DESTAQUE

O plano para transformar foguetes destruídos em estações espaciais

Por
16 de Novembro de 2020
Renderização de um Posto Avançado Nanoracks feito a partir do estágio superior de um foguete
Créditos: Nanotracks

Foguetes usados são lixo espacial perigoso, mas podem ser o futuro da vida e do trabalho em órbita. Saiba como isso será possível.

No início de outubro, um satélite soviético desativado e o estágio superior abandonado de um foguete chinês evitaram por pouco uma colisão na órbita baixa da Terra. Se os objetos tivessem caído, o impacto os teria explodido e criado milhares de novos pedaços de lixo perigoso espacial. 

Poucos dias antes, a Agência Espacial Europeia publicara seu relatório anual sobre o ambiente espacial, destacando os foguetes abandonados como uma das maiores ameaças às espaçonaves. 

A melhor maneira de mitigar esse risco é os fornecedores de lançamento desorbitarem seus foguetes depois de entregarem sua carga útil. 

Mas se você perguntar a Jeffrey Manber, o CEO de uma empresa chamada Nanoracks isso é um desperdício de um tubo de metal gigante em perfeito estado.

 

Reciclando o lixo

A Nanoracks é uma empresa de logística espacial, mais conhecida por hospedar cargas úteis privadas na Estação Espacial Internacional, mas últimos anos Maber tem trabalhado em um plano para transformar os estágios superiores de foguetes usados, em estações espaciais menores. 

Não é uma ideia nova, mas Manber sente que chegou a hora. “A NASA considerou a ideia de reformar os tanques de combustível várias vezes”, diz ele. “Mas sempre foi abandonado, geralmente porque não havia tecnologia para isso”. 

Todos os planos anteriores da NASA dependiam de astronautas fazendo grande parte do trabalho de fabricação e montagem, o que tornava os projetos caros, lentos e perigosos. 

A visão de Manber é criar um “desmanche” extraterrestre onde os astronautas são substituídos por robôs autônomos que cortam, dobram e soldam os corpos dos foguetes usados, até que eles estejam adequados para serem usados como laboratórios, depósitos de combustível ou de material.

O programa Nanoracks, conhecido como Outpost, modificará os foguetes depois que eles concluírem sua missão para dar-lhes uma segunda vida. 

Os primeiros postos avançados serão estações desengatadas feitas com os estágios superiores de novos foguetes, mas Manber diz que é possível que futuras estações possam hospedar pessoas ou sejam construídas a partir de estágios de foguetes já em órbita. 

No início, os nanoracks não usarão o interior do foguete e montarão cargas úteis de experimentos, módulos de fonte de alimentação e pequenas unidades de propulsão na parte externa da fuselagem. 

Assim que os engenheiros da empresa tiverem dominado isso, eles poderão se concentrar no desenvolvimento do interior do foguete como um laboratório pressurizado.

 

Por que há lixo espacial?

Foguetes em órbita são lançados com pelo menos dois estágios, cada um equipado com seus próprios tanques propulsores e motor. 

O grande primeiro estágio impulsiona o foguete até a borda do espaço antes de se desacoplar e cair de volta à Terra - ou, no caso da SpaceX, pousar em navios autônomos no oceano. 

O segundo estágio, que é menor, eleva a carga útil à velocidade orbital antes de liberá-la. Nesse ponto, o estágio superior normalmente tem apenas combustível suficiente para acionar seu motor de modo que ele volte para a Terra. 

Se o estágio superior não fizer uma queima de órbita, ele continuará circulando o planeta como um satélite não controlado. Ou seja, virará lixo espacial.

A equipe do Nanoracks tem como objetivo utilizar esses estágios superiores porque eles já possuem muitas das qualidades necessárias para uma estação espacial. 

 

Com a ajuda de robôs

Os tanques de combustível de um foguete são projetados para manter a pressão e são feitos de um material incrivelmente durável para suportar os rigores do lançamento. Eles também são espaçosos. 

O estágio superior do Falcon 9 da SpaceX tem 3,6 metros de diâmetro e cerca de nove metros de altura, o que é espaço suficiente para deixar um morador de apartamento em Nova York com inveja.

Os tanques precisam ser um pouco melhorados antes que possam hospedar experimentos ou astronautas. A primeira etapa é liberar qualquer combustível restante para evitar uma explosão. Então, os robôs assumem. 

Os autômatos irão anexar componentes necessários como painéis solares, conectores montados em superfície ou pequenas unidades de propulsão. 

Nate Bishop, o gerente do projeto Outpost em Nanoracks, diz que a empresa fará várias pequenas demonstrações no espaço antes de tentar converter um estágio superior completo em uma estação espacial em funcionamento. 

“No momento, não estamos realmente modificando nada”, diz Bishop. “Estamos focados em mostrar que podemos controlar o estágio superior com acessórios. Mas, no futuro, imagine um monte de pequenos robôs subindo e descendo para adicionar mais conectores e coisas assim”.

 

Fonte: The Wired

Assista, abaixo, um video explicativo sobre o lixo espacial e o perigo que representa:

Já está no ar a Edição 280 da Revista UFO. Aproveite!

Outubro de 2020

Intervenção extraterretre