DESTAQUE

Sinais de vida? Curiosity mede assinaturas de carbono intrigantes em Marte

Por
20 de Janeiro de 2022
Os dados de carbono em Marte podem muito bem ter relação biológica.
Créditos: NASA

O rover Curiosity mediu uma curiosa assinatura de carbono em Marte. Na Terra, esse tipo específico do elemento está associado a processos biológicos — seres vivos. Estaríamos diante de evidências de vida fora da Terra?

Marte é um dos lugares mais semelhantes do sistema solar à Terra. No entanto, embora o planeta vermelho possa parecer estéril e sem vida, nossa compreensão de como era Marte no passado distante mudou drasticamente. Enquanto décadas atrás achávamos impossível que fosse um mundo coberto de água, lagos e nuvens, hoje sabemos que era tudo isso e talvez muito mais baseado em inúmeras missões científicas. Talvez milhões, senão bilhões de anos atrás, Marte era um mundo que preenchia todos os requisitos para a vida como a conhecemos existir em sua superfície.

Mas se este foi o caso ou não, ainda precisa ser analisado. E um progresso significativo está sendo feito em direção a esse objetivo com missões robóticas em Marte, como o Perseverance e o Curiosity. Um relatório recente revela que a análise de isótopos de carbono em amostras de sedimentos colhidas pelo rover Curiosity mostra um ciclo de carbono incomum em Marte. “Todos esses três cenários são não convencionais, ao contrário dos processos comuns na Terra”, explicaram os pesquisadores em um estudo publicado na revista Proceedings of the National Academy of Sciences. Amostras de solo marciano obtidas pelo rover de meia dúzia de locais expostos na Cratera Gale, incluindo um penhasco, deixam os pesquisadores com três explicações plausíveis para a origem do carbono.

O carbono tem dois isótopos estáveis, 12 e 13. Assim, observando as quantidades de cada um em uma substância, os pesquisadores podem determinar detalhes sobre o ciclo do carbono que ocorreu, mesmo que tenha acontecido há muito tempo, digamos bilhões de anos atrás. “As quantidades de carbono 12 e carbono 13 em nosso sistema solar são as quantidades que existiam na formação do sistema solar”, disse Christopher H. House, professor de geociências da Penn State. “Ambos existem em tudo, mas como o carbono 12 reage mais rapidamente que o carbono 13, observar as quantidades relativas de cada um nas amostras pode revelar o ciclo do carbono.” O Curiosity vem estudando e explorando Marte por quase uma década, depois de pousar na superfície do planeta vermelho em 06 de agosto de 2012.

O rover está explorando a cratera Gale enquanto analisa várias amostras, enviando dados para pesquisadores na Terra estudarem. Ele está perfurando a superfície marciana, recuperando com sucesso amostras de camadas sedimentares enterradas. Depois de analisar uma das amostras de rocha em pó coletadas, os pesquisadores disseram que várias delas são ricas em um tipo de carbono associado a processos biológicos – vida – aqui na Terra. Embora isso possa parecer extraordinário, os cientistas dizem que isso não necessariamente aponta para a existência de vida antiga em Marte.


O rover Curiosity continua a fazer incríveis descobertas no planeta vermelho.
Fonte: NASA

Eles ainda não encontraram evidências conclusivas como formações rochosas sedimentares produzidas por bactérias antigas ou moléculas orgânicas complexas formadas pela vida. “Estamos encontrando coisas em Marte que são tentadoramente interessantes, mas realmente precisaríamos de mais evidências para dizer que identificamos vida”, revelou Paul Mahaffy, que atuou como investigador principal do laboratório de química Sample Analysis at Mars (SAM), a bordo do Curiosity, até se aposentar do Goddard Space Flight Center, da NASA, em Greenbelt, Maryland, em dezembro de 2021.

“Então, estamos analisando o que mais poderia ter causado a assinatura de carbono que estamos vendo, se não a vida.” No estudo publicado na revista, os pesquisadores oferecem três explicações possíveis para os resultados anormais da rocha em pó. Há uma explicação biológica e duas explicações não biológicas. A primeira e mais emocionante é a explicação biológica, que sugere essencialmente que Marte era habitável no passado distante. Antigas bactérias marcianas na superfície poderiam ter produzido uma assinatura única de carbono ao liberar metano no ar.

Esse metano então interagiria com a luz ultravioleta, transformando-se em moléculas maiores e mais complexas. Eventualmente, essas moléculas teriam chovido na superfície, permanecendo lá até hoje, quando o Curiosity coletou amostras de solo. As explicações não biológicas não são tão excitantes, mas igualmente plausíveis. Por exemplo, uma das explicações sugere que a assinatura de carbono “anômala” pode ter resultado de uma interação da luz ultravioleta com o dióxido de carbono na atmosfera marciana. Essas interações teriam produzido novas moléculas portadoras de carbono que acabaram sendo depositadas na superfície do planeta vermelho.

A terceira explicação, não biológica, propõe que o carbono nas amostras foi depositado em Marte quando nosso sistema solar passou por uma enorme nuvem molecular rica no carbono detectado pelo instrumento do Curiosity. “Todas as três explicações se encaixam nos dados”, disse House. “Nós simplesmente precisamos de mais dados para descartá-los ou excluí-los.” Por que a descoberta do carbono é tão importante? Bem, este elemento é encontrado em toda a vida na Terra.

Fonte

UFO Recomenda

Já está no ar a Edição 286 da Revista UFO. Aproveite!

Novembro de 2021

Os segredos ufológicos do Pentágono