NOTÍCIA

Quem foi Kenneth Arnold?

Por Reinaldo Stabolito | 06 de Junho de 2010

Foto histórica em que Arnold aparece ao lado de seu avião
Créditos: Arquivo

Quem foi Kenneth Arnold?

Kenneth Arnold, um piloto privado da Sociedade de Fabricação e Instalação de Material de Incêndios da Grande Oeste, com sede em Boise, Idaho, onde era muito conhecido e querido, gozava da reputação de homem de negócios empreendedor e sério. Em 24 de junho de 1947, Arnold estava sobrevoando entre Chehalis e Yakima, em Washington, a procura dos destroços de um avião militar caído no Monte Rainier.Por volta das 15h00, Arnold contemplou nove objetos voadores que não pôde identificar, os quais se deslocavam em formação e a altíssima velocidades. Seu relato deu a volta ao mundo e iniciou a chamada Era Moderna dos Discos Voadores – uma grande explosão mundial de avistamentos de UFOs e o conhecimento público do fenômeno. O próprio Arnold relatou os detalhes do seu espetacular momento em que avistou o fenômeno, durante o International UFO Congress, em Chicago, ocorrido nos dias 24 a 26 de junho de 1977. A transcrição da palestra ministrada por ele foi realizada pelo pesquisador espanhol Antonio Ribera:

"Na época eu era um dos fundadores da Associação de Pilotos de Procura e Resgate de Idaho", contou Arnold. "Naquela data" – 24 de junho – "tinha contemplado aproximadamente quatro mil horas de vôos sobre as montanhas, em missões de procura e resgate. O motivo de estar voando muito próximo do Monte Rainier era o fato de que, aproximadamente um mês e meio antes, um avião de transporte C-46N, do Corpo de Infantaria da Marinha dos Estados Unidos, tinha batido no lado sudeste de tal monte. Supunha-se que os 32 tripulantes tinham morrido no acidente e os familiares dos mesmos tinham oferecido uma recompensa de cinco mil dólares para aquele que conseguisse localizar o avião sinistrado e, assim, facilitar a recuperação dos cadáveres. Decolei de Chehalis por volta das três da tarde. Era um belo dia e não havia nenhuma nuvem sequer no céu". Ele aproximou-se do Monte Rainier voando a 11.000 pés, cerca de 3.350 metros. “Enquanto efetuava um giro de 180 graus e voava diretamente em direção ao Monte Rainier. De repente notei que uma tremenda luz apareceu no céu. Ela iluminou o meu avião por completo, inclusive a cabine e me assustei. Pensei que estivesse a ponto de bater em outro avião que não tinha visto. Aquela luz muito brilhante, quase tão potente quanto a luminosidade do sol, provinha de um grupo de objetos que estavam longe, na direção norte do monte, na zona do Monte Baker, que está quase na linha do Monte Rainier e o Monte Adams. Vi uma fileira de estranhas aeronaves que se aproximavam com grande rapidez”.

No relato Arnold comparou a formação com a cauda de um cometa chinês. “A formação de vôo era em diagonal. Mas, ao observar os objetos que se destacavam sobre o céu e sobre a neve do Monte Rainier, conforme se aproximavam, não consegui diferenciar as caudas neles. Eu nunca tinha visto um avião sem cauda. Aqueles objetos eram de um tamanho considerável e eu consegui contar nove deles". "As luzes brilhantes que surgiam de sua superfície e que, a princípio, achei que fossem reflexos do sol, eram pulsantes e, ao mesmo tempo, as naves balançavam ostensivamente em seu vôo. As naves também pareciam voar tão facilmente de lado como na posição plana. Os objetos pareceram ascender um pouco enquanto seguiam o rumo dos 170 graus e, então, compreendi que estava na mesma altitude deles porque ambos estávamos no horizonte. O altímetro do avião assinalava em torno de 9.200 pés, cerca de 2.800 metros, o que quer dizer que eles voavam a esta altitude, um pouco mais ou menos. Calculei que seus surpreendente diâmetros eram de uns 30 metros e, logicamente, muito me surpreendeu que não tivessem cauda. Pude ver muito bem sua imagem através da sombra que faziam na neve".

Os objetos emitiam luzes fortes e pareciam ser completamente redondos. “Quando se mostravam de lado ou plano, era perceptível alguns detalhes, como o fato de serem muito finos, pois chegavam a desaparecer de minha vista atrás de uma aguda projeção do Monte Rainier, sob pequenas rajadas de vento. Mas como eu conhecia aproximadamente minha situação com relação à montanha, sabia onde tinham passado. Meu cálculo da distância e minha cronometragem me permitiram especular, dentro de uma margem razoável de erro, suas velocidades. Motivo pelo qual estava certo de que aquela estranha formação de objetos desconhecidos voavam a mais de mil milhas por hora (mais de 1.600 quilômetros por hora)". "Quando terminaram de sobrevoar Goat Ridge, o segundo objeto a partir do final da formação pareceu voltar sua parte superior na minha direção. Então pude ver que o objeto não era redondo realmente. A julgar pelas manobras que efetuavam, pensei que, se houvesse seres humanos neles, eles certamente teriam ficado esmagados na primeira virada, porque aqueles aparelhos voavam com muita velocidade e de uma forma muito caprichosa. E pela forma que mudavam de direção quase instantaneamente, a força centrífuga devia ser terrorífica".

A descrição de Kenneth Arnold é muito mais extensa, mas não é necessário reproduzi-la por completo. A difusão que a imprensa deu à notícia despertou o interesse mundial pelos UFOs. E foi um jornalista, Bill Bequette, da United Press, quem popularizou o termo disco voador, ao interpretar a resposta que Arnold concedeu a uma de suas perguntas: "Voavam de uma forma caprichosa" – respondeu Arnold – "como quando é lançado um disco sobre a água, que vai quicando sobre ela...". Os telegramas das agências de notícias foram publicados em mais de 150 jornais dos Estados Unidos. E, antes de transcorrido um mês, as notícias sobre observações de objetos semelhantes proliferaram pelos cinco continentes. Reinaldo Stabolito é ufólogo e Coordenador Geral do Instituto Nacional de Investigação de Fenômenos Aeroespaciais (INFA).

Compartilhe essa notícia:

Comentários