque estabelecem, sem sombra de dúvida, que o Departamento de Defesa dos Estados Unidos está sendo desonesto e obscuro quando se trata dos UFOs. Por décadas, a Austrália foi uma amiga leal dos Estados Unidos. Dentro de suas fronteiras, ela compartilha uma instalação militar (Pine Gap). Quando as agências de inteligência de um aliado de defesa determinam que os Estados Unidos não estão sendo intelectualmente honestos em sua abordagem, talvez seja razoável concluir que há mais nessa história do que os 144 incidentes estudados desde 2004 pela Força-Tarefa UAP dão a entender.

De acordo com o documento, o Escritório do Investigador Especial (OSI), agindo por meio do Painel Robertson, encorajou a Força Aérea dos Estados Unidos (USAF) a usar o Projeto Blue Book para “desmascarar” os UFOs publicamente. Em uma reviravolta trágica do destino, quando as autoridades australianas buscaram explicações da USAF, a alegação foi desmentida. Os autores do estudo foram descritos como conspiratórios e até malucos pela Força Aérea dos Estados Unidos. Ross Coulthart relatou isso, e pôde ser ouvido em uma recente entrevista do Project Unity.

Courthart é um jornalista investigativo premiado que é atraído por assuntos proibidos. Ele também declarou no mesmo podcast que um oficial sênior da Marinha dos Estados Unidos, identificado como Nat Kobitz, disse a ele que os Estados Unidos estiveram no meio de uma engenharia reversa de numerosas naves não humanas. De acordo com seu obituário, Kobitz foi ex-Diretor de Pesquisa e Desenvolvimento do Naval Sea Systems Command.

O estudo examina dados derivados de uma lista de 1.000 relatos de aterrissagens ou quase aterrissagens compiladas por Jacque Vallée, um físico envolvido em pesquisas de computador que colaborou com o professor Hynek, consultor da USAF sobre UFOs em North Western, Illinois. A evidência circunstancial de seu trabalho indica uso proposital de “armas”, mas principalmente em uma capacidade defensiva, por parte dos UFOs. Entre várias histórias, uma delas relata o caso de um automóvel que foi perseguido à noite e, após ser parado por um feixe de luz, ocorreu algum tipo de interação entre os passageiros do carro e os ocupantes do UFO.


O documento de 58 páginas, que abrange de 1957 a 1971, pode ser lido clicando aqui.
Fonte: National Archives of Australia

Em contraste com a versão americana do estudo, que foi publicado em junho, informações sobre os impactos remanescentes nos arredores de onde as naves estiveram pousadas estão incluídas na edição australiana. No momento, são esses efeitos prolongados que fornecem o maior benefício potencial para a pesquisa científica. O estudo UFO australiano é dado como um registro histórico com uma atmosfera de credibilidade que será bem-vinda por ufólogos independentes, de exemplos de motores sendo desligados a feixes de luz visíveis perseguindo veículos.

A impressão geral adquirida a partir desses incidentes é que os ocupantes da nave interromperam intencionalmente os sistemas de ignição, e a falha não foi apenas uma medida de precaução devido a uma aproximação não intencional de um veículo a um objeto enquanto ele realiza suas atividades. O estudo argumenta que, se a Austrália seguisse o exemplo dos Estados Unidos, seria preferível seguir o papel da CIA de se concentrar na obtenção de informações das fontes de energia envolvidas, em vez da postura pública da USAF.

O relatório demonstra, além de qualquer dúvida razoável, que ao erguer uma fachada de zombaria, os Estados Unidos esperavam acalmar a preocupação pública, reduzir a possibilidade de a União Soviética explorar avistamentos em massa de UFOs para fins de guerra psicológica ou real, e servir como uma cobertura para o programa de desenvolvimento de veículos que imitam performances de UFOs.

Em seguida, critica a Real Força Aérea Australiana (RAAF), bem como muitas outras nações em todo o mundo, por dar credibilidade exclusivamente à fachada pública da USAF e parecer ter ingenuamente aceito os fatos que a acompanham. O elemento mais forte de todo o estudo são os serviços de inteligência australianos propondo que pode ser desejável agir independentemente dos Estados Unidos e iniciar um esforço cientificamente sólido e intelectualmente honesto para resolver o mistério dos UFOs.

Leia o documento na íntegra clicando aqui.

Fonte

Já está no ar a Edição 285 da Revista UFO. Aproveite!

Junho de 2021

Quando eles são hostis aos humanos