DESTAQUE

Planeta X pode ter sido encontrado na periferia distante do sistema solar

Por
22 de Novembro de 2021
Teria o lendário planeta X sido finalmente descoberto?
Créditos: GettyImages

Mais recentemente, acreditava-se que as pessoas conheciam todos os nove planetas do Sistema Solar. No entanto, em 2006, Plutão foi riscado da lista da “elite” planetária. Alguns cientistas não ficaram convencidos de que deveria haver somente oito planetas perto de nossa estrela. Agora, graças às antigas imagens do espaço sideral, os astrônomos podem ter conseguido encontrar o planeta que faltava.

O especialista britânico Michael Rowan-Robinson assumiu uma tarefa muito difícil. Ele usou imagens de arquivo do telescópio IRAS, que foi lançado na década de 80. Em várias imagens, havia um objeto R20593 + 6413, que tem uma órbita fortemente inclinada e está localizado literalmente nos arredores de nossos sistema. Os cientistas chamam o Planeta X de hipotético nono planeta do Sistema Solar. Cinco anos atrás, os cientistas planetários americanos Konstantin Batygin e Michael Brown anunciaram que encontraram provas de sua existência. De acordo com seus cálculos, o Planeta X deveria estar a pelo menos 100 bilhões de quilômetros do Sol e deveria ser semelhante em tamanho a Netuno ou Urano.

No entanto, a busca pelo planeta ainda não trouxe sucesso. Os pesquisadores só conseguiram estreitar a zona onde ele poderia estar e encontrar novos indícios de sua existência. Por causa disso, muitos astrônomos questionaram essa hipótese, e outros cientistas planetários começaram a procurar opções alternativas para a localização e aparência do Planeta X.

Segundo o autor do novo artigo, professor do Imperial College London, Michael Rowan-Robinson, as falhas nessa busca podem ser devido ao fato dos cientistas estarem tentando encontrar o planeta X onde ele não está. Orientado por essa ideia, ele estudou imagens do observatório orbital infravermelho IRAS. Para analisar essas imagens, Rowan-Robinson criou um algoritmo que pode filtrar todas as fontes “desnecessárias” de radiação infravermelha que estão fora do Sistema Solar – estrelas, galáxias e outros grandes aglomerados de matéria.


Analisando imagens antigas em infravermelho e filtrando objetos desnecessários, rastreou-se um possível candidato.
Fonte: NASA

Durante seu trabalho de 10 meses, ele registrou mais de 250.000 desses objetos. O professor prestou atenção especial aos pontos remanescentes, até então desconhecidos dos cientistas, que se moviam lentamente pelo céu. Sua velocidade mostrou que eles não eram fontes de luz distantes (como galáxias), nem asteroides e cometas rápidos.

Entre eles, não havia um único que satisfizesse os cálculos de Brown e Batygin. No entanto, havia várias centenas de candidatos para o papel de versões alternativas do Planeta X, localizadas muito mais perto da Terra. De acordo com os dados disponíveis, apenas um deles, o objeto R20593 + 6413, atendeu a todos os critérios. Ele está localizado dentro da constelação de Cepheus, é várias vezes maior que a Terra e 225 vezes mais distante do Sol que nosso planeta.

Por que esse objeto foi ignorado por tanto tempo? Rowan-Robinson sugeriu que a órbita incomum do planeta é a culpada. Isto, de acordo com Rowan-Robinson, pode explicar por que o Planeta X ainda não foi encontrado, já que os cientistas anteriormente não admitiam que o nono planeta do Sistema Solar pudesse girar em uma órbita semelhante. Agora tudo o que resta é esperar que os cientistas empreendam a confirmação do título de planeta para um novo objeto espacial. Afinal, até agora as conclusões do astrônomo são apenas teóricas. E muito trabalho terá que ser feito para prová-la.

Fonte

Já está no ar a Edição 285 da Revista UFO. Aproveite!

Junho de 2021

Quando eles são hostis aos humanos