DESTAQUE

Stephen Hawking sabia onde procurar por extraterrestres, mas não recomendava

Por
13 de Março de 2021
E se seres alienígenas usarem nossas informações contra nós?
Créditos: Patrick Schneider

Nascida dos primeiros pensadores gregos, a filosofia é o conjunto de reflexões sobre a essência, propriedades, causas e efeitos das coisas naturais, especialmente sobre o homem e o universo. A ciência, ao contrário, é um sistema ordenado de conhecimento estruturado que estuda, investiga e interpreta fenômenos naturais, sociais e artificiais. Os antigos filósofos verificavam um fato e então refletiam sobre ele. Como seria uma ciência que anda de mãos dadas com a filosofia? O que se ponderaria sobre as consequências de uma determinada descoberta?

Por Josep Guijarro

Hoje, mais do que nunca, a filosofia e a ciência devem voltar a ser como eram nos tempos de Aristóteles e Platão, as duas faces da mesma moeda. A filosofia, o que se conhece como ética em sua face mais prática, está mais viva do que nunca porque é agora, com os avanços da tecnologia e da ciência, que sua importância deve ser destacada. O desenvolvimento da inteligência artificial, ciborgues ou a implantação de robôs na indústria e em nossas vidas, industrialização e mudanças climáticas são alguns exemplos, mas se olharmos para o céu, outras questões interessantes se abrem.

“Obviamente, existe vida no universo; nós atestamos isso”, disse o professor de astronomia da Universidade de Harvard, Avi Loeb. E ele conclui: “E isso implica que a humanidade oferece um conjunto de dados enorme, convincente, às vezes inspirador e às vezes preocupante, que precisa ser pesado quando se pensa sobre os atos e intenções de qualquer outro ser inteligente que possa existir – ou ter existido, no universo. Como o único exemplo de vida inteligente que estudamos em profundidade, é provável que os humanos possuam muitas chaves para compreender o comportamento de outras espécies inteligentes passadas, presentes ou futuras no universo.”

Portanto, de acordo com sua reflexão filosófica, pode ser que os alienígenas se comportem como humanos. Ele pensa como o já falecido astrofísico Stephen Hawking, que neste sentido comparou o contato com uma sociedade alienígena com a chegada de Cristóvão Colombo ao Novo Mundo. Algo que, como sabemos, não foi bom para os indígenas americanos, que receberam um povo muito mais avançado e que não hesitaram em abusar cruelmente de sua superioridade, impondo suas crenças e modo de vida.


Stephen Hawking tinha ideias de onde começar a procurar por vida, mas não recomendava que o fizéssemos.
Fonte: Getty Images

Portanto, Hawking declarou publicamente que devemos ter cuidado para não enviar mensagens alegres ao espaço avisando sobre nossa existência e sobre o lugar que ocupamos no universo. Nossa civilização já enviou cinco objetos de fabricação humana para o espaço interestelar: Voyager 1 e 2, Pioneer 10 e 11 e New Horizons, com mensagens para outras civilizações, e continuamos a escanear e enviar sinais através do “rádio” com nossa posição.

Na série de documentários Stephen Hawking’s Favorite Places, o cientista viaja em uma nave virtual que lhe permite ir para seus lugares favoritos no universo. À medida que a viagem avança, cresce a convicção de Hawking de que não estamos sozinhos e ele sugere que, para encontrar outras formas de vida inteligente, devemos começar em um ponto muito específico: o planeta Gliese 832 c. O que o cientista sabia sobre esse exoplaneta? Gliese 832 c é um planeta rochoso 5.4 vezes maior que a Terra e que está localizado a uma distância de 16.1 anos-luz de nós, na zona habitável de sua estrela. Os cientistas dizem que é 81% semelhante ao nosso planeta azul.

Hawking nos considerava uma vítima perfeita, uma civilização distante e subdesenvolvida que uma comunidade alienígena avançada não hesitaria em destruir. Seríamos menos que bactérias para eles: totalmente dispensáveis. Como ex-líder do projeto Breakthrough Listen, do bilionário russo Yuri Milner, que vasculha milhões de estrelas em busca de sinais extraterrestres, Hawking garantia que o dia em que recebermos uma resposta às nossas tentativas de comunicação seria uma péssima notícia para nós.

Se esta civilização extraterrestre pode responder a nós, não apenas receber nosso sinal, significa que “(...) existe a possibilidade de que vários milhões de anos estarão à nossa frente em todos os sentidos, algo que nos torna os ‘fracos’ na relação. Uma civilização muito tentadora de invadir”, conclui. Essas declarações estão alinhadas com as que ele havia expressado anteriormente quando afirmou: “Alguns extraterrestres evoluídos podem ter se tornado nômades e ter a intenção de colonizar os planetas aos quais chegam.” Levaremos seus medos e reflexões a sério?

Fonte

UFO Recomenda

Já está no ar a Edição 280 da Revista UFO. Aproveite!

Outubro de 2020

Intervenção extraterretre