DESTAQUE

Segundo homem a pisar na Lua fala sobre nossa migração para Marte

Por
04 de Maio de 2019
Buzz Aldrin
Créditos: Getty imagens

Buzz Aldrin, astronauta da missão Apollo 11, em seu artigo no Washington Post, publicado na quarta-feira (1), vislumbrou uma grande migração da humanidade para Marte como questão de derradeira sobrevivência. O artigo abaixo foi traduzido e reproduzido na íntegra:

“No mês passado, o vice-presidente Pence anunciou que estamos voltando à Lua. Eu estou com ele, em espírito e aspiração. Tendo estado lá (na Lua), posso dizer que é hora de voltarmos. Quando Neil Armstrong, Michael Collins e eu fomos à Lua, há 50 anos, em julho deste ano, fizemos isso com uma missão. A Apolo 11 tinha como objetivo comprovar o compromisso dos Estados Unidos com a exploração espacial, bem como sua segurança nacional e superioridade tecnológica.

Nós fizemos tudo isso. Nós também "Viemos em Paz em nome de toda a Humanidade". Mais dessa ideia é necessária agora.

Hoje, muitas nações têm os olhos voltados para a Lua, como China e Rússia, além de amigos na Europa e no Oriente Médio. Isso é tudo de bom. Os Estados Unidos deveriam cooperar – e oferecer-se como um líder de equipe voluntário – em explorar todos os aspectos da Lua, desde sua geologia e topografia até sua hidrologia e história cósmica. Ao fazê-lo, podemos levar a cooperação na órbita baixa da Terra à Lua, abertamente, avidamente e colegialmente.

Enquanto isso, outro orbe que se aproxima – o vermelho – deve se tornar um foco sério de atenção dos Estados Unidos. Marte está esperando para ser descoberto, não por robôs inteligentes e jipes-sondas – embora eu apoie as missões não tripuladas da NASA – mas por homens e mulheres que vivem, respiram, falam, se importam e são ousados.

Para que isso aconteça, os membros do Congresso, a administração Trump e o público americano devem se importar o suficiente para fazer das missões de exploração humana em Marte uma prioridade nacional. Para ser claro, não quero dizer gastar bilhões de dólares dos contribuintes em algumas brincadeiras ou passeios alegres, permitindo àqueles que retornam escrever livros, twittar fotos e falar sobre a novidade. Quero dizer algo muito diferente.

Os olhos dos Estados Unidos – e nosso compromisso unificado – devem se concentrar em abrir a porta, em nosso tempo, para a grande migração da humanidade para Marte. Muitos livros foram escritos sobre como fazer isso e inspiraram líderes governamentais e não-governamentais a fazer planos grandiosos. Mas planos sem uma arquitetura detalhada e sem esse “próximo passo” no futuro são apenas fantasia.

Os americanos são bons em escrever fantasia e incomparáveis em tornar o fantástico uma realidade. Nós fizemos isso com [os projetos] Mercury, Gemini, Apolo – e de milhares de outras maneiras. Chegou a hora de nos aprofundarmos em projetos, arquitetura e implementação, e dar o próximo passo – um retorno internacional sustentável para a Lua, mapeando diretamente um caminho para Marte.

A administração Trump e o Congresso de hoje, inspirados por um público americano impaciente por liderança espacial, poderiam dar a partida neste motor. O próximo passo se basearia em nossos primeiros pousos lunares e estabeleceria assentamentos permanentes na Lua. Enquanto isso, os preparativos para a migração permanente para o planeta vermelho podem ser feitos.

Tudo isso está ao alcance dos seres humanos vivos agora, mas começa com um próximo passo unificado no espaço. A nação mais bem posicionada para que isso aconteça é os Estados Unidos.

Assim como o presidente John F. Kennedy é lembrado por começar a unidade de nossa nação à Lua, onde Neil e eu deixamos pegadas, a administração Trump e este Congresso seriam lembrados por décadas pelo fato de colocarem humanos permanentemente na Lua e americanos em Marte – para tornar possível pegadas humanas em pó vermelho e pela migração subsequente.

Por questões de mecânica orbital, missões da Terra a Marte para migração são complexas. Dito isso, a natureza humana – e potencialmente a sobrevivência final de nossa espécie – exige o contínuo alcance externo da humanidade no universo. Chame isso de curiosidade ou cálculo, planejamento estratégico ou destino. Simplificando: Nós exploramos ou expiramos. É por isso que devemos seguir em frente.

Em um mundo de divisão e distração, esta missão é unificadora – para todos os americanos e para toda a humanidade. Portanto, estou pessoalmente feliz por estarmos voltando à Lua – e agradeço ao presidente Trump e ao vice-presidente por seu comprometimento.

Mas meus olhos vagam mais alto, para a esfera vermelha que, mesmo agora, aguarda uma bandeira americana e uma placa que diz: ‘We Come in Peace for All Mankind‘ (‘Viemos em Paz em nome de toda a Humanidade’)

 -Buzz Aldrin

Fonte: The Washington Post

  

Conheça o  Curso A Nova Humanidade

www.anovahumanidade.com.br

Já está no ar a Edição 267 da Revista UFO. Aproveite!

Abril de 2019

Um metal extraterrestre

UPDATED CACHE