DESTAQUE

Pálido ponto azul no século XXI

Por
13 de Fevereiro de 2020
Terra vista de sua órbita
Créditos: NASA

Em 14 de fevereiro de 1990, a sonda Voyager 1 da NASA capturou uma das fotografias mais icônicas da era espacial. Para comemorar o 30º aniversário daquele momento, a NASA melhorou digitalmente a imagem.

Conhecida como a foto Pale Blue Dot [Pálido Ponto Azul], a imagem original mostrava a Terra como uma pequena mancha dentro de uma faixa de brilho causada pela luz solar atingindo o instrumento da espaçonave. 

Imagem melhorada da Terra vista pela Voyager. Somos nós, o pálido ponto azul. Crédito: NASA

A fotografia foi o resultado de uma campanha liderada pelo cientista Carl Sagan para convencer a NASA a virar a Voyager 1 e tirar uma foto do planeta, início de sua história. Apenas 34 minutos depois, de acordo com a NASA, a câmera da sonda desligou para que a sonda economizasse energia.

Durante a mesma sequência de imagens , a Voyager 1 também fotografou cinco outros planetas e o Sol, em um total de 60 imagens que a NASA apelidou de "O retrato de família do Sistema Solar".

Concepção artistica mostrando a posição da Voyager quando a foto foi feita. Crédito: NASA

Kevin Gill, engenheiro do Laboratório de Propulsão a Jato da NASA (JLP) e processador de imagem, deu à foto um novo visual. Durante o processo, ele recebeu contribuições de Candy Hansen e William Kosmann, que ajudaram a planejar a fotografia original.

"Esta versão atualizada usa software e técnicas modernas de processamento de imagens para revisitar a famosa visão da Voyager, enquanto tenta respeitar os dados originais e a intenção daqueles que planejaram as imagens", diz o comunicado original da NASA.

A foto original era uma compilação de imagens tiradas usando três filtros de cores diferentes. Na nova imagem, esses canais foram reequilibrados para tornar a imagem mais nítida, e o feixe de luz solar ao redor da Terra foi ajustado para parecer branco, como a luz solar faz aos nossos olhos.

As sondas gêmeas Voyager não produzem imagens há décadas porque não voam perto o suficiente de qualquer objeto que valha a pena fotografar. Mas as duas naves veneráveis ??ainda estão fortes. Ambas cruzaram a bolha que marca a extensão do espaço moldado pelo Sol. Agora, seus instrumentos estão mostrando aos cientistas o espaço interestelar . 

Essa imagem, feita de tão longe, é o que nossos visitantes extraterrestres veem quando se aproximam de nós. Somos um planeta raro e precisamos cuidar bem dele. 

Fonte: Space

Se você ficou curioso para saber mais sobre desde quando somos visitados e quais são as evidências que temos de que nossos visitantes sempre estiveram por aqui, não perca o XXV Congresso Brasileiro de Ufologia onde este e outros empolgantes assuntos serão amplamente apresentados e debatidos. Mas corra, há pouquíssimas vagas.

O XXV Congresso Brasileiro de Ufologia ocorrerá entre 27 a 29 de março, no Hotel Bourbon, em Curitiba.

As inscrições para o evento estão abertas no site oficial e custam R$ 140,00, podendo ser pagas em até 12 vezes.

Site oficial: www.ufologiabrasileira.com.br

Já está no ar a Edição 265 da Revista UFO. Aproveite!

Fevereiro de 2019

O enigma das sondas