DESTAQUE

Programa espacial chinês avança com jipe atômico que irá à Lua

Por
06 de Março de 2007
Robô vai explorar o solo do nosso satélite a partir de 2012. Ele está sendo testado em laboratório que simula as condições lunares
Créditos: Divulgação

Robô vai explorar o solo do nosso satélite a partir de 2012. Ele está sendo testado em laboratório que simula as condições lunares.

Cientistas em Xangai estão desenvolvendo um jipe lunar impulsionado por energia atômica para a primeira missão não-tripulada do país à superfície da Lua, em 2012. A informação foi divulgada por jornais locais nesta segunda-feira (02).

O veículo, que ainda não foi batizado, tem seis rodas e esteve sob desenvolvimento nos últimos quatro anos em um laboratório desenvolvido especialmente para reproduzir as condições lunares, do Instituto de Engenharia de Sistemas Aerospaciais de Xangai.

Com 1,5 metro de altura e 200 quilos de peso, o jipe transmitirá vídeos em tempo real para a Terra, escavará e analisará amostras do solo e produzirá imagens tridimensionais da superfície lunar. Com a capacidade de atingir até 100 metros por hora de velocidade, ele terá sensores automáticos para evitar colisões com outros objetos.

Nas fotografias, o jipe chinês lembra bastante os robôs Spirit e Opportunity, da Nasa, que estão operando em Marte desde 2003. Diferentemente dos jipes americanos, no entanto, o modelo chinês vai operar a partir de uma fonte nuclear, para garantir um suprimento de energia constante.

Os pesquisadores ainda estão dando últimos retoques na capacidade do robô de trabalhar em baixa gravidade, exposto a raios cósmicos e a temperaturas extremas. Eles ainda planejam construir um laboratório ainda mais sofisticado para testar essas condições.

O instituto é parte do programa espacial chinês, ligado às Forças Armadas, que já enviou duas missões ao espaço. A terceira está marcada para 2008 e envolverá a primeira caminhada espacial do país.

Ainda em 2007, uma nave não-tripulada será enviada para orbitar a Lua. Será o primeiro de três passos do projeto lunar chinês. O segundo é a missão não-tripulada que pousará no satélite. A viagem com astronautas do país ocorrerá um pouco depois de 2017.