DESTAQUE

Rocha incomum é detectada no lado distante da Lua por sonda da China

Por
17 de Fevereiro de 2021
O rover Yutu-2 fez uma descoberta interessante no lado distante da Lua.
Créditos: CNSA

O módulo de pouso Chang’e 4 e o rover Yutu-2 retomaram as operações em 06 de fevereiro após hibernarem durante uma noite fria de luar, de acordo com a mídia estatal chinesa Xinhua. Mas um dia lunar antes, o rover encontrou um curioso espécime de rocha que a equipe do Yutu-2 começou a chamar de “O Marco”. De acordo com o Diário do Yutu-2, publicado pelo canal de notícias da China afiliado à Administração Espacial Nacional da China (CNSA), os cientistas da missão acreditam que a rocha oblonga merece um olhar mais atento.

A equipe planejou abordar e analisar cuidadosamente a rocha com o Espectrômetro de Imagem Visível e Infravermelho do Yutu-2 (VNIS), que captura a luz que se espalha ou reflete nos materiais para revelar sua composição. O VNIS foi usado para investigar uma série de rochas e amostras de regolito ao longo do caminho do Yutu- 2 através da cratera Von Karman. Isso inclui espécimes incomuns de vidro derretido e possivelmente material do manto lunar.

A descoberta não parece particularmente entusiasmante para um leigo, mas despertou interesse entre os cientistas. Dan Moriarty, um cientista do programa da NASA no Goddard Space Flight Center, em Greenbelt, Maryland, disse: “Parece ter a forma de um estilhaço se projetando do chão. É definitivamente incomum. Impactos repetitivos, tensões do ciclo de calor e outras formas de intemperismo na superfície lunar podem fazer com que as rochas se quebrem em formas mais ou menos ‘esféricas’, se for dado tempo suficiente. Pense em como as praias rochosas transformam as rochas em formas suaves e circulares ao longo do tempo devido ao impacto repetido das ondas.”

Moriarty disse que tanto a forma semelhante a um estilhaço quanto a crista pronunciada que corre ao longo de sua borda parecem indicar que se trata de um mineral geologicamente jovem e que chegou lá há relativamente pouco tempo: “Eu definitivamente acho que sua origem foi uma liberação de impacto de alguma cratera próxima. É possível que uma rocha com esta relação de aspecto possa ter sido formada por um processo conhecido como cisalhamento, quando alguns dos fragmentos do solo são ejetados da superfície próxima sem serem submetidos a uma forte pressão de impacto.”


“O Marco”, visto pelo rover Yutu-2. As imagens obtidas ainda não foram precisas o suficiente para uma análise detalhada.
Fonte: CNSA

Pesquisas subsequentes com o VNIS fornecerão uma compreensão muito mais profunda. Clive Neal, um dos principais especialistas lunares da Universidade de Notre Dame, concorda que as imagens parecem representar amostras de descargas de impacto e não rochas afloradas. Ele disse: “Minha pergunta é: ela é de origem local? Com sorte, os dados espectrais nos permitirão avaliar a origem do material – local ou externo, ou seja, de fora dessa área.”

O rover Yutu-2 e o módulo de pouso Chang’e-4 já excederam significativamente seus tempos de vida de 90 dias terrestres e um ano, respectivamente. Desde o lançamento do módulo de pouso em 03 de janeiro de 2019, o rover percorreu um total de 628m.

Fonte

Já está no ar a Edição 277 da Revista UFO. Aproveite!

Fevereiro de 2020

UFOs no espaço até a Lua