DESTAQUE

Seria ético terraformar Marte?

Por
24 de Fevereiro de 2021
Terraformar Marte o tornaria viável para vivermos. Se isso fosse possível, seria correto?
Créditos: Shaulliv/Flickr

Se os humanos quiserem ser livres para andar casualmente por Marte sem depender da tecnologia para mantê-los vivos, o planeta inteiro precisará passar pelo processo de terraformação. Criar uma atmosfera respirável, água abundante e fontes sustentáveis de alimentos seria ótimo para nós. Mas isso seria ético?

Por Jazz Shaw

Algumas almas aventureiras, incluindo Elon Musk, têm planos mais ousados para Marte do que simplesmente bisbilhotar e fazer buracos com sondas robóticas. As missões tripuladas a esse planeta apresentarão enormes desafios, mas podem oferecer muito mais flexibilidade em nossa busca para descobrir se houve um “Segundo Gênesis” na superfície de nosso vizinho celestial. A resposta a essa pergunta pode ter implicações profundas para a humanidade e como vemos nosso lugar no universo. Há um objetivo ainda mais grandioso que tem sido tema de ficção científica e investigação séria por décadas. Visitar Marte e viver em habitats artificiais, como o senhor Musk imagina, é uma coisa. Mas e quanto a uma população humana permanente no planeta vermelho?

À medida que nossas missões a Marte sondam mais profundamente, espera-se que possamos determinar se há alguma vida a ser encontrada. Talvez alguns organismos sejam remanescentes de uma época em que se acredita que o planeta apresentava condições muito mais habitáveis. Se não há absolutamente nada vivendo em Marte, então a questão é discutível, e a humanidade provavelmente poderá fazer o que quiser com o novo imóvel. Mas pode haver extremófilos residindo sob a superfície. Ou possivelmente algo um pouco maior, semelhante a vermes ou insetos. Se ainda houvesse rebanhos de grandes animais vagando pela superfície ou pássaros marcianos voando pelos céus, provavelmente já os teríamos visto, mas isso não prova que o lugar inteiro está sem vida.

Vamos supor que por um momento que chutemos uma pedra, peguemos algumas amostras e encontremos alguns microrganismos. A primeira pergunta que teremos de responder é se eles são realmente marcianos ou não. Para determinar isso, teríamos que descartar a possibilidade de que a vida que “descobrimos” fosse algo que veio da Terra em uma de nossas sondas. Alguns cientistas estão convencidos de que já aconteceu, mas até encontrarmos algo que pareça ser vida fora de nossas próprias sondas e facilitarmos uma maneira de testá-lo para ter certeza, essa continua uma questão em aberto. Se tivermos descartado com sucesso a contaminação terrestre e descoberto que uma linhagem de vida genuinamente separada da nossa está vivendo sob a crosta da superfície marciana, o que acontece a seguir? Obviamente, gostaríamos de estudá-lo e aprender como e onde essa vida evoluiu. Também gostaríamos de determinar se isso representa alguma ameaça à vida humana. Todas essas questões são críticas.

Mas estamos falando sobre a possibilidade de terraformar o planeta. Qualquer vida hipotética que encontrarmos em Marte seria adaptada às condições totalmente inóspitas (para os humanos) de lá. Estamos olhando para as condições atuais da superfície marciana, onde um ser humano sem um traje espacial teria uma morte horrível em menos de um minuto. Se de alguma forma modificássemos o ambiente marciano para ser próximo o suficiente daquele em que evoluímos para sobrevivermos, quase certamente mataríamos qualquer vida marciana que vivesse lá agora. Em outras palavras: logo depois de descobrir o Segundo Gênesis, embarcaríamos no próximo genocídio. Alguns de vocês podem estar pensando: “Bem ... são apenas micróbios e talvez alguns vermes ou insetos.” Mas isso justifica nossas ações? Temos o direito de extinguir toda a vida em outro mundo para criar mais espaço para nós?


Recentemente, várias missões chegaram à Marte, incluindo o revolucionário rover Perseverance. Há quem diga que essa paisagem desoladora poderia se tornar um local de fato habitável.
Fonte: NASA/JPL-Caltech

A questão de saber se os humanos poderiam converter Marte em Terra 2.0 foi estudada por um bom tempo. A resposta, pelo menos de acordo com a NASA, é não. Ou pelo menos não é possível com o atual nível de tecnologia da humanidade. Embora grande parte da atmosfera marciana seja composta de dióxido de carbono, ela tem apenas 1% da espessura do ar da Terra. Não há CO2 suficiente na atmosfera marciana para fornecer um aquecimento significativo de efeito estufa. Além disso, não está claro se Marte é mesmo capaz de reter qualquer quantidade significativa de gás liberado na atmosfera porque perdeu a maior parte de sua magnetosfera, e o vento solar provavelmente o arrancaria.

E daí se terraformação nem mesmo for uma opção? Nós, como espécie, ainda devemos lidar com essas questões éticas. A NASA está dizendo que não podemos fazer isso hoje. Mas, com alguns avanços tecnológicos significativos, pode ser possível no futuro. E pode chegar o dia em que a terraformação de Marte começará a parecer atraente. Eventualmente, nosso Sol começará a se expandir enquanto se transforma em um gigante vermelho, e a Terra se tornará inabitável. Simultaneamente, Marte poderia ressurgir com um clima consideravelmente mais quente que poderia durar milhões de anos. Se importarmos alguns de nossos próprios micróbios para Marte e eles assumirem o lugar, exterminando as espécies nativas remanescentes, será tarde demais para os marcianos quando esse dia chegar.

Mas isso aconteceria? Nossos micróbios terrestres podem ter a mesma chance de sobreviver em Marte que os micróbios marcianos teriam na Terra, que poderia ser quase zero. Um cientista certa vez descreveu a situação como semelhante ao transporte de uma dúzia de pássaros exóticos da Ásia para outro continente. Se você os soltar na Amazônia, eles podem agir como uma espécie invasora e dominar o continente em algumas gerações. Mas se você os jogasse com os pinguins na Antártida, acabaria com uma dúzia de papagaios mortos em menos de um dia. Talvez o mesmo caso se aplique aos micróbios marcianos e terrestres. Neste ponto, ainda não sabemos com certeza. A vida é incrivelmente tenaz, como aprendemos em nossas aventuras na órbita baixa da Terra. Descobrimos plâncton crescendo no lado externo de uma janela na Estação Espacial Internacional. Se a vida pode permanecer no vácuo do espaço, provavelmente pode sobreviver em Marte. Portanto, essas não são hipóteses tão fictícias que estamos discutindo. Devemos ter um plano antes de causar um problema muito maior do que os que estamos tentando resolver.

Fonte

UFO Recomenda

Já está no ar a Edição 276 da Revista UFO. Aproveite!

Janeiro de 2020

A Ufologia e seus demônios