DESTAQUE

Saiba o que realmente aconteceu com a defesa aérea dos Estados Unidos

Por
05 de Dezembro de 2019
Ilustração
Créditos: The Drive

Houve relatos confusos de bolhas misteriosas no céu
e identificação errônea de bandos de pássaros.
Aqui está exatamente o que foi detectado, o que não foi e o porquê.

Por volta das 8h30 do dia 26 de novembro, ocorreu o que parecia ser uma possível violação do espaço aéreo rigidamente controlado que circunda Washington D.C., desencadeando uma série de eventos que chamaram a atenção nacional. A Casa Branca e o Capitólio entraram em bloqueio enquanto um helicóptero MH-65 da Guarda Costeira, de codinome Blackjack, tentava interceptar o possível intruso e caças F-16 ficavam em alerta na pista da Base Aérea de Andrews, prontos para decolarem a qualquer momento, sem aviso prévio. Seguiu-se uma confusão sobre o que exatamente foi detectado e o porquê. Agora, de acordo com autoridades com conhecimento direto dos eventos, eis o que realmente ocorreu.

Antes de começarmos, é preciso entender que a Zona de Identificação de Defesa Aérea de Washington D.C. (ADIZ) é um pedaço do espaço aéreo que circunda a capital. A partir do seu centro, a Área Especial de Regras de Voo alcança cerca de 48 quilômetros em qualquer direção, com a Zona de Restrição de Voo sendo uma bolha dentro da ADIZ, com um raio de aproximadamente metade dessa distância.

A ADIZ é mantida por muitos sensores em rede, mas díspares, incluindo vários radares, câmeras eletro-ópticas e infravermelhas e outros sensores passivos para vigiar de perto os céus da região em busca de possíveis ameaças. E sim, é mantida por sistemas de mísseis terra-ar NASAMS de médio alcance espalhados pela região, bem como sistemas de mísseis de curto alcance Avenger próximo a locais importantes. Além disso, os helicópteros MH-65 Dolphin, no Aeroporto Nacional Reagan, ficam alertas para interceptar alvos em movimento lento, enquanto os caças F-16C fazem o mesmo, na Base Aérea de Andrews, para os que se movem mais rapidamente.

 


Os caças F-16, totalmente armados e prontos para usar,ficam de prontidão na Base Aérea de Andrews. 
O pod de direcionamento LITENING é usado para a identificação visual ar-ar de longo alcance dos alvos.

Quarenta e oito quilômetros podem parecer muito, mas é tudo menos isso. Um jato subsônico viajando à velocidade de cruzeiro pode percorrer essa distância em menos de quatro minutos. Um avião leve monomotor pode fazê-lo em menos de quinze minutos. Se a ameaça, como um drone, já aparece dentro do espaço aéreo, esses tempos são reduzidos a nada. Os mísseis estão lá, em parte, porque pode ser impossível colocar um F-16 ou MH-65 no ar com rapidez suficiente para lidar com um invasor hostil. Assim, os defensores aéreos encarregados dessa missão incrivelmente desafiadora trabalham em segundos e quilômetros quando se trata de tempos de reação e tomada de decisão.

Tarefa difícil, com as maiores apostas imagináveis

Além disso, o sistema foi atualizado nos últimos anos, em áreas-chave, para poder detectar pequenas seções transversais de radar e alvos de movimento lento que estão fora das capacidades de detecção dos sistemas de radar mais tradicionais. Mais uma vez, todas essas fontes estão conectadas em rede para melhorar a fidelidade do processamento de destino, reduzir a chance de erros terríveis e fornecer aos operadores e comandantes a melhor informação possível no menor tempo.

Embora não seja incomum que as aves sejam a causa de alertas falsos várias vezes por mês nessa época do ano, o problema que ocorreu no dia 26 foi uma anomalia de radar que foi agravada por erro humano. Um dos radares que alimentam os dados no sistema de defesa aérea integrado criou o que é chamado de "sinal espelhado" de um avião inócuo e em contato, cujo transponder avisava estar sob as regras de voo visual (VFR). Como era um sinal espelhado apenas do transponder, não houve retorno primário do radar onde estava o sinal espelhado, então o sistema o destacou imediatamente e começou a apontar automaticamente sistemas de câmeras eletro-ópticas para validar o retorno e identificar o que realmente era.

Aparentemente, o sistema integrado de vigilância aérea da área de D.C. é tão bom que apenas o rastreamento do transponder, quando o radar também não tem um retorno físico, quase nunca ocorre. Mas, neste caso, era uma anomalia acontecendo dentro do sistema de radar, não o resultado da falta de cobertura ou fidelidade do radar.

Quando as câmeras apontaram para a localização do sinal espelhado, elas viram um avião real localizado aproximadamente ao longo do mesmo azimute que o sinal espelhado. A questão é que, como as câmeras não podem quantificar o alcance, validou que havia algo lá, mas, na realidade, esse avião não estava no alcance que o radar mostrava onde o sinal espelhado estava, ele estava muito mais distante. Em outras palavras, se um avião estivesse onde o sinal espelhado deveria estar, as câmeras teriam visto dois aviões, não apenas um. Como resultado dessa confusão, mais câmeras começaram a ser apontadas para o alvo automaticamente.

Nesse momento, o sinal espelhado desapareceu, de modo que as câmeras não tinham dados de radar automatizados para apontar. Operadores humanos assumiram o controle e começaram a varrer manualmente a área em busca de algo que não estava mais lá. Houve relatos de "bolhas" sendo vistas pelos operadores do sistema de defesa aérea durante a ocorrência. Nossas fontes deixaram claro que isso não é incomum, pois olhar para o céu com câmeras de longa distância focal resulta em bolhas, especialmente quando nuvens dispersas estão presentes. Simplesmente não há nada substancial ou definido para se olhar.


Um controlador de tráfego aéreo da Força Aérea trabalhando em seu terminal.

O tempo de detecção do sinal espelhado durou apenas alguns segundos antes que a imagem do radar voltasse ao normal. Aqueles que operavam diretamente o sistema de radar souberam imediatamente que era apenas uma falha/anomalia, mas, a essa altura, outros operadores apontavam suas câmeras para todos os lugares, tentando encontrar algo, e o incidente subia a escada de comando e controle. Como tal, os poderes não queriam desconsiderar a situação tão rapidamente. Lembre-se, literalmente, não há margem para erros quando se trata de combater uma ameaça real e a natureza das possíveis ameaças que os defensores do ar de Washington D.C. poderiam enfrentar evoluíram drasticamente nos últimos tempos. O que poderia parecer um bando de pássaros pode acabar sendo algo muito mais nefasto nos próximos anos.

Então, uma vez que as rodas estavam em movimento, era tarde demais para pará-las. Isso incluía impactos subsequentes, como travar em alvos de alto risco ao redor do Mall. Mas isso não é tão ruim, pois foi sobre ter certeza absoluta de que não havia nada no espaço aéreo que fosse uma ameaça, não sobre ser rápido no gatilho. O exato oposto, na verdade.

Também vale a pena notar que os sensores e os sistemas de suporte que permitem as ações de defesa aérea em torno de D.C. são muito capazes e continuam a ser atualizados, mas como qualquer sistema complexo de sistema, algumas peças permanecem um pouco defasadas em termos de tecnologia de ponta. O sistema só vai melhorar com o tempo e, no final, as pessoas precisam interpretar as informações e tomar as melhores decisões possíveis. Considerando o poder de fogo à sua disposição em uma densa área urbana, eles fizeram um bom trabalho ao longo dos anos para garantir que ninguém se machuque por causa de imperfeições inevitáveis nos sistemas mecânicos e no software em que são executados.

Essa deve ser a conclusão final: por mais avançado que seja um sistema mecânico ou a arquitetura maior com a qual ele esteja incorporado, ele tem o potencial de ser imperfeito. Os humanos constroem esses sistemas e escrevem o código para seus softwares, e somos falíveis. Acima de tudo, a vigilância aérea e a defesa aérea estão longe de ser uma ciência perfeita, como sempre salientamos. A percepção de uma pessoa comum de que isso é significativamente diferente está tão fora da realidade que, às vezes, é bastante frustrante. No final, tudo se resume ao treinamento e à experiência daqueles que operam esses sistemas e que seriam forçados a tomar decisões muito difíceis em períodos muito curtos, como resultado dos dados fornecidos.

Assim, enquanto o sistema mecânico falhou momentaneamente em menor grau, o sistema humano geral prevaleceu onde mais importava.

Fonte: The Drive por Tyler Rogoway, Tradução por Tunguska

 

Já está no ar a Edição 274 da Revista UFO. Aproveite!

Novembro de 2019

Anunnakis nas Américas