DESTAQUE

Pesquisadores procuram por emissões a laser de megaestrutura alienígena

Por
05 de Março de 2019
Ilustração
Créditos: Getty imagens

As últimas observações da KIC 8462852, também conhecida como a estrela Tabby ou a estrela Boyajian, analisaram o tipo de emissão de laser que uma civilização alienígena poderia produzir.

Já se passaram três anos e meio desde que a descoberta do KIC 8462852 foi anunciada e a maneira como é escurecida e brilha aparentemente ao acaso provou ser um enigma para os astrônomos. De fato, é tão irritante que uma explicação inicial envolveu "uma megaestrutura alienígena" como a causa dessas flutuações aparentemente antinaturais.

O apelido de "estrela megaestructura alienígena" ficou preso, mas a explicação não o fez. Foi no ano passado, depois que a análise determinou que alguns comprimentos de onda de luz foram bloqueados um pouco mais do que outros, o que não seria o caso se uma estrutura artificial estivesse bloqueando.

Outras hipóteses incluíram um planeta com anéis que passa na frente da estrela, seja absolutamente enorme ou menor, com uma oscilação orbital; um enxame de cometas; lixo espacial; a estrela que engole um planeta; algo que acontece dentro da própria estrela; e o equivalente científico de um emoji encolhendo os ombros.

Uma equipe SETI, da Universidade da Califórnia, em Berkeley, liderada pelo então estudante de segundo grau David Lipman, abordou a estrela de um ângulo inexplorado. Seus resultados foram enviados para o servidor arXiv, e eles certamente são interessantes. "Analisamos 177 espectros de alta resolução do KIC 8462852 em um esforço para detectar possíveis sinais de laser de civilizações extraterrestres", escreveram os pesquisadores em seu artigo.

Usando os dados do telescópio Automated Planet Finder do Lick Observatory, a equipe buscou uma luz laser contínua mais potente que 24 megawatts. Esse é o limite inferior de potência detectável pelo telescópio a 1.470 anos-luz de distância, a distância até o KIC 8462852.

Este nível de poder está dentro das capacidades da tecnologia humana. Então, se uma civilização pelo menos tão avançada quanto a humanidade estivesse lá fora, poderia ter lasers e poderia usá-los de tal forma que pudéssemos vê-los.

Assim, a equipe coletou dados do telescópio. E, na primeira passagem, encontraram alguns sinais que pareciam promissores, antes que eles tivessem que descartá-los. "Falsos positivos resultantes de eventos de raios cósmicos foram eliminados por meio de um processo secundário de análise em várias etapas", escreveram os pesquisadores.

"Os principais candidatos para a análise podem ser explicados como impactos de raios cósmicos, linhas de emissão estelar ou linhas de emissão de brilho atmosférico." Portanto, não os extraterrestres. No entanto, esse trabalho também serviu a outro propósito.

Sinta a base para análises futuras semelhantes de centenas de objetos, mais do que o telescópio Automated Planet Finder está observando como parte do projeto Breakthrough Listen para procurar por inteligência extraterrestre. Deixe seu comentário abaixo.

Fonte: UFO Spain

Vídeo de suposto UFO fazendo manobras incríveis agita a internet

Pesquisadora australiana garante que abduções visam à criação de híbridos

Eles estão no meio de nós? Especialistas tentam explicar onde ETs se escondem

NASA detecta estruturas enigmáticas no asteroide Ultima Thule

7 razões para você dizer que o primeiro pouso na Lua realmente aconteceu

Já está no ar a Edição 265 da Revista UFO. Aproveite!

Fevereiro de 2019

O enigma das sondas

UPDATED CACHE