DESTAQUE

Sondando a crosta gelada da lua Europa de Júpiter, astrônomos procuram por vida alienígena

Por
14 de Outubro de 2021
A lua Europa é uma forte candidata a ter vida alienígena.
Créditos: NASA

Na busca contínua por vida em outras partes do universo, um grupo de cientistas acredita que a lua de Júpiter, Europa, possa ser um ótimo lugar para se olhar. Especificamente, os cientistas estão se concentrando no que Europa possa estar escondendo sob sua crosta gelada.

Embora possa parecer estranho olhar para um lugar tão frio e longe do Sol em busca de sinais de vida, os cientistas também acreditam que Europa pode ser um bom lugar para pesquisar a habitabilidade. Por causa disso, no final de 2024, a missão Europa Clipper será lançada pela NASA com financiamento do Planetary Missions Program Office's Solar System Exploration para sondar a lua gelada de Júpiter e avaliar tais perspectivas.

Os mundos oceânicos são grupos de corpos planetários que possuem vastos oceanos de água líquida sob espessas crostas de gelo. O oceano de Europa tem menos de 25Km de gelo, o que está mais próximo da superfície em comparação com outras luas geladas. “Europa é fantástica. De qualquer lugar no sistema solar, fora da Terra, ela tem o maior potencial, eu acho, para manter um ambiente habitável que poderia sustentar vida microbiana”, disse recentemente à Wired Michael Bland, um cientista espacial do US Geological Survey em Flagstaff, Arizona.

Se Europa possui os ingredientes necessários para a vida, a água terá um significado fundamental. Felizmente, Europa provavelmente terá mais água do que os oceanos do nosso planeta. Há também a necessidade de ingredientes químicos essenciais como carbono, oxigênio e nitrogênio. Os cientistas acreditam que não apenas Europa tinha esses elementos comuns na formação, mas também coletou mais materiais orgânicos de impactos de asteroides e cometas. No entanto, resta a questão sobre uma possível fonte de energia. Como pode um mundo gelado tão longe do Sol obter energia?

A resposta é radiação. Júpiter lança radiação para a superfície de Europa, o que significa que a vida em sua superfície não seria possível. No entanto, a radiação que Europa recebe pode realmente criar condições ideais para a vida abaixo da superfície. Bland e seus colegas afirmaram que tentar caracterizar a habitabilidade de Europa é o próximo passo lógico. Felizmente, eles não terão que esperar muito para descobrir, com o próximo lançamento do Europa Clipper em 2024.


A missão Europa Clipper em 2024 realizará testes para avaliar a habitabilidade da lua e procurar possíveis sinais de vida sob sua crosta gelada.
Fonte: NASA

“O Europa Clipper avaliará a habitabilidade de Europa e como podemos usar essas investigações para outros mundos oceânicos, pensando no potencial de vida lá também”, diz Kathleen Craft, cientista planetária do Laboratório de Física Aplicada da Universidade Johns Hopkins. Armado com painéis solares, o orbitador usará radar, sinais de rádio e gravidade para estudar a estrutura de Europa e medir a espessura de sua “casca” e a profundidade do oceano. Ele tentará absorver algumas gotículas do oceano que a lua frequentemente expele, um pouco de gás e vapor. Depois de analisar e classificar o conteúdo, ele enviará os dados mais relevantes de volta para os cientistas aqui na Terra.

A missão deste orbitador também inclui estudar a superfície de Europa para encontrar um ponto de pouso potencial para uma missão futura, para coletar materiais de superfície e talvez conduzir algumas perfurações na casca de gelo. A oportunidade de explorar Europa está se aproximando rapidamente, e em breve saberemos mais sobre não apenas sua habitabilidade, mas também a de outros mundos oceânicos. Combinar todos os ingredientes certos necessários para a vida não é fácil, mas Bland acredita que há uma chance de vida no fundo do mar de Europa.

“É plausível, mas condições específicas precisam ser atendidas e não é garantido”, diz Bland. A única maneira de saber com certeza é explorando este mundo gelado por meio de novas missões espaciais. “A missão Europa Clipper dará um passo profundo no avanço da nossa compreensão dos ambientes habitáveis além da Terra”, escreveram Samuel Howell e Robert Pappalardo, da NASA, membros da equipe do Europa Clipper, na revista Nature Communications, no ano passado.

Os dados que o orbitador espera adquirir fornecerão informações úteis sobre a estrutura e profundidade da superfície e do oceano de Europa e pode até coletar algumas amostras de água que irrompe através do gelo. Mas o mais importante, ajudará a preparar a melhor maneira de dar o próximo passo nesta exploração: pousar uma espaçonave lá. Essa missão de pouso continua sendo um conceito, por enquanto, mas usar um módulo de pouso pode ser a única maneira de saber se há, de fato, vida em outro mundo. Embora as perspectivas de pousar na Europa em algum momento no futuro permaneçam no estágio conceitual por enquanto, as missões futuras nos meses e anos à frente podem torná-las realidade. Se bem-sucedidos, eles também poderiam ajudar a responder à antiga questão de saber se há vida em outros mundos, e mesmo em luas frias e desoladas como Europa, que inicialmente poderiam ter parecido inóspitas para os terráqueos.

Fonte

Já está no ar a Edição 285 da Revista UFO. Aproveite!

Junho de 2021

Quando eles são hostis aos humanos