DESTAQUE

Superflares estelares podem nos ajudar a procurar por vida em outros sistemas

Por
14 de Outubro de 2020
Superflare solar
Créditos: The Sun

A luz ultravioleta de chamas estelares gigantes pode destruir a habitabilidade de um planeta, mas também pode nos ajudar a encontrar vida extraterrestre. Entenda como

 Uma nova pesquisa da Universidade da Carolina do Norte em Chapel Hill ajudará os astrobiólogos a entender quanta radiação os planetas experimentam durante as super chamas solares e se a vida poderia existir em mundos além do nosso Sistema Solar.

Superflares são explosões de energia que são 10 a 1.000 vezes maiores do que as maiores erupções do nosso Sol. Essas explosões podem banhar um planeta com uma quantidade de luz ultravioleta grande o suficiente para destruir as chances de sobrevivência ali.

Pesquisadores da Universidade da Carolina do Norte de Chapel Hill, nos Estados Unidos, mediram pela primeira vez a temperatura de uma grande amostra de superflares de estrelas e as prováveis ??emissões ultravioleta de suas chamas. 

As descobertas, publicadas agora em outubro, mas antes da impressão no Astrophysical Journal, permitirão aos pesquisadores colocar limites na habitabilidade dos planetas que serão alvos das próximas missões de descoberta de planetas.

"Descobrimos que planetas orbitando estrelas jovens podem experimentar níveis proibitivos de radiação UV, embora alguns micro-organismos possam sobreviver", disse o autor do estudo Ward S. Howard, estudante de doutorado no Departamento de Física e Astronomia da UNC-Chapel Hill.

 

Destruindo e encontrando vida

 
Superflare em sistema estelar distante Crédito: Science Daily 

Howard e seus colegas usaram a matriz de telescópios UNC-Chapel Hill Evryscope e o Transiting Exoplanet Survey Satellite (TESS) da NASA para observar simultaneamente a maior amostra de superflares.

Ao expandir a pesquisa, a equipe descobriu uma relação estatística entre o tamanho de um superflare e sua temperatura. A temperatura prediz a quantidade de radiação que potencialmente impede a vida na superfície.

Superflares normalmente emitem a maior parte de sua radiação UV durante um pico rápido que dura apenas de cinco a 15 minutos. As observações simultâneas do Evryscope e do TESS foram obtidas em intervalos de dois minutos, garantindo que várias medições fossem feitas durante o pico de cada super chama.

Esta é a primeira vez que as temperaturas de uma amostra tão grande foram estudadas. A frequência das observações permitiu que a equipe descobrisse em quanto tempo os superflares podem cozinhar planetas em órbita com intensa radiação ultravioleta.

As labaredas observadas já informaram a missão estendida do TESS a descobrir milhares de exoplanetas em órbita ao redor das estrelas anãs mais brilhantes do céu. 

O TESS agora tem como alvo estrelas flare de alta prioridade da amostra UNC-Chapel Hill para observações mais frequentes.

"A longo prazo, esses resultados podem informar a escolha dos sistemas planetários a ser observados pelo Telescópio Espacial James Webb da NASA com base na atividade de queima do sistema", disse o coautor do estudo Nicholas M. Law, professor associado de física e astronomia da UNC-Chapel Hill e principal investigador do telescópio Evryscope.

 

Fonte: Science Daily

Veja, abaixo, um video sobre o assunto:

Já está no ar a Edição 279 da Revista UFO. Aproveite!

Setembro de 2020

Segredos ufológicos nos corredores do Pentágono