DESTAQUE

O que você faria se tivesse que responder a uma mensagem alienígena?

Por
04 de Julho de 2019
Resposta de Arecibo em um agroglifo perto do rádiotelescópio de Chilbolton, no Reino Unido, em 2001.
Créditos: Getty imagens

Alguns cientistas estão lindando com a questão delicada de como a humanidade deveria responder a um possível contato com uma civilização alienígena: uma pesquisa que pergunta ao público o que ele faria foi desenvolvida por membros da Rede de Pesquisa SETI do Reino Unido (UKSRN). O grupo lançou o que acreditam ser a maior pesquisa sobre as atitudes do público em relação ao contato com alienígenas, na segunda-feira, na exposição científica de verão da Royal Society .

Os pontos de vista que eles coletarem irão ajudá-los a elaborar planos para um protocolo internacional que estabeleça as regras básicas sobre como as organizações devem compartilhar notícias de quaisquer sinais detectados; que significado podem agregar a eles; e como, se for o caso, os humanos podem responder.

"Ainda não há absolutamente nenhum procedimento estipulado no direito internacional sobre como responder a um sinal de uma civilização alienígena", disse Martin Dominik, um astrônomo da Universidade de St Andrews. “Queremos ouvir as opiniões das pessoas. As consequências afetam mais pessoas do que apenas cientistas”.

Além de enviar sondas para outros planetas do Sistema Solar, a busca por vida alienígena concentrou-se principalmente na escuta de sinais de rádio complexos do espaço sideral com os telescópios mais poderosos do mundo. No mês passado, os astrônomos do projeto Breakthrough Listen anunciaram que não ouviram nada depois de espionarem mais de mil sistemas estelares em 160 anos-luz da Terra.

Mas Dominik salienta que com 300 bilhões de estrelas somente na Via Láctea, o Breakthrough Listen mal começou a tarefa gigantesca de escanear o cosmos para a vida em outro lugar. "Se houvesse dezenas de quintilhões de outras civilizações como a nossa distribuídas uniformemente na Via Láctea, o projeto Breakthrough Listen poderia não ter ouvido nada", disse ele.

O Dr. John Elliott, um leitor de engenharia de inteligência da Leeds Beckett University, disse que a comunidade SETI (sigla em inglês para “Busca por Inteligência Extraterrestre”) anunciaria qualquer sinal alienígena de boa-fé imediatamente. Mas divulgar em uma era de mídia social provocaria uma enxurrada de notícias falsas e teorias de conspiração que deixam as pessoas totalmente confusas sobre a verdade, ele disse.

O problema é que, embora os cientistas possam rapidamente perceber que um sinal interceptado é complexo o suficiente para ser transmitido de uma civilização avançada, pode levar semanas ou meses para ser compreendido, se é que pode ser decifrado. Qualquer sinal poderia ser facilmente um ruído eletromagnético do equipamento ou um trecho de uma transmissão terrestre,  que vazou para o espaço, sem intenção para ouvidos tão distantes.

  

A pedra de Roseta em exposição no Museu Britânico. Foto: Graham Turner

  

Não podemos confiar na existência de uma pedra de Roseta - uma antiga tábua de pedra egípcia -  ou de um grande presépio de decifração no sinal. Pode ser uma imagem ou simplesmente lixo”, disse Elliott. "Levará tempo para entender e, se esse trabalho começar a se arrastar e não houver nada novo que possamos dizer, o vácuo de informações será preenchido com especulações", disse ele. "Conjecturas e rumores assumirão o comando”.

 

 Uma mensagem de rádio sobre a vida na Terra foi enviada a um grupo de estrelas a 25.000 anos-luz de distância, em 1974, do telescópio de Arecibo, em Porto Rico. Foto: Alamy

 

A pesquisa ajudará os cientistas a descobrir a melhor maneira de fornecer informações confiáveis, mas também o que deve ser feito para parecer apenas educado em responder a uma missiva interestelar.  Stephen Hawking alertou que os humanos fariam bem em não alertar civilizações alienígenas para a vida na Terra, mas outros pesquisadores discordam.

Ainda este ano, a organização chamada Messaging Extraterrestrial Intelligence Internacional (METI) planeja enviar sinais para o espaço contendo referências à tabela periódica de elementos. Eles não farão as primeiras tentativas de entrar em contato com os extraterrestres. Em 1974, cientistas do telescópio de Arecibo, em Porto Rico, enviaram uma mensagem de rádio sobre a vida na Terra para um grupo de estrelas a 25.000 anos-luz de distância. Dado o quão desconcertante a mensagem será para muitos seres humanos no século 21, não está claro o que qualquer destinatário irá inferir a partir disso.

"Faz sentido criar uma estrutura juridicamente vinculativa que esteja adequadamente enraizada no direito internacional", disse Dominik. “Estou completamente confortável em levar a coisa toda acima do nível dos cientistas. Se houver consequências públicas de responder e enviar mensagens, isso é uma decisão política e não deve ser tomada por cientistas.”

O formulário elaborado pela UK Seti Research Network  está disponível na internet. Participe!

Fonte: The Guardian

 

Veja Mais:

Pilotos da Marinha americana relatam seus encontros com UFOs

De acordo com cientistas, água teria origem extraterrestre

Primeiro agroglifo da temporada no Reino Unido apresenta sinais de fraude

Plano da NASA revelado: 37 aeronaves e um pouso lunar

Pentágono admite a investigação de UFOs

O que Bob Lazar tem em comum com o comportamento atual do Pentágono?

  

Curso Portais Dimensionais

Presencial e a distância

Saiba sobre todos os módulos do curso aqui:

www.portaisdimensionais.com.br 

 

Já está no ar a Edição 269 da Revista UFO. Aproveite!

Junho de 2019

Como são eles?

UPDATED CACHE