DESTAQUE

Ponto para a Ufologia: Marinha dos EUA reconhece oficialmente que UFOs são reais

Por
18 de Setembro de 2019
Ilustração
Créditos: Rafael Amorim/UFO

A Marinha dos EUA acaba de confirmar que três vídeos relacionados a avistamentos de objetos voadores por pilotos militares realmente representam o que eles chamam de "fenômenos aéreos não identificados" ou UAPs. Originalmente lançados pelo New York Times e pela Academia de Artes e Ciências To The Stars (TTSA), a partir de dezembro de 2017, os três vídeos são conhecidos como "FLIR1" ou "TIC TAC", "Gimbal" e "GoFast" (o terceiro sendo lançado em março de 2018). 


Video do FLIR 1 ou TIC TAC de 2004, a bordo do USS NIMITZ

De acordo com a série Unidentified da TTSA, os clipes representam: “... a primeira evidência oficial divulgada pelo governo dos EUA que pode ser legitimamente designada como credível e autêntica confirmação de que os fenômenos aéreos não identificados (UFOs) são reais.” A posição oficial da Marinha confirma as alegações da TTSA, pelo menos em parte.


Gimbal é o primeiro de três vídeos militares dos EUA de fenômeno aéreo não identificado (UAP)

"A Marinha designa os objetos contidos nesses vídeos como fenômenos aéreos não identificados", disse Joseph Gradisher, porta-voz oficial do vice-chefe de Operações de Guerra Naval. 

Quando perguntado por que a expressão "UAP" é agora utilizada pela Marinha dos EUA, e não "UFO", Gradisher acrescentou: "A terminologia 'Fenômenos aéreos não identificados' é usada porque fornece o descritor básico para avistamentos e observações de aeronaves e objetos voadores não autorizados ou não identificados, que foram observados entrando  ou operando no espaço aéreo de várias faixas de treinamento controladas por militares. ”

Roger Glassel , escritor da revista sueca UFO-Aktuellt e especialista em Pedidos de Ato de Liberdade de Informação, também disse que é notável que a Marinha esteja usando essa nova terminologia.

"O fato de a Marinha estar usando o termo 'Fenômenos Aéreos Não Identificados' mostra que eles ampliaram o que é esperado pelos pilotos para investigar qualquer coisa desconhecida em seu espaço aéreo que, no passado, estivesse relacionada a um estigma", disse Glassel. "Se essas investigações são devidas a um interesse em encontrar a causa do Fenômeno UFO ou devido à redução de riscos de voo, ou ainda para combater intrusões não identificadas por adversários conhecidos e a disponibilidade para surpresa tecnológica, ainda não está bem definido".


O GO FAST é o terceiro de três vídeos oficiais, em 2015.

No entanto, a Marinha também afirma que os três vídeos nunca foram liberados para divulgação pública, confirmando a posição oficial do Pentágono originalmente publicada  por  George knapp e esmiuçada no The Black Vault em maio de 2019, que contradizem algumas afirmações generalizadas de que o governo dos EUA "desclassificou" as filmagens para acesso público.

"Os vídeos nunca foram oficialmente divulgados ao público em geral pelo Departamento de Defesa e ainda devem ser retidos", disse Susan Gough, porta-voz do Pentágono no início deste ano. Gradisher, em nome da Marinha, confirma a posição do Pentágono nesta semana, acrescentando: "A Marinha não divulgou os vídeos para o público em geral".

“As informações obtidas em cada relatório individual de qualquer suspeita de incursão na faixa de treinamento serão investigadas por si só. Elas serão catalogadas e analisadas com o objetivo de identificar qualquer risco para nossos aviadores ”, afirmou Gradisher. “Qualquer relatório gerado como resultado dessas investigações incluirá, necessariamente, informações classificadas sobre operações militares. Portanto, não é esperada a divulgação de informações ao público em geral. ”

As novas declarações da Marinha também contradizem as informações contidas em uma série de e-mails divulgados recentemente pelo Gabinete do Secretário de Defesa (OSD) através da Lei de Liberdade de Informação (FOIA). 

O lançamento da FOIA produziu dezesseis páginas de e-mails entre Luis Elizondo, membro do conselho da TTSA que liderou o estudo secreto de UFOs do Pentágono conhecido como “AATIP” e o Gabinete de Defesa do Prepublication and Security Review (DOPSR), um componente do OSD que gerencia as análises de segurança das informações, tanto “liberação pública quanto controlada”.


E-mail divulgado via Lei da Liberdade de Informação (FOIA), escrita por Luis Elizondo,  justificando sua solicitação para que os três vídeos sejam usados apenas para uso do governo dos EUA.

Em um dos e-mails divulgados, Elizondo declarou sua justificativa para a liberação de usar os três vídeos apenas para o governo dos EUA: “Veículos aéreos não tripulados (balões, UAVs comerciais, drones particulares como quadriciclos, etc.) continuam a representar uma ameaça potencial às instalações, equipamentos e localização do Departamento de Defesa. Exército, Marinha e Força Aérea reconheceram a ameaça potencial das ações do UAS ao DoD, mas não existe um repositório desclassificado para compartilhar essas informações com todas as partes interessadas.”

Elizondo continuou: “Nosso objetivo coletivo é estabelecer um banco de dados não classificado ou 'Comunidade de Interesse' de dados de assinatura relacionados a serem acessíveis por partes interessadas, como DIA, Marinha, parceiros do setor de defesa e talvez até confederados".  E nenhum  dos e-mails divulgados pela OSD, que continha toda a conversão entre Elizondo e DOPSR, mencionou UFOs, UAPs ou qualquer coisa “não identificada”.

Além dessas comunicações por e-mail divulgadas, havia um formulário chamado DD 1910. Este documento é usado para solicitar oficialmente uma revisão de informações pela DOPSR e, aqui, Elizondo descreveu os vídeos também como UAV [veículo aéreo não tripulado], balões e outros UAS [sistema aéreo não tripulado]. 

Novamente, nenhuma referência a UFOs, UAPs ou qualquer coisa "não identificada". Quando solicitado à Marinha esclarecimentos sobre o motivo da discrepância, Gradisher declarou: “A Marinha não tem comentários nem controle sobre como indivíduos ou organizações civis podem ou não descrever os objetos nos vídeos mencionados. A Marinha designa os objetos contidos nesses vídeos como fenômenos aéreos não identificados.”

Ele acrescentou:“ Você precisaria entrar em contato com o Sr. Elizondo nas descrições dele. Não posso comentar ou especular sobre como ou por que ele se referiu a eles dessa maneira.”


O Formulário DD 1910, divulgado pelo Gabinete do Secretário de Defesa (OSD) através da Lei de Liberdade de Informação (FOIA). 

Os e-mails mostram que, apesar de Elizondo ter finalmente recebido "autorização apenas governamental” para os vídeos serem usados em um banco de dados sobre ameaças aéreas de sistemas não tripulados, como drones; era a Marinha que precisava se corresponder à DOPSR e oferecer sua assinatura oficial para liberação pública total e irrestrita. Essa comunicação exigida da Marinha estava ausente do lançamento do FOIA, então a Marinha se pronuciou.

"Nem os escritórios da Marinha conhecedores nem a DOPSR registram qualquer correspondência respondendo a um pedido de liberação irrestrita dos vídeos em questão em 2017", disse Gradisher, confirmando que não existem evidências que autorizem uma liberação pública para os três vídeos em questão.

A Marinha afirma que os três vídeos são considerados "não classificados", no entanto, informações não classificadas ainda exigem uma revisão para divulgação pública. Qualquer coisa considerada não classificada ainda pode conter informações sensíveis, imagens ou dados incorporados em arquivos digitais que não podem ser considerados classificados; no entanto, ainda pode ser considerado sensível.

Múltiplas declarações e registros em documentos agora mostram que a aprovação exigida para "divulgação pública" nunca ocorreu, e as alegações da TTSA de que os vídeos representam "evidência oficial divulgada pelo governo dos EUA" permanecem uma esperamça em futuro próximo.

Esta nova informação vem em meio a uma enxurrada de outros comentários oficiais atrapalhando as reivindicações da TTSA. Em maio deste ano, as primeiras declarações do Pentágono, indicando que os vídeos “FLIR1”, “Gimbal” e “GoFast” não foram liberados para divulgação pública, apesar das reivindicações da TTSA. 

Em junho, Keith Kloor, do The Intercept, recebeu uma declaração do Pentágono de que Elizondo não tinha "responsabilidades" no programa AATIP, apesar das reivindicações divulgadas pela TTSA de que ele liderava. Uma carta de 2009 do senador Harry Reid foi rapidamente elogiada por alguns que reivindicavam a história do Elizondo ser de fato verdade; no entanto, o Pentágono rapidamente respondeu com declarações oficiais , afirmando que a existência da carta não mudou sua posição.

Até o momento, essas declarações e comentários oficiais do Pentágono e da Marinha não foram abordados ou refutados oficialmente pela TTSA. Apenas Elizondo disse ao Motherboard que "o objetivo principal de um exército é proteger suas fronteiras nacionais e suas pessoas. A qualquer momento, qualquer militar não pode enfrentar uma ameaça em potencial, deve ser uma preocupação para seus cidadãos e para os encarregados de protegê-los. No entanto, estou animado com a nova posição da Marinha de abordar essa questão de maneira séria e sem a distração do estigma social que esse fenômeno parece atrair".

Contrapontos e especulações

Com esta declaração oficial, a Marinha adota uma mudança dramática e sem precedentes de que não há nada a ver com o Fenômeno UFO .Mesmo voltando às investigações oficiais da Força Aérea sobre UFOs, que ocorreram sob vários nomes de programas diferentes de 1948 a 1970, nunca antes um ramo das forças armadas americanas apontou para uma foto ou vídeo de um objeto e declarou - este é um verdadeiro objeto  voador não identificado.

Alguns entusiastas da Ufologia especularam que o objeto mostrado no vídeo “FLIR1” foi capturado perto de uma instalação naval pouco conhecida e secreta, o Complexo de Montanhas San Clemente. A Ilha de San Clemente é sede de vários avistamentos aéreos, incluindo o principal centro de pesquisa, desenvolvimento e avaliação da Marinha para submersíveis e veículos aéreos tripulados e não tripulados e o Centro de Sistemas Espaciais e Naval de Guerra (SPAWAR). 

Cerca de 100 km a noroeste da ilha de San Clemente fica a ilha de San Nicolas, outro complexo da Marinha bem guardado. A Ilha de San Nicolas serviu discretamente para a Marinha  local  como teste para sistemas de armas de ponta. Com várias e grandes antenas de telemetria em forma de bola de golfe que pontilham a paisagem, o pessoal da Marinha monitora e controla os 36 mil km² de ar e oceano ao redor da Ilha San Nicolas.

As contas dos avistamentos dos UFO de 2014 e 2015 da Marinha foram um pouco mais ambíguas. Com base em relatos limitados de testemunhas, especula-se que os dois vídeos de 2015, conhecidos como “Gimbal” e “Go Fast” foram capturados enquanto o grupo Roosevelt Carrier estava operando no Complexo de Treinamento de Jacksonville, na costa da Flórida. Nesse local, o Carrier Strike Group-12 estaria no âmbito da base naval de submarinos navais King's Bay. 

Aproximadamente  500 km ao sul da flotilha, está o Centro Submarino de Testes e Avaliação da Marinha (AUTEC). De acordo com a Marinha, o uso de vários sistemas de rastreamento no ar e em águas profundas, o AUTEC, é capaz de monitorar e controlar mais de 1000 km em distância em terra ou água e uma altura de 21 km em torno da instalação.

Esses objetos não identificados podem ter sido rastreados por um, provavelmente todos, desses equipamentos militares nas proximidades, altamente sofisticados. Mas, quando perguntado sobre os incidentes de 2015, Ron Flanders, porta-voz da Marinha, disse: “Verificamos os registros e, apesar dos relatórios públicos (e vídeo) sobre o incidente, não existem registros no FACSFAC [Centro de Controle e Vigilância de Área de Frota] para o(S) evento(s) em questão".

É provável que muitos entusiastas de UFOs considerem a última posição da Marinha como confirmação do que eles acreditavam o tempo todo. Segundo a Marinha, os UFOsão reais, e essa questão não está mais em debate. Para deixar claro, a nova declaração não significa que a Marinha esteja afirmando que os alienígenas são reais: "fenômenos aéreos não identificados" são apenas isso - não identificados e inexplicáveis; jamais foi feita alguma afirmação quando a extraterrestres.

A única conclusão que podemos tirar é que, se os militares mais avançados e poderosos do planeta colidirem com objetos em seu próprio espaço aéreo que ele não podem identificar, todos deveriam estar um pouco preocupados. 
 
Assista comentários de Nick Pope sobre o reconhecimentos dos UFOs:
 
Fonte: Vice, Blackvault, 8newsnow
Colaboração: Canal João Marcelo e Tunguska Legendas

Já está no ar a Edição 272 da Revista UFO. Aproveite!

Setembro de 2019

ETs em nossos dormitórios

UPDATED CACHE