DESTAQUE

Plano da NASA revelado: 37 aeronaves e um pouso lunar

Por
23 de Maio de 2019
Uma base lunar em órbita chamada Gateway faz parte dos planos da NASA. Os astronautas começarão a construí-lo para 2028
Créditos: NASA

Dois meses após o vice-presidente americano, Mike Pence, anunciar que a NASA vai retornar à Lua até 2024, os engenheiros da agência espacial têm trabalhado para montar um plano que aproveita a tecnologia existente,  com grandes projetos em fase de conclusão e foguetes comerciais para isso.

Na semana passada, um plano atualizado que demonstrou um pouso humano em 2024, missões anuais na superfície lunar e o início de uma base lunar até 2028 começaram a circular fora da agência. Um gráfico, mostrado abaixo, fornece informações sobre cada um dos principais lançamentos necessários para construir um pequeno Portal Lunar, posicionar elementos de um módulo de pouso lunar, levar tripulações para a Lua e voltar e realizar missões de reabastecimento.

 

Plano da NASA para um retorno humano à Lua em 2024, e um posto avançado em 2028.

 

Esse plano de uma década, que envolve 37 lançamentos de foguetes privados e da NASA, assim como um conjunto de plataformas robóticas e humanas, culmina com uma "Implantação de Ativos de Superfície Lunar" em 2028, provavelmente o início de um posto avançado de longa duração. A tripulação permanece. Desenvolvido pelo gerente sênior de voos espaciais tripulados da agência, Bill Gerstenmaier, esse plano é tudo o que Pence pediu - um retorno humano urgente, uma base lunar, uma mistura de empreiteiros existentes e novos.

Uma parte não vazou: o seu custo. O administrador da NASA, Jim Bridenstine, pediu mais 1,6 bilhão de dólares no ano fiscal de 2020 como entrada para dar início ao desenvolvimento do lander. Mas todas as missões neste gráfico custariam muito, muito mais. Fontes continuam dizendo que o custo interno projetado é de 6 a 8 bilhões de dólares por ano, além do orçamento atual da NASA, de cerca de 20 bilhões de dólares.

Outro elemento crítico que não está claro  é que papel haveria nesses gráficos para parceiros internacionais, já que quase todos os veículos poderiam - e provavelmente viriam - da NASA ou de empresas norte-americanas. Uma parceria internacional, como evidenciado pelo programa da Estação Espacial Internacional, é provavelmente a chave para sustentar um programa lunar a longo prazo no cenário político dos EUA.

   

   

À espera de milagres

Embora o plano seja louvável na medida em que representa uma exploração humana robusta do espaço profundo, pesquisa científica e um esforço para explorar os recursos hídricos na Lua, ele enfrenta pelo menos três grandes problemas.

A primeira questão é financiamento e vulnerabilidade política. Uma razão pela qual Bridenstine não compartilhou o custo total do programa, como previsto, é o "choque autocolante" que condenou outros esforços anteriores. No entanto, se a NASA tentar fazer um pouso na Lua com esse plano específico - em vez de uma partida radical que depende de foguetes menores e reutilizáveis- a agência precisará de muito mais dinheiro.

Até agora, a Casa Branca propôs pagar por isso com um excedente no Pell Grant Reserve Fund. Mas isso parece não ser uma novidade para os democratas da Câmara. "O presidente está propondo reduzir ainda mais um programa de subsídios benéficos baseado em necessidades que fornece uma linha de vida para estudantes de baixa renda, o programa Pell Grants, a fim de pagar pelo primeiro ano desta iniciativa - algo que não posso apoiar", disse a presidente do comitê de ciência da casa, Eddie Bernice Johnson.

O Congresso também não dará à NASA autoridade ilimitada para reprogramar fundos, com um prazo aparentemente aberto, que a Bridenstine buscou.

  

 

Jeff Bezos, da Amazon, revela o módulo lunar da Blue Origin chamado Lander Blue Moo,  com um veículo de subida (construído por outra empresa) no topo.

  

O que acontece a seguir?

A NASA deu um passo técnico fundamental na quinta-feira (16), na adjudicação de contratos para dois dos três elementos da proposta de projeto do módulo lunar. As questões mais arriscadas virão na arena política.

A agência corre o risco de se tornar um futebol político. É improvável que os democratas apoiem o Pell Grants como fonte de financiamento e algumas fontes da indústria espacial especularam que isso pode ter sido uma "pílula venenosa" do Escritório de Administração e Orçamento da Casa Branca para minar um programa caro e de longo prazo. Se os democratas quisessem retroceder de maneira política, poderiam dizer ao presidente Trump que só apoiarão o pouso lunar da NASA com fundos do Departamento de Defesa destinados à "Força Espacial". Sob tal cenário, a politização da NASA seria ruim para uma agência que tem voado acima da disputa partidária.

  

 

  

E o que acontece se o presidente Trump perder a reeleição em 2020? No início de 2021, quando uma nova administração entrar, não verá muita evidência tangível de um retorno lunar. É improvável que o foguete SLS tenha feito seu primeiro voo, haverá apenas alguns desenhos em bases lunares, e o Portal Lunar permanecerá um ano ou dois longe do lançamento. Isso tornaria o programa muito vulnerável do ponto de vista do financiamento, especialmente se o novo presidente estiver mais preocupado com as mudanças climáticas e a ciência da Terra e quiser avançar para um programa espacial de baixo custo que capitalize os sucessos de lançamento da nova indústria espacial.

Finalmente, se a administração Trump vencer e realmente se importar com a aterrissagem de 2024 - dado o anêmico suplemento orçamentário de US $ 1,6 bilhão e exploração de Pell Grants, está longe de ser claro - existe um caminho à frente para a NASA. Com um gasto mais robusto no ano fiscal de 2021 e alguns sucessos com o foguete SLS, é possível que a agência possa permanecer em um caminho plausível de volta à Lua com esse plano. Provavelmente não acontecerá em 2024, já que duas fontes disseram a Ars que o ano de 2026 é uma data mais realista, mesmo considerando o novo senso de urgência.

Mas pelo menos, finalmente, há um plano de registro para debater.

Fonte: Arstechnica e The Sun, Canal João Marcelo

  

Conheça o  Curso

Portais Dimensionais: Os Universos Paralelos e os Seres Extraterrestres

www.portaisdimensionais.com.br

Inscrições abertas para o curso presencial e a distância

Já está no ar a Edição 268 da Revista UFO. Aproveite!

Maio de 2019

Jung e os UFOs

UPDATED CACHE