NOTÍCIA

Pumapunku foi construída com geopolímeros artificiais, comprova novo estudo

Por Mel Polidori | 11 de Março de 2019

Templo de Kalasasaya, Tiahuanaco
Créditos: fineartamerica.com

Pumapunku foi construída com geopolímeros artificiais, comprova novo estudo

O estudo realizado nas pedras monumentais que constituem o sítio de Pumapunku, em Tiahuanaco, na Bolívia, prova que as pedras são artificiais e não esculpidas como se imaginava. O estudo sugere que seja o gênio humano, explorando inteligentemente os recursos de seu ambiente, que criou essas maravilhas.

Tiahuanaco, no Lago Titicaca, é uma vila conhecida em todo o mundo pelo seu misterioso Portão do Sol, ruínas dos templos e sua pirâmide. Os arqueólogos consideram que esse local foi construído bem antes dos Incas, cerca de 600 a 700 d.C. O local de Pumapunku fica ao lado das ruínas de um enigmático templo piramidal construído ao mesmo tempo. Porque não é restaurado e desenvolvido para a atividade turística, é menos conhecido do público em geral. 

Altiplano dos Andes da América do Sul com Tiwanaku (Portão do Sol) / Pumapunku.

No entanto, há duas curiosidades arquitetônicas: quatro terraços gigantes de arenito vermelho pesando entre 130 e 180 toneladas e pequenos blocos de andesito, uma pedra vulcânica extremamente dura, cujas formas complexas e precisão milimétrica são incompatíveis com a tecnologia da época. 

Pelo que indica a arqueologia, os Tiwanakans tinham apenas ferramentas de pedra e nenhum metal duro o suficiente para esculpir a rocha, mas eles teriam esculpido os gigantescos blocos de arenito vermelho (esses blocos antigos são os maiores de todo o continente americano).

E eles foram capazes de transportar essas centenas de toneladas no local e, em seguida, ajustá-los com precisão. Além disso, eles teriam sido capazes de esculpir outros blocos menores feitos de andesito vulcânico, uma pedra impossível de esculpir com um acabamento incrível. Os arqueólogos não podem dar explicações racionais sobre como isso era possível. Portanto, para o público em geral, as suposições geralmente avançadas para explicar essas maravilhas são a conquista de uma supercivilização antiga perdida ou do envolvimento de alienígenas. 

Visão geral de Pumapunku

Em novembro de 2017, os cientistas coletaram amostras no arenito vermelho e no andesito do sítio de Pumapunku. Pela primeira vez, essas pedras foram analisadas sob o microscópio eletrônico e isso nunca havia sido feito antes. Eles descobriram a natureza artificial das pedras. Comparam as pedras dos monumentos com os recursos geológicos locais e encontraram muitas diferenças.

A rocha andesítica é uma pedra vulcânica do magma, composta principalmente de sílica na forma de feldspato plagioclásio, anfibólio e piroxena. Mas os cientistas descobriram a presença de uma matéria orgânica baseada no carbono. Matéria orgânica baseada em carbono não existe em uma rocha vulcânica formada em altas temperaturas porque é vaporizada. É impossível encontrá-la na rocha andesítica. 

E porque encontraram matéria orgânica dentro da pedra vulcânica andesítica, os cientistas terão a oportunidade de realizar uma análise de datação por carbono-14 e fornecer a idade exata dos monumentos.  Este elemento orgânico é um geopolímero baseado em ácidos carboxílicos que foi, portanto, adicionado por intervenção humana em areia de andesito para formar um tipo de cimento.

Estruturas intrigantes feitas de pedra de andesito vulcânica

Os blocos gigantes de arenito vermelho levantam outro problema. O arenito é uma rocha sedimentar composta de grãos de quartzo e uma liga de argila. Existem várias fontes geológicas possíveis, mas nenhuma corresponde às pedras dos monumentos arqueológicos.  Nenhuma pedreira conhecida é capaz de fornecer blocos maciços de 10 metros de comprimento. Além disso, a pedra local é friável e pequena em tamanho. 

Os cientistas descobriram sob o microscópio eletrônico que o arenito vermelho de Pumapunku não pode vir da região porque contém elementos, como o carbonato de sódio, não encontrados na geologia local. Portanto, de onde vem a pedra? De centenas a milhares de quilômetros? Com que meios eles foram transportados? O que é essa tecnologia dominada pelos Tiwanakans? 

Pedras artificiais foram formadas como cimento. Mas, não é um cimento moderno, é um cimento geológico natural obtido pela geossíntese. Para isso, eles pegaram pedras naturalmente friáveis e erodidas como arenito vermelho da montanha próxima, por um lado, e, por outro, um tufo vulcânico inconsolidado do vulcão Cerro Kapia, no Peru, para formar andesito. 

As 4 lajes de arenito vermelho megalítico da plataforma de Pumapunku, desenho, dimensões e peso estimados dos 4 monólitos.

Eles criaram cimento ou argila (a mesma argila vermelha que os tiwuanakans usavam para cerâmica) e sais de carbonato de sódio de Laguna Cachi, no deserto do Altiplano, ao sul, para formar arenito vermelho. Para andesito cinza, eles inventaram um aglutinante organo-mineral baseado em ácidos orgânicos naturais extraídos de plantas locais e outros reagentes naturais. Este cimento foi então vertido em moldes e endurecido durante alguns meses. 

Sem um conhecimento profundo da química geopolimérica, que estuda a formação dessas rochas por geossíntese, é difícil reconhecer a natureza artificial das rochas. Essa química não é uma extensão do conhecimento dos Tiwanakans em cerâmicas, aglutinantes minerais, pigmentos e acima de tudo um excelente conhecimento do seu ambiente. Sem a seleção de boas matérias-primas, esses monumentos extraordinários não poderiam ter sido criados há 1.400 anos.

Finalmente, esta descoberta científica confirma lendas locais que dizem: "As pedras foram feitas com extratos de plantas capazes de amaciar a pedra." Essa explicação sempre foi rejeitada pelos arqueólogos porque não fazia sentido. As evidências fornecidas pela equipe de cientistas da França e do Peru mostram que a tradição oral estava certa: eles fizeram pedras moles que poderiam endurecer.  Tiwanakuans eram seres humanos muito inteligentes. Eles conheciam perfeitamente o ambiente e sabiam explorar os recursos trazidos pela natureza.

Além da análise de datação por carbono-14, mais estudos serão realizados em breve para determinar se certos monumentos da região de Cuzco, no Peru, foram construídos com o mesmo conhecimento científico.

Acesse ao artigo completo da Science Direct aqui.

Assista aqui o documentario do Canal Antigos Arquitetos legendado pela Revista UFO:

Fonte: Canal João Marcelo, Tunguska legendas, Science Direct

Veja mais:

Bob Lazar diz como funcionava o disco voador da Área 51

Pesquisadores procuram por emissões a laser de megaestrutura alienígena

A Lei Física é uma Inteligência Alienígena?

Primeiro relato oficial de UFOs em aeroporto do Peru

Estudos indicam a existência de nono planeta no Sistema Solar

Titã, lua de Saturno, pode abrigar vida alienígena, diz cientista da NASA

UFOs filmados na Estação Espacial Internacional: mais uma fraude revelada

Pesquisadora australiana garante que abduções visam à criação de híbridos

Compartilhe essa notícia:

Saiba mais sobre este assunto na edição 265 da revista

Comentários