DESTAQUE

Rosetta encontra módulo Philae na superfície de cometa

Por
10 de Setembro de 2016
Superfície do cometa 67P com o módulo Philae no canto direito ao centro
Créditos: ESA

A espetacular missão Rosetta da Agência Espacial Europeia (ESA) terá seu digno final no próximo 30 de setembro. Mesmo sem ter sido projetada para isso, a nave principal está sendo lentamente conduzida para um toque suave na superfície do cometa 67P/Churyumov-Gerasimenko, onde, de acordo com os responsáveis pela missão, residirá para sempre como um monumento à engenhosidade e eterna busca pelo conhecimento pela humanidade. Mas restava um último feito histórico, e ele aconteceu no último dia 05 de setembro, quando imagens tomadas pelas câmeras da Rosetta finalmente encontraram o local de pouso do módulo Philae.

Em um dos mais extraordinários feitos da Era Espacial, Philae foi liberado pela Rosetta em 12 de novembro de 2014 para um histórico pouso no 67P. Sabe-se que o pequeno módulo quicou na superfície por três vezes devido à falha nos arpões que deveriam fixá-lo, e finalmente parou em posição desfavorável para obter energia em seus painéis solares. Mesmo funcionando com a força das baterias por somente 60 horas, Philae enviou muitas informações, permitindo inclusive descobrir a presença de moléculas orgânicas na superfície do cometa (mas nunca de condições favoráveis à vida, conforme alguns mistificadores tentaram explorar e comentamos nos links abaixo).

Em junho de 2015 houve mais um contato do Philae, mas desde então os contatos foram intermitentes e em julho último a ESA declarou o fim da missão do módulo. No anúncio do último dia 05 a agência revelou fotos que mostram como o módulo ficou orientado de lado em uma fenda escura na superfície do cometa. Diante da posição do Philae se revela evidente porque encontrá-lo foi tão difícil e também comprova porque ele não obteve energia solar suficiente para funcionar. As imagens foram tomadas a somente 2,7 km de distância e as buscas iniciadas logo após o pouso foram concentradas graças às transmissões do Philae durante sua conturbada aterrissagem. Depois de muito vasculhar as áreas candidatas o módulo foi finalmente encontrado.

crédito: ESA
O Philae repousando de lado em uma fenda no cometa 67P
O Philae repousando de lado em uma fenda no cometa 67P

MISSÃO HISTÓRICA

A cientista Cecília Tubiana, da equipe da câmera Osiris da Rosetta e primeira pessoa a ver o módulo, comentou: "Com somente um mês para o final da missão da Rosetta, estamos felizes por finalmente encontrar Philae e o observar em tantos detalhes. Ele estava oculto na sombra, mas assim que aumentamos o brilho das imagens o encontramos!". Em sua descida final no dia 30 de setembro, a Rosetta ainda aproveitará para investigar o cometa de muito perto, incluindo uma série de poços abertos em uma região batizada de Ma´at, onde os cientistas esperam obter dados sobre a estrutura interna do corpo celeste. A nave poderá também obter novas fotos de Philae e seu pouso deverá ser semelhante ao da Near Shoemaker, da NASA, que também não era projetada para isso mas conseguiu pouscar no asteroide Eros 433 em 12 de fevereiro de 2001. Será um final adequado para uma das mais espetaculares missões espaciais da história.

crédito: ESA
Sequência de imagens da descoberta de Philae
Sequência de imagens da descoberta de Philae

Visite o site da missão Rosetta-Philae

Blog da missão

Confira o filme Ambition baseado na missão Rosetta

Assista a um documentário sobre a missão

Nave Rosetta tem histórico encontro com um cometa

Sonda europeia realiza histórico pouso em cometa

Módulo Philae retoma contato com nave Rosetta

Simulação das condições em cometas encontra moléculas essenciais à vida

Cientistas teriam encontrado condições favoráveis à vida em cometa

Nave Rosetta acompanha cometa na maior aproximação com o Sol

Saiba mais:

Livro: Dossiê Cometa

DVD: Buscando Vida Fora da Terra

crédito: Revista UFO
Buscando Vida Fora da Terra
Buscando Vida Fora da Terra

Enquanto cientistas de diversas áreas buscam respostas para a origem e o futuro da humanidade terrestre, a exobiologia vasculha vastas regiões do universo à procura de outras formas de vida. Com exuberantes imagens obtidas pela NASA e usando avançados recursos de computação gráfica, este documentário mostra como seriam as espécies que encontraremos no espaço e deixa claro que esta é apenas uma questão de tempo.

Já está no ar a Edição 237 da Revista UFO. Aproveite!

Agosto de 2016

Visões diferentes para a mesma questão