DESTAQUE

Oumuamua não foi o primeiro objeto interestelar a nos visitar

Por
17 de Abril de 2019
Ilustração do que seria Oumuamua
Créditos: ESA / M. Kornmesser / European Southern Observatory

O primeiro meteoro do espaço interestelar a atingir a Terra – e o segundo visitante interestelar em geral – pode ter sido descoberto. Meteoros interestelares podem ser comuns e poderiam ajudar a vida a viajar de estrela em estrela, de acordo com os investigadores.

O primeiro visitante conhecido do espaço interestelar, um objeto chamado ‘Oumuamua, foi detectado em 2017. Os cientistas deduziram as origens do objeto de 400 metros de comprimento através da sua velocidade e trajetória, o que sugere que pode ter vindo de outra estrela – ou talvez duas.

Avi Loeb, responsável astronômico de Harvard, observou que se esperaria que os visitantes interestelares menores fossem muito mais comuns, com alguns deles colidindo com a Terra com frequência suficiente para serem notados.

Agora, Loeb e o principal autor do estudo, Amir Siraj, um estudante de Harvard, sugeriram que podem ter detectado um desses meteoros interestelares, o segundo visitante interestelar conhecido do Sistema Solar.

Os cientistas analisaram o catálogo de eventos meteorológicos do Centro de Estudos de Objetos próximos da Terra, detectado por sensores do governo dos Estados Unidos. Os investigadores concentraram-se nos meteoros mais rápidos, porque uma alta velocidade sugere que um meteoro não é ligado gravitacionalmente ao Sol e, portanto, pode originar-se fora do Sistema Solar.

 

Primeira imagem de um objeto interestelar captado. K. Meech et al./ESO

 

Os cientistas identificaram um meteoro de cerca de 0,9 m de largura que foi detectado em 8 de janeiro de 2014, a uma altitude de 18,7 Km ao longo de um ponto próximo a Manus Island, em Papua Nova Guiné. A alta velocidade de cerca de 216 mil km/h e a sua trajetória sugere que veio de fora do Sistema Solar.

“Podemos usar a atmosfera da Terra como o dectetor desses meteoros, que são pequenos demais para se verem”, disse Loeb ao Space.com. A velocidade do meteoro sugeriu que recebeu um impulso gravitacional durante a sua jornada, talvez do interior profundo de um sistema planetário ou uma estrela no disco espesso da Via Láctea. “Se esses meteoros fossem ejetados da zona habitável de uma estrela, poderiam ajudar a transferir a vida de um sistema planetário para outro”, disse Loeb.

Os cientistas analisaram cerca de 30 anos de dados. Além do meteoro interestelar que descobriram, também notaram dois outros meteoros que viajaram aproximadamente na mesma velocidade. No entanto, Siraj e Loeb observaram que a órbita de um deles sugeria que estava ligado gravitacionalmente ao Sol. Não sabiam se o outro era interestelar.

Assumindo que a Terra vê três meteoros com potenciais origens interestelares a cada 30 anos aproximadamente, os investigadores estimaram que há cerca de um milhão desses objetos por unidade astronômica cúbica na nossa galáxia.

Siraj e Loeb observaram que analisar os escombros gasosos dos meteoros interestelares à medida que queimam na atmosfera da Terra poderia ajudar a entender a composição dos objetos interestelares. No futuro, os astrônomos podem querer montar um sistema de alerta que treine telescópios a detectar meteoros viajando a alta velocidade para analisar os detritos gasosos.

As conclusões da investigação foram submetidas à revista The Astrophysical Journal Letters. 

O artigo está disponível no arXiv.

 

Trajetória de Oumuamua no Sistema Solar. NASA / JPL-Caltech / IAU

 

Afinal, o Mensageiro das Estrelas não chegou primeiro

A importância de Oumuamua reside no fato de ser o primeiro objeto detectado que não vem do Sistema Solar. A natureza do “Mensageiro das Estrelas” está rodeado de mistérios desde o dia em que foi descoberto por astrônomos da Universidade do Hawai, em outubro de 2017.

Depois de constatar mudanças na velocidade do seu movimento, o Centro de Astrofísica Harvard-Smithsonian sugeriu que o objeto poderia ser uma sonda enviada à Terra intencionalmente por uma civilização alienígena.

No último ano, o mundo da astronomia debruçou-se no estudo do corpo celeste e as mais várias teorias já foram apresentadas em artigos científicos: desde o seu passado violento, passando pela possibilidade de ser um sistema binário, e até o provável local de onde veio o Oumuamua.

Recentemente, investigadores da Universidade de Harvard sugeriram que milhares de objetos semelhantes ao Oumuamua podem estar presos no Sistema Solar.

 Fonte: Live Science, por Charles Q. Choi

 

Conheça o  Curso Portais Dimensionais, Universos Paralelos e Extraterrestres

www.portaisdimensionais.com.br

Veja Mais:

Documentário 'Apollo: Missões à Lua' traz áudio inédito

Pesquisadores conseguem controlar a velocidade da luz enviando-a para trás

UFOs podem ser máquinas do tempo vindas do futuro?

Agora você vai entender a Física Quântica e sua relação com os UFOs

O futuro da humanidade por Michio Kaku

Veja a primeira imagem real de um buraco negro na história

Há 40 anos em busca da resposta: existem seres extraterrestres?

Já está no ar a Edição 267 da Revista UFO. Aproveite!

Abril de 2019

Um metal extraterrestre