DESTAQUE

Oumuamua, o misterioso objeto que poderia ser uma sonda alienígena, volta às notícias

Por
25 de Agosto de 2020
Oumuamua
Créditos: Space.com

Oumuamua, o objeto interestelar misterioso que chegou a nosso Sistema Solar há dois anos pode ser tecnologia alienígena. Isso porque uma explicação alternativa não-alienígena falhou, como afirma um novo estudo.

 Em 2018, nosso Sistema Solar encontrou em um objeto perdido no espaço interestelar. O objeto, apelidado de 'Oumuamua, parecia ser longo e fino – em forma de charuto – e girava de ponta-cabeça. 

Observações detalhadas mostraram que ele estava acelerando, como se algo o estivesse empurrando. Os cientistas ainda não sabem ao certo por quê.

A maioria dos cientistas, entretanto, pensa que a aceleração instável do objeto provavelmente se deve a um fenômeno natural. Em junho, uma equipe de pesquisa propôs que o hidrogênio sólido estava explodindo invisivelmente da superfície do objeto interestelar e fazendo com que ele se acelerasse. 

Agora, em um novo artigo publicado em 17 de agosto no The Astrophysical Journal Letters, Loeb e Thiem Hoang, astrofísicas do Instituto de Astronomia e Ciências Espaciais da Coreia, argumentam que a hipótese do hidrogênio não funcionaria no mundo real.

Isso significaria que ainda há esperança de que nosso pedaço do espaço já tenha sido visitado por alienígenas avançados - e que realmente tenhamos visto sua presença naquele momento.

 

Hidrogênio sólido


Crédito: notícias alternativas

“Aqui está o problema com Oumuamua: ele se movia como um cometa, mas não tinha a coma clássica, ou cauda, ??de um cometa”, disse o astrofísico Darryl Seligman, autor da hipótese do hidrogênio sólido e pós-doutorado em astrofísica na Universidade de Chicago.

Normalmente, os cometas vêm de regiões mais distantes do que os asteroides, e o gelo em sua superfície se transforma diretamente em gás conforme se aproximam do Sol, deixando para trás um rastro de gás, que vemos como uma bela cauda de cometa. 

“Essa liberação de gases muda a forma como o cometa se move no espaço”, disse o cinetista. É um pouco como um motor de foguete muito lento: o Sol atinge o cometa, a parte mais quente do cometa explode com gás, e esse gás fluindo para longe envia o objeto cada vez mais rápido para longe do Sol.

 

Cometa sem cauda ou outra coisa?


Crédito: Revista UFO

Em um artigo publicado em 9 de junho no The Astrophysical Journal Letters, Seligman e o astrofísico da Universidade de Yale Gregory Laughlin propuseram que o objeto era um cometa feito parcial ou totalmente de hidrogênio molecular - moléculas leves compostas de dois átomos de hidrogênio (H2).

Os pesquisadores já haviam proposto a existência de "icebergs de hidrogênio" nas regiões mais frias do espaço. E a liberação de hidrogênio não seria visível da Terra - o que significa que não deixaria para trás uma cauda de cometa visível.

Mas em seu novo artigo, Hoang e Loeb respondem a esta ideia e argumentam que a explicação do iceberg do hidrogênio tem um problema básico.

Os cometas se formam quando grãos gelados de poeira colidem uns com os outros no espaço e formam aglomerados. Mas os cometas são como os bonecos de neve: eles sobrevivem apenas enquanto não derretem.

E não há gelo no Oumuamua para derreter. Em tese, se fosse um cometa, já teria se dissolvido, e, no entanto, ele continua firme e forte. Por quê?

 O mais provável é que Oumuamua seja apenas uma estranha “lasca” de rocha que tenha sobrado de alguma explosão planetária que a impeliu para longe, mas até que se consiga encontrar uma boa explicação para ele, a hipótese alienígena permanece.

Esse artigo é baseado em um outro,  publicado pelo portal Space.com. Para ler o artigo original, por favor, clique aqui.  

Veja, abaixo, um video sobre o Oumuamua:

Já está no ar a Edição 278 da Revista UFO. Aproveite!

Março de 2020

Miscigenação com aliens