DESTAQUE

Segredos do Sol: novas fotografias mostram detalhes nunca vistos de nossa estrela

Por
17 de Julho de 2020
Cientistas identificaram pequenas erupções que foram batizadas de
Créditos: NASA

No último mês, a missão Solar Orbiter, conduzida pela Nasa e pela Agência Espacial Europeia, capturou as imagens mais próximas já tiradas até hoje do Sol. Elas foram divulgadas ontem, dia 16 de julho.

 A Agência Espacial Européia (ESA) e a NASA divulgaram as primeiras imagens do Solar Orbiter ( SolO ) e elas imagens são - como esperado - deslumbrantes. 

São as imagens mais próximas tiradas do Sol até agora, embora não sejam as com maior definição. Lançada em 10 de fevereiro deste ano, a órbita muito elíptica do SolO finalmente o levará periodicamente para mais perto do Sol do que o planeta mais interno, que é Mercúrio

Esses  pontos mais próximos do Sol (periélios) ainda demorarão vários anos para serem alcançados, e essas imagens foram feitas a uma distância de 77 milhões de quilômetros.

Elas têm captura de detalhes nunca antes vistos, incluindo explosões solares em miniatura que os cientistas chamam de microflares, que em tradução livre seriam pequenas fogueiras

Mais perto do que qualquer um


Aparência do sol na região ultravioleta extrema do espectro eletromagnético . Imagens nesse comprimento de onda revelam a atmosfera superior do sol, a coroa, com uma temperatura de cerca de 600.000 °C. Crédito: ESA

O Solar Orbiter os capturou em uma série de pontos de vista vindos de vários instrumentos de sensoriamento remoto, entre 30 de maio e 21 de junho, quando a nave estava aproximadamente na metade do caminho entre a Terra e o Sol.

Na verdade, o orbitador estava mais perto do Sol do que qualquer outro telescópio solar já esteve antes.

Os cientistas compararam as fogueiras às explosões solares, que são erupções de curta duração no Sol, associadas a manchas solares e períodos de alta atividade solar. 

Existem poucas labaredas ou manchas no sol agora, por que estamos em um ponto baixo no ciclo solar de 11 anos. Quando ocorrem, as explosões solares podem causar distúrbios eletromagnéticos na Terra, afetando os satélites de comunicação e as redes de energia elétrica.

As fogueiras vistas pelo Solar Orbiter, por outro lado, são apenas um milionésimo ou bilionésimo do tamanho das explosões solares. No entanto, esses recursos no Sol podem afetar nossa estrela local. 


A trajetória do Orbitador  Solar. Crédito: ESA

Os cientistas disseram que as fogueiras podem estar contribuindo para as altas temperaturas da coroa solar. A alta temperatura da coroa, que é a fina atmosfera externa do Sol que se torna visível durante o total de eclipses solares, tem sido um mistério. 

A temperatura da coroa é superior a 600.000 °C. Isso é muito mais quente – na verdade, misteriosamente mais quente – do que a temperatura na superfície visível do Sol, que fica em torno de 5.500 °C.

Por que as temperaturas sobem à medida que você se afasta do centro do sol é uma pergunta que os cientistas há muito desejam responder.

Além disso, disseram os cientistas, as características da fogueira podem estar ligadas à origem do vento solar,  que é um fluxo de partículas carregadas liberadas principalmente da coroa, que passa pelos planetas a cerca de três vezes a distância de Plutão. 

“Você pode pensar em nosso Sistema Solar como uma família de planetas, mas também é possível imaginá-lo como uma heliosfera, uma região em forma de bolha em torno do Sol criada pelo vento solar”, declararam os estudiosos

O trabalho do Solar Orbiter, em parte, é explorar a heliosfera e responder a perguntas sobre como o Sol a cria e controla. Com o tempo, a órbita da espaçonave será inclinada para cima do plano da eclíptica, para oferecer uma melhor visão dos polos norte e sul do Sol. Espera-se que a missão SolO realize 22 órbitas em 10 anos.

 

Fontes: CNN, EarthSky

 

 Assista, abaixo, uma reportagem sobre o assunto:

Já está no ar a Edição 276 da Revista UFO. Aproveite!

Janeiro de 2020

A Ufologia e seus demônios