NOTÍCIA

O que há no lado oculto da Lua?

Por Mel Polidori | 29 de Abril de 2019

Lado oculto da Lua
Créditos: CNet

O que há no lado oculto da Lua?

Olhando para a esfera prateada da Lua, você pode reconhecer sombras e formas familiares em seu rosto de uma noite para a outra. Você vê a mesma visão da Lua que nossos primeiros ancestrais viram quando ela iluminou seu caminho após o pôr do sol.

Apenas um lado da esférica Lua era visível da Terra - até que, em 1959,  a espaçonave soviética Luna 3 orbitou a Lua e mandou fotos para casa que os seres humanos foram capazes de ver o "lado mais distante" da Lua pela primeira vez. 

 

Comparação do primeiro vislumbre da humanidade sobre o lado lunar e a mesma visão graças aos dados da LRO 50 anos depois. Estúdio de visualização científica Goddard Space Flight Center da NASA , CC BY

  

Um fenômeno chamado bloqueio de maré é responsável pela visão consistente. A Terra e sua Lua estão próximas e, assim, exercem forças gravitacionais significativas uma sobre a outra. Essas forças de maré diminuem as rotações de ambos os corpos. Elas bloquearam a rotação da Lua em sincronia com seu período orbital relativamente pouco depois de sua formação - como um produto de uma colisão entre um objeto do tamanho de Marte e a proto Terra, 100 milhões de anos após o Sistema Solar se unir.

 

  O período orbital e o período rotacional da Lua têm o mesmo intervalo de tempo.

 

A Lua faz uma viagem ao redor da Terra na mesma quantidade de tempo que leva para fazer uma rotação em torno de seu próprio eixo: cerca de 28 dias. Da Terra, sempre vemos a mesma face da Lua; da Lua, a Terra fica parada no céu.

O lado mais próximo da Lua é bem estudado porque podemos vê-lo. Os astronautas pousaram no lado mais próximo da Lua para poder se comunicar com a NASA aqui na Terra. Todas as amostras das missões Apollo são do lado mais próximo.

  

 Buzz Aldrin desce do módulo lunar para a superfície da Lua em 20 de julho de 1969. JSC / NASA , CC BY

  

Embora o outro lado da Lua não seja visível do nosso ponto de vista e, com todo o respeito ao Pink Floyd, não é correto chamá-lo de lado escuro da Lua. Todos os lados da lua experimentam dia e noite como fazemos aqui na Terra. Todos os lados têm quantidades iguais de dia e noite ao longo de um único mês. Um dia lunar dura cerca de duas semanas terrestres.

Com os satélites modernos, os astrônomos mapearam completamente a superfície lunar. Uma missão chinesa, Chang'e 4, está atualmente explorando a Bacia de Aitken no outro lado da Lua - a primeira missão desse tipo pousou lá. 

 

Mapa topográfico de alta resolução da Lua. NASA

 

Pesquisadores esperam que o Chang'e 4 ajude a responder perguntas sobre as características da superfície da cratera e testar se as coisas podem crescer no solo lunar. Uma missão israelense de fundos privados, a Beresheet, começou como uma missão para competir pelo Google Lunar X Prize . Apesar de ter sofrido queda durante uma tentativa de pouso no início deste mês, a equipe do Beresheet ainda ganhou o prêmio Moon Shot  pelo feito.

Ser blindada da civilização significa que o lado mais distante da Lua é dark radio; ou seja, é um espaço de sombra de sinal, protegido dos ruídos de frequências ou sinais de rádio. Lá, os pesquisadores podem medir sinais fracos do universo que, de outra forma, seriam abafados.  Chang'e 4, por exemplo, poderá observar a luz de rádio de baixa frequência proveniente do Sol ou além, impossível de ser detectada aqui na Terra devido à atividade humana, como transmissões de TV e rádio e outras formas de sinais de comunicação. 

O rádio de baixa frequência volta no tempo para as primeiras estrelas e os primeiros buracos negros, dando aos astrônomos uma maior compreensão de como as estruturas do universo começaram a se formar.

  

As setas indicam a posição do módulo Chang'e 4 no chão da cratera de Von Kármán, na Lua. A cratera atrás e à esquerda do local de pouso é de 4 km de diâmetro e 600 metros de profundidade. NASA / GSFC / Universidade Estadual do Arizona , CC BY

  

As missões Rover também investigam os dois lados da Lua enquanto os cientistas espaciais se preparam para futuras missões humanas, usando os recursos da Lua para ajudar a humanidade a chegar à Marte. Por exemplo, a água - descoberta pelo satélite LCROSS da NASA, sob os polos norte e sul da Lua, em 2009 - pode ser dividida em hidrogênio e oxigênio e usada para combustível e respiração.

Os pesquisadores estão cada vez mais perto de explorar as crateras polares da Lua, algumas das quais nunca viram a luz do dia - literalmente. Elas são profundas e estão no lugar certo para que o Sol nunca brilhe no chão da cratera. Há, certamente, partes escuras da Lua, mas o lado mais distante não é uma delas.

Fonte:  Theconversation.com, colaboração David Vanzin, tradução  por Ana Carbone.

 

Compartilhe essa notícia:

Saiba mais sobre este assunto na edição 267 da revista

Comentários

Livros
recomendados

DVDs
recomendados

Edições
recomendadas