DESTAQUE

Projeto Gateway: humanos de volta à Lua em breve?

Por
02 de Setembro de 2019
Habitat inflável do BA 330 para o espaço, construído na Bigelow Aerospace em North Las Vegas.
Créditos: KLAS

A NASA estão testando uma nova tecnologia que pode nos levar de volta à Lua e talvez a Marte. O projeto se chama Gateway e uma das empresas cotadas para construir uma estação espacial é a Bigelow Aerospace. George Knapp viu a sonda na NASA e revela, em primeira mão, detalhes do projeto em sua entrevista com Robert Bigelow.

O projeto Gateway da NASA quer construir uma estação orbital na Lua até 2024, e uma das quatro empresas consideradas para essa estação é a Bigelow Aerospace, no norte de Las Vegas.

 

O jornalista do I- Team George Knapp teve uma visão exclusiva da espaçonave sendo examinada pela equipe da NASA. Parece estranho dizer isso, mas um dos maiores problemas com o espaço é que não há espaço suficiente lá em cima - espaço para viver e trabalhar.

Foram necessários 45 lançamentos para montar todas as peças que compõem a Estação Espacial Internacional, a um custo de dezenas de bilhões de dólares. E se você pudesse criar um habitat maior e mais seguro ao redor da Lua com apenas um ou dois lançamentos? Verificar uma espaçonave expansível é uma das razões pelas quais uma equipe tão grande da NASA está em Las Vegas agora.

“Uma das coisas que todos os astronautas que já chegaram a esse habitat nos disseram é que eles estão impressionados com o espaço real. Quero dizer, é como um apartamento muito grande”, disse o Dr. Colm Kelleher, cientista da Bigelow Aerospace.

O Dr. Colm Kelleher é o cientista encarregado de desenvolver sistemas de suporte de vida para o BA 330, a sonda foi examinada e testada esta semana por dezenas de engenheiros da NASA para descobrir se será escolhida para o projeto Gateway. Uma vez lançados no espaço, os tanques de ar comprimido permitem a expansão do BA 330, proporcionando a uma futura tripulação mais espaço para viver e trabalhar. Esta nave poderia funcionar como uma estação orbital acima da Lua ou como habitat na superfície lunar.

“Esta é uma espaçonave autônoma. Realmente não depende de mais nada e pode orbitar a Lua, ou pode estar em LEO (órbita baixa da Terra) ou poderia realmente ser usada no caminho para Marte. É tremendamente versátil”, disse Kelleher.

As equipes da NASA já fizeram o checkout de sistemas construídos por três grandes concorrentes do setor aeroespacial. Bigelow Aerospace é o candidato final a ser inspecionado. O feedback - até agora - foi positivo.

"Até agora, as equipes da NASA estavam muito entusiasmadas com a chance de estar dentro dos 300", disse Blair Bigelow, porta-voz da Bigelow Aerospace.

Blair Bigelow fica em frente ao Olympus na Bigelow Aerospace, no norte de Las Vegas. (KLAS)

Blair Bigelow, neta do fundador da empresa, está diante de um projeto futuro, o Olympus, uma versão ainda maior da mesma tecnologia expansível. A empresa lançou duas naves menores em órbita há mais de uma década. Uma terceira versão está atualmente anexada à Estação Espacial Internacional e excedeu as expectativas de desempenho. Diferentemente de seus concorrentes, a empresa desenvolveu essas espaçonaves por conta própria, e não por incentivos governamentais.

"É muito emocionante, e é porque temos cerca de 50 pessoas da NASA aqui toda esta semana. Estamos sendo pressionados a ser mais evidentes e mostrar imagens do que fazemos, e não ser tão secretos. Então, estamos tentando sair da caixa" - disse Bigelow.

A propensão de Bigelow ao sigilo decorre, em parte, da ameaça real da espionagem industrial. Em outras partes da fábrica, uma versão funcional de sua última espaçonave está em construção, mas só é permitido mostrar os astronautas dos manequins pairando em torno dela porque a tecnologia interna é nova e exclusiva. Embora ele esteja competindo contra gigantes aeroespaciais, Bigelow está confiante de que sua tecnologia expansível pode prevalecer porque, ele diz, é mais segura, mais barata e muito mais versátil do que qualquer outra coisa.

Robert Bigelow, presidente da Bigelow Aerospace, conversa com o repórter do 8 News Now, George Knapp. (KLAS)

“Portanto, ele não apenas possui uma tremenda largura de banda de diferentes usos na órbita baixa da Terra, cerca de 25 tipos diferentes de usos, como talvez um dormitório. Um seria o cultivo de alimentos, cerca de 25 tipos diferentes de usos. E então definitivamente pode ser um depósito lunar”, disse Bigelow.

A versão sendo testada pela NASA é maior do que parece. No espaço, os níveis do piso não existiriam, mas há estações de trabalho onde os veículos lunares podem ser controlados, onde rochas da Lua ou amostras de solo podem ser examinadas, alojamento da tripulação, enfermaria e duas vezes mais banheiros do que qualquer outro rival. Se funcionar para o projeto Gateway, também poderá funcionar para uma missão em Marte.

“O objetivo original de construir um transporte viável até Marte. É por isso que essa tecnologia existe”, disse Blair Bigelow. “Foi assim que foi originalmente concebido. E ainda é algo em que acreditamos ser possível hoje.

 Veja a entrevista legendada aqui:



Fonte: 8newsnow.com, Canal João Marcelo e Tunguska Legendas

Já está no ar a Edição 271 da Revista UFO. Aproveite!

Agosto de 2019

Abdução em Pascagoula