DESTAQUE

Rios de Titã são mais profundos do que se pensava e podem conter vida

Por
23 de Outubro de 2021
Os maiores mares de Titã têm centenas de metros de profundidade e centenas de quilômetros de largura.
Créditos: aas

Um estudo das formas dos rios de hidrocarbonetos fluindo na superfície de uma lua a cerca de 1.2 milhão de quilômetros de Saturno gerou esperanças de que alguma forma estranha de vida possa existir lá.

Cientistas em busca de vida além da Terra se concentram na água – especialmente na superfície – em planetas distantes. Isso exclui corpos como Marte e a Lua, que não têm água superficial detectável. Mas Titã, uma lua de Saturno com aproximadamente metade do tamanho da Terra, tem líquidos fluindo livremente em sua superfície. Embora lá os rios e lagos estejam cheios de hidrocarbonetos em vez de água, observações recentes da sonda Cassini, da NASA, sugerem que eles são muito mais profundos do que se pensava inicialmente, aumentando a esperança de que eles possam hospedar alguma forma de vida.

Qualquer vida que encontrarmos lá seria muito diferente do organismo que encontramos na Terra – até mesmo mais estranhos – mas os cientistas estão cada vez mais otimistas de que os seres vivos poderiam ter evoluído em Titã. Andrew Coates, chefe do Grupo de Ciência Planetária do Laboratório de Ciências Espaciais Mullard da University College London disse: “A missão [Cassini] mudou a maneira como pensamos onde a vida pode ter se desenvolvido além de nossa Terra.”

“Luas de planetas externos como Encélado, Europa e até Titã são agora os principais candidatos à vida em outros lugares. Reescrevemos completamente os livros didáticos sobre Saturno”, continuou. Astrônomos da Universidade Cornell descobriram as profundezas dos cursos d’água comparando seus meandros e curvas com os vales dos rios aqui na Terra.


Imagens da sonda Cassini revelam deltas de rios que podem estar espalhando material orgânico pela superfície de Titã.
Fonte: aas

O coautor do estudo, Alex Hayes, disse que os rios desenvolvidos podem estar movendo sedimentos ao redor da superfície de Titã: “Os sistemas de canais são o coração das vias de transporte de sedimentos de Titã. As formas dos canais informam como o material orgânico é encaminhado em torno da superfície da lua e identifica os locais onde o material pode estar concentrado próximo a características tectônicas ou talvez até criovulcânicas.”

“Além disso, esses materiais podem ser enviados para o interior do oceano de água líquida de Titã ou, alternativamente, misturados com água líquida que é transportada até a superfície”, conclui. O primeiro módulo de pouso a explorar a superfície de Titã será a missão Dragonfly, da NASA – um mini helicóptero que deverá pousar na lua congelada de Saturno em meados de 2030. Este poderá ser o primeiro encontro da humanidade com uma forma de vida verdadeiramente alienígena.

Fonte

Já está no ar a Edição 285 da Revista UFO. Aproveite!

Junho de 2021

Quando eles são hostis aos humanos