DESTAQUE

Pesquisa aponta 700 objetos celestes para se buscar por vida no universo

Por
08 de Julho de 2020
A vida em outros mundos
Créditos: Science Alert

Nova publicação da iniciativa Breakthrough Listen amplia as possibilidades da busca por inteligências alienígenas, indicando mais de 700 objetos celestes que poderiam ser o lar de outras formas de vida. 

Em julho de 2015, as Iniciativas Breakthrough anunciaram que estavam embarcando em uma pesquisa de 10 anos para realizar a maior pesquisa de inteligência extraterrestre (SETI) já feita até o momento.

Essa iniciativa recebeu o nome de  Breakthrough Listen , que combina software de ponta e dados obtidos pelos principais observatórios de todo o mundo para procurar sinais de atividade tecnológica extraterrestre (também conhecida como tecnoassinaturas).

Nos últimos anos, a Breakthrough Listen fez  dois grandes  lançamentos de dados e anunciou uma  colaboração lucrativa  com a   missão Transiting Exoplanet Survey Satellite ( TESS ) da NASA.

E, mais recentemente, o Breakthrough Listen anunciou o lançamento de seu catálogo chamado Exotica, que traz uma lista diversificada de objetos que podem ser de interesse para astrônomos que buscam sinais de assinaturas tecnológicas e de inteligência extraterrestre (ETI).

O catálogo foi descrito em um artigo intitulado Um de Cada: O Catálogo Exotica da Breakthrough Listen, que foi submetido recentemente para publicação na série de suplementos do The Astrophysical Journal.

A equipe responsável pelo catálogo foi liderada pelo doutor. Brian C. Lacki, astrônomo do Berkeley SETI Research Center (BSRC) e incluiu membros da Universíada da Califórnia em Berkeley, do Instituto SETI e de várias outras universidades.

 

Como nós, e diferentes de nós


Crédito: Olhar Digital

O lançamento do Exostica é especialmente significativo, pois inclui objetos e ambientes onde a vida não é conhecida por prosperar. Pelo menos não "a vida como a conhecemos", que é o foco da Breakthrough Listen e todas as pesquisas do SETI até o momento. 

Parte do problema tem sido nossos instrumentos. Simplificando, o Universo é imenso, possivelmente até infinito. Nossas melhores estimativas dizem que a parte observável mede aproximadamente 96 bilhões de anos-luz de diâmetro. Tão grande, que não conseguimos dimensionar.

Ao mesmo tempo, o que podemos ver está sujeito à  teoria da relatividade especial de Einstein , onde a velocidade da luz não é apenas constante, mas um absoluto cósmico.

Por causa disso, os astrônomos precisam monitorar o espaço com muito cuidado para provocar o que poderia ser sinais de vida ou atividade em meio ao ruído de fundo.

Segundo, há a questão do nosso quadro de referência. Apesar de mais de um século de pesquisas astronômicas avançadas, a Terra ainda é o único planeta que conhecemos onde a vida existe, e a humanidade o único exemplo de espécie tecnologicamente avançada.

Mas e se as ETIs não são como a humanidade e vivem em ambientes exóticos que são extremos para nossos padrões? Isso pode incluir ambientes de temperaturas extremas, como as atmosferas de Júpiteres quentes ou as regiões mais externas e frias de um sistema estelar.

Também poderia incluir a gravidade extrema das estrelas de nêutrons ou a alta radiação dos núcleos galácticos e aglomerados estelares.

 

Abrindo o leque da pesquisa

 
Buscando outros mundos Crédito: Superinteressante

Essa é a beleza do catálogo Exotica da Breakthrough Listen (BL), uma coleção de mais de 700 alvos distintos que inclui "um de cada" objeto do universo observado. De cometas a galáxias, de objetos mundanos ao fenômeno mais raro e violento dos celestes. 

"Muitas descobertas em astronomia não foram planejadas. Às vezes, uma grande descoberta era perdida quando ninguém estava olhando no lugar certo, porque acreditavam que nada poderia ser encontrado lá. Isso aconteceu com os exoplanetas, que poderiam ter sido detectados antes dos anos 90 se os astrônomos olhassem. para sistemas solares muito diferentes dos nossos. Estamos procurando nos lugares errados as assinaturas tecnológicas? O catálogo Exotica nos ajudará a responder a essa pergunta", explicou o doutor Lacki

Por conveniência, o catálogo é dividido em quatro categorias de objetos: Protótipos, Superlativos, Anomalias e uma amostra de controle.

A lista Prototype contém pelo menos um de todos os tipos conhecidos de objetos celestes considerados um alvo de observação realista e valioso. Isso inclui planetas e luas, estrelas de todas as idades (nova, velha, sequência principal, gigante vermelho etc.), aglomerados de estrelas, galáxias, quasares.

 

Respondendo a Fermi

 
Crédito: CanalTech

Por fim, o Breakthrough Listen espera que, com a ajuda do Catálogo Exotica, os astrônomos sejam capazes de responder a algumas perguntas difíceis relacionadas à pesquisa do SETI. 

Para começar, eles esperam lançar mais alguma luz sobre a famosa pergunta de Fermi "Onde estão todos?" ou talvez com mais precisão, por que não ouvimos ou encontramos evidências de alguém lá fora?

Naturalmente, várias teorias foram apresentadas ao longo dos anos por que a humanidade não encontrou nenhuma evidência concreta para as ETIs. Um exemplo clássico é a  Conjectura Hart-Tipler , que afirma que a resposta mais simples para a pergunta de Fermi é provavelmente a certa: estamos sozinhos no Universo.

Algumas teorias afirmam que o problema está em nossos instrumentos e noções pré-concebidas sobre onde e como a vida surgiria.  Outra possibilidade é que simplesmente não estivemos procurando nos lugares certos e precisamos expandir nossa lista de possíveis alvos.

E aqui se encaixa a razão de o catálogo Exótica ser a peça central do esforço da Breakthrough Listen para expandir a diversidade de seus alvos. 

Esse conceito é conhecido como "abrangência da pesquisa", onde uma amostragem diversificada de objetos pode levar a resultados mais positivos. No processo, o Breakthrough Listen espera ajudar os astrônomos a criarem melhores restrições sobre onde estão as ETIs e como podemos encontrá-las.

 Como resumiu S. Pete Worden, o ex-diretor do Centro de Pesquisa Ames da NASA e o atual diretor executivo da Breakthrough Iniciatives: “Quando se trata de busca de vida inteligente, é vital ter uma mente aberta. Até entendermos mais sobre as formas que outra civilização e sua tecnologia poderiam assumir, deveríamos investigar todos os alvos plausíveis. Catalogá-los é o primeiro passo para esse objetivo".

 

Fonte: Science Alert  

Veja, abaixo, um documentário sobre vida extraterrestre:

Já está no ar a Edição 276 da Revista UFO. Aproveite!

Janeiro de 2020

A Ufologia e seus demônios