DESTAQUE

Programa de descobertas da NASA propõe nova missão para Vênus, o planeta irmão da Terra

Por
18 de Julho de 2020
Missão Veritas estudará o planeta Vênus
Créditos: EarthSky.org

Nova missão da NASA propõe estudo aprofundado de Vênus para entender porque o planeta se diferenciou tanto da Terra em sua evolução.

Sempre brilhante por boa parte do ano, Vênus também conhecido como Estrela D'Alva e Estrela da Manhã, vem fascinando a imaginação humana há milênios, justamente pelo brilho e tamanho que adquire em determinadas épocas. A mistica do planeta é tão grande que a ele foi associada a deusa clássica do amor e da beleza, que lhe empresta o nome.

Mas, como é o planeta para além da mistica, como é sua superfície e principalmente porque, sendo tão parecido com a Terra teve um destino tão diferente, são perguntas para as quais ainda não há respostas concretas.

Vênus é o nosso vizinho planetário mais próximo e tem aproximadamente o mesmo tamanho e densidade que nosso planeta, mas, tirando disso, Vênus é um mundo muito diferente e hostil. 


Conceito artístico do vulcão ativo em Vênus e uma zona de subducção
Crédito: NASA/JLP Caltech

Enquanto a Terra é um jardim, ele é quente o suficiente para derreter o chumbo. Os cientistas pensam que Vênus costumava ser mais parecido com a Terra alguns bilhões de anos atrás, quando o Sistema Solar era mais jovem. 

Aconteceu algo que alterou seu curso evolutivo para sempre, mas exatamente o que foi ainda não é bem entendido. De alguma forma, Vênus mudou de um mundo clemente, possivelmente com oceanos, para o buraco infernal e coberto de nuvens que conhecemos hoje. 

Agora, uma nova missão proposta da NASA, chamada Veritas estudará, se aceita, a geologia de Vênus, tanto abaixo como na superfície. Ele tentará responder a perguntas fundamentais sobre como esse mundo acabou sendo tão diferente do nosso.

Rochoso, venenoso e quente


Vista em perspectiva do vulcão Maat , em Vênus, com base em imagens de radar da sonda Magalhães
Crédito: NASA

Vênus é um mundo rochoso como a Terra, mas sua superfície é completamente obscurecida por uma atmosfera densa e espessa de dióxido de carbono. As temperaturas na superfície nunca caem abaixo de 500 °C, e a pressão, semelhante à profunda nos oceanos da Terra, rapidamente esmagaria os seres humanos. 

As nuvens contêm ácido sulfúrico e qualquer um concordaria que não é exatamente o lugar mais hospitaleiro do Sistema Solar. E tudo fica ainda pior em sua atmosfera alta.

A missão Veritas olhará através das nuvens densas com radar e um espectrômetro de infravermelho próximo, para criar mapas globais em 3D do planeta e analisar a composição da superfície. O que nós já sabemos é que a maior parte da superfície é de feita de basalto vulcânico. 

Ao medir o campo gravitacional de Vênus, a Veritas também poderá determinar a estrutura do interior do planeta e fornecer a análise mais detalhada daquele mundo já obtida por uma espaçonave em órbita. Se selecionado, o projeto Veritas será lançado em 2026.

Fonte: EarthSky.org

Já está no ar a Edição 276 da Revista UFO. Aproveite!

Janeiro de 2020

A Ufologia e seus demônios